A qualidade das rodovias brasileiras

Qualidade das rodovias vem melhorando, mas a malha é pequena e a maioria das rodovias públicas avaliadas ainda é deficiente; análise é inédita

A Confederação Nacional do Transporte (CNT)) divulgou o estudo Transporte Rodoviário – Desempenho do Setor, Infraestrutura e Investimentos. O estudo avaliou a evolução da qualidade da infraestrutura, os investimentos no setor e propõe ações para solucionar os entraves identificados.

A CNT avalia 100% da malha federal pavimentada na Pesquisa CNT de Rodovias realizada anualmente. Na análise da série histórica 2004/2016, o estado geral das rodovias públicas federais melhorou 24,0 pontos percentuais, passando de 18,7% com classificação ótimo ou bom, em 2004, para 42,7%, em 2016. Apesar da evolução da qualidade, 57,3% das rodovias públicas avaliadas ainda apresentam condição inadequada ao tráfego. Em 2016, cerca de 31 mil quilômetros ainda apresentavam deficiências no pavimento, na sinalização e na geometria. Esses problemas aumentam o custo operacional do transporte, comprometem a segurança nas rodovias e causam impactos negativos ao meio ambiente.

Nos 13 anos analisados, é possível perceber uma relação direta entre a qualidade das rodovias brasileiras e os investimentos federais em infraestrutura rodoviária. Em 2011, por exemplo, a União investiu o maior montante em infraestrutura de transporte no período, R$ 15,73 bilhões. O estudo divulgado hoje identificou que, naquele ano, o percentual de rodovias consideradas ótimas ou boas foi de 41,3%. Já em 2004, quando houve o menor aporte de recursos no período analisado (R$ 3,90 bilhões em investimentos federais), apenas 18,7% das rodovias tiveram avaliação positiva na pesquisa da CNT.

Em 2015 e em 2016, apesar do baixo volume de investimentos (R$ 6,33 bilhões e R$ 8,61 bilhões, respectivamente), percebe-se a manutenção dos percentuais de avaliação positiva (42,1% e 42,7%). Isso ocorre, entre outros motivos, devido ao investimento em manutenção e em melhoria de sinalização, que têm custo menor.

Em 2016, o volume de recursos aplicados pelo governo federal nas rodovias retrocedeu praticamente ao nível de 2008, em valores reais. A estratégia do poder público foi investir os escassos recursos em ações de manutenção e recuperação de rodovias, que concentraram 64,3% do montante desembolsado em 2016.

Na avaliação da CNT, o histórico indicando que mais da metade dos trechos pesquisados estão inadequados demonstra a falta de priorização de investimentos em infraestrutura de transporte, ao longo dos anos, apesar de a maior parte das cargas brasileiras e dos passageiros ser transportada por esse modal.

Como parte da solução dos problemas persistentes nas rodovias, a CNT propõe maior participação da iniciativa privada em obras de infraestrutura, oferta de segurança jurídica e condições atraentes para os investidores, diversificação das formas de financiamento, transparência e eficiência na comunicação do governo com o setor privado. Segundo a CNT, também é preciso definir regras de priorização dos investimentos, alinhando os empreendimentos selecionados para receber recursos públicos com os objetivos do setor. Outra medida apontada é a exclusão da Cide-combustíveis da base de incidência da DRU (Desvinculação de Receitas da União) como forma de garantir mais investimentos em infraestrutura de transporte.

O Brasil possui 1.720.756 km de rodovias, dos quais apenas 211.468 km são pavimentados (12,3%). A densidade de infraestrutura rodoviária é de 24,8 km por 1.000 km² de área. Os EUA, por exemplo, têm 438,1 km por 1.000 km² de área. Os acidentes registrados nas rodovias federais em 2016 geraram um prejuízo estimado de R$ 10,88 bilhões, sendo que as ocorrências com vítimas fatais foram responsáveis por R$ 4,07 bilhões (37,5%).

Clique nas figuras para uma melhor visualização

Densidade da malha rodoviária pavimentada, países selecionados (em km/1.000 km²)

Custo total e médio de acidentes por gravidade, Brasil – 2016

Anúncios

Como estabelecer um perfil sensorial

A análise sensorial é realizada em função das respostas transmitidas pelos indivíduos às várias sensações que se originam de reações fisiológicas e são resultantes de certos estímulos, gerando a interpretação das propriedades intrínsecas aos produtos. Para isto é preciso que haja entre as partes, indivíduos e produtos, contato e interação.

O estímulo é medido por processos físicos e químicos e as sensações por efeitos psicológicos. As sensações produzidas podem dimensionar a intensidade, extensão, duração, qualidade, gosto ou desgosto em relação ao produto avaliado. Nesta avaliação, os indivíduos, por meio dos próprios órgãos sensórios, numa percepção sensorial, utilizam os sentidos da visão, olfato, audição, tato e gosto.

No olho humano, ocorre um fenômeno complexo se um sinal luminoso incide sobre a capa fotossensível, a retina, provocando impulsos elétricos que, conduzidos pelo nervo óptico ao cérebro, geram a sensação visual que é, então, percebida e interpretada. O olho, como órgão fotorreceptor, percebe a luz, o brilho, as cores, as formas, os movimentos e o espaço.

As cores são percebidas pelo indivíduo fisiologicamente normal quando a energia radiante da região visível do espectro entre 380 a 760 nm atinge a retina. As características da cor são, essencialmente, o tom ou matiz, a saturação ou grau de pureza e a luminosidade ou brilho. Na avaliação da acuidade visual de indivíduos, alguns testes podem ser aplicados como, por exemplo, o de Munsell – Farnsworth 100 Hue Test.

A mucosa do nariz humano possui milhares de receptores nervosos e o bulbo olfativo está ligado no cérebro a um banco de dados capaz de armazenar, em nível psíquico, os odores sentidos pelo indivíduo durante toda a vida. Na percepção do odor, as substâncias desprendidas e aspiradas são solubilizadas pela secreção aquosa que recobre as terminações ciliadas, entrando em contato com os receptores nervosos e produzindo impulsos elétricos.

Estes, quando chegam ao cérebro, geram informações que, comparadas aos padrões conhecidos por ele se encaixam como num sistema de “chave-fechadura”. Em média, o ser humano pode distinguir de 2000 a 4000 impressões olfativas distintas. Para avaliar o poder de discriminação, certas substâncias químicas comuns ou raras podem ser apresentadas ao indivíduo para reconhecimento e identificação, como por exemplo: acético, alcoólico, amoníaco, sulfídrico, pinho, lenhoso, cítrico, caramelo, mentol, eugenol, etc.

O ouvido humano tem a função de converter uma fraca onda mecânica no ar em estímulos nervosos que são decodificados e interpretados por uma parte do cérebro, o córtex auditivo, de forma a reconhecer diferentes ruídos. Para avaliar a capacidade de discriminação de indivíduos, algumas características peculiares dos produtos podem ser empregadas utilizando simultaneamente os sentidos da audição e tato, como por exemplo: a dureza do pé-de-moleque, a crocância do biscoito ou da batata frita, a mordida da maçã ou da azeitona e o grau de efervescência da bebida carbonatada, cujos sons ou ruídos são reconhecidos pela quebra e mordida entre os dentes e o borbulhar do alimento.

Já o tato é toda sensibilidade cutânea humana. É o reconhecimento da forma e estado dos corpos por meio do contato direto com a pele. Ao tocar o alimento com as mãos ou com a boca, o indivíduo facilmente avalia sua textura, mais do que quando utiliza a visão e a audição. A textura, considerada como o grau da dureza, é definida como a força requerida para romper uma substância entre os dentes molares (sólidos) ou entre a língua e o palato (semisólidos).

Para avaliar o poder de discriminação dos indivíduos, podem ser apresentados para reconhecimento alguns produtos de diferentes graus de dureza, como, por exemplo: a amêndoa (dura), a azeitona (firme), o requeijão (mole), etc. Na boca, a língua é o maior órgão sensório e está recoberta por uma membrana cuja superfície contém as papilas, onde se localizam as células gustativas ou botões gustativos e os corpúsculos de Krause, com as sensações táteis.

O mecanismo de transmissão da sensação gustativa se ativa quando estimulado por substâncias químicas solúveis que se difundem pelos poros e alcançam as células receptoras que estão conectadas, de forma única ou conjuntamente com outras, a uma fibra nervosa que transmite a sensação ao cérebro.

A sensibilidade não se limita apenas à língua, pois outras regiões também respondem aos estímulos, como o palato duro, amídalas, epiglote, mucosa dos lábios, as bochechas e superfície inferior da boca. A percepção mais conhecida envolve quatro gostos primários: doce, salgado, ácido e amargo, sendo citado também o umami (palavra de origem japonesa que significa gosto saboroso e agradável).

A NBR ISO 13299 de 07/2017 – Análise sensorial — Metodologia — Orientação geral para o estabelecimento de um perfil sensorial oferece orientações para o processo geral de estabelecimento de um perfil sensorial. Perfis sensoriais podem ser estabelecidos para todos os produtos ou amostras que podem ser avaliadas pelos sentidos da visão, olfato, gosto, tato ou audição (por exemplo, alimentos, bebidas, produtos de tabaco, cosmético, tecido, papel, embalagens, amostra do ar ou água). Também pode ser útil em estudos cognitivos e de comportamento humano.

Pode servir como guia para estabelecer perfis sensoriais obtidos por avaliadores treinados. Um perfil sensorial é o resultado de uma análise descritiva de uma amostra por um painel de avaliadores. A amostra pode ser, por exemplo, alimento, bebida, produto de tabaco, cosmético, tecido, papel, embalagem, amostra de ar ou água etc. O perfil pode ser realizado de diversas maneiras. Com o passar dos anos, alguns destes foram formalizados e codificados como procedimentos descritivos por sociedades profissionais ou por grupo de produtores e usuários com o objetivo de melhorar a comunicação entre eles.

Assim, o propósito da norma é fornecer orientações padronizadas dos procedimentos descritivos sensoriais. O perfil sensorial é a descrição de propriedades de uma amostra, normalmente consistindo da avaliação de atributos sensoriais com designação de um valor de intensidade para cada atributo. Os atributos são geralmente avaliados na ordem que são percebidos.

Alguns perfis sensoriais englobam todos os sentidos; outros (perfis parciais) enfocam com detalhes sentidos específicos. A qualidade dos resultados depende do número de avaliadores e sua habilidade de descrever suas percepções. Treinamento e desenvolvimento de uma linguagem comum melhoram essas habilidades. Alguns métodos têm sido aplicados com avaliadores não treinados, mas está fora do escopo desta norma. A qualidade dos resultados também pode depender do número de repetições por avaliador.

O laboratório deve ter o equipamento adequado para preparo de amostras, conforme especificado na NBR ISO 6658. O perfil sensorial deve ser realizado nas condições especificadas na NBR ISO 8589. Quando uma discussão é necessária (por exemplo, sobre os resultados, produtos, substâncias de referência etc.), recomenda-se que a sala seja disposta de modo que permita a comunicação entre os avaliadores e o líder do painel e ainda garanta condições adequadas para a avaliação de produtos (por exemplo, luzes adequadas).

Um líder de equipe deve ser designado para executar o perfil sensorial. O líder da equipe deve treinar avaliadores; manter a equipe; e executar testes. O número de avaliadores e o treinamento devem ser adaptados ao método de perfil utilizado. A repetibilidade e reprodutibilidade melhoram com o rigor na seleção e com o tempo de treinamento.

A interpretação dos resultados e as diferenças encontradas entre produtos também dependem do número de avaliadores e do treinamento. Os candidatos devem ser recrutados por meio de apresentações orais, circulares ou contato pessoal. De duas a três vezes, o número de avaliadores requeridos deve ser entrevistado e pré-selecionado. As seguintes características devem ser consideradas especialmente importantes: saúde compatível com o produto de teste; interesse e motivação; compromisso com a duração acordada e disponibilidade para as sessões; prontidão; capacidade de concentração; habilidade de memorização; habilidade de comunicação efetiva e descrição das sensações; habilidade de discriminação entre as características estudadas; e habilidade para trabalhar em grupo.

A acuidade sensorial pode ser balanceada utilizando-se um painel de dez ou mais avaliadores. Para o preparo e apresentação das amostras, a NBR ISO 6658 deve ser aplicada. Deve ser tomado cuidado especial para assegurar que os avaliadores não tirem conclusões sobre a natureza das amostras a partir da forma como elas são apresentadas. Por exemplo, óculos de teste coloridos ou luzes coloridas devem ser utilizados para mascarar diferenças na aparência, se necessário.

O preparo e distribuição de amostras à temperatura uniforme devem ser padronizados. Amostras devem ser codificadas com números de três dígitos aleatórios e a ordem de apresentação deve ser definida usando delineamento apropriado. Para aumentar a confiabilidade e validade dos resultados, qualquer amostra ou grupo de amostras deve ser apresentado duas ou três vezes ou mais, se possível em dias diferentes. A escolha do número de repetições deve ser guiada pela precisão requerida, pela dispersão observada dos resultados, e por qualquer tendência específica na melhoria da discriminação alcançada quando os avaliadores se familiarizam com as amostras.

Para a escolha dos atributos apropriados, o objetivo é identificar e selecionar um conjunto de atributos não sobrepostos, singulares, objetivos, não ambíguos, e referenciáveis que, na medida do possível, permitam uma análise descritiva completa das amostras em estudo. Este passo importante pode ser feito individualmente ou coletivamente, e depende do método descritivo. Se uma lista comum for necessária, o líder do painel pode usar uma das três técnicas apresentadas na tabela abaixo.

Clique na figura para uma melhor visualização

Como parte de uma sessão descritiva, é possível solicitar que os avaliadores forneçam uma ou mais avaliações globais. Exemplos incluem frutado ou condimentado, e intensidade global de sabor. Deve-se ter cuidado, pois uma avaliação global por painéis treinados não pode ser hedônica, porque eles podem gerar resultados enviesados: avaliadores sensoriais foram treinados para serem objetivos na descrição de produtos e podem, consciente ou inconscientemente, adotar uma estratégia de avaliação diferente daquela do público alvo. Se avaliações hedônicas forem utilizadas para orientar o desenvolvimento de novos produtos, proceder como especificado na NBR ISO 11136., ou qualquer combinação.

Teste: você sabe administrar sua raiva

Normas comentadas

NBR 14039 – COMENTADA de 05/2005Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kV a 36,2 kV – Versão comentada.

Nr. de Páginas: 87

NBR 5410 – COMENTADA de 09/2004Instalações elétricas de baixa tensão – Versão comentada.

Nr. de Páginas: 209

Ernesto Berg

“Raiva é um ácido que faz mais mal ao recipiente que o contém, do que no vaso em que é despejado.” Mark Twain, escritor americano.

Este teste revela em que pé está sua capacidade de administrar seus sentimentos de ira. Para que o resultado seja fidedigno use de máxima sinceridade e responda às perguntas levando em conta como você realmente é, e não como você pensa que deveria ser.

S = SIM        N = NÃO        AV  = ÀS VEZES

  1. Controlo facilmente minha raiva. S N AV
  2. Irrito-me frequentemente com as pessoas de minha intimidade, ou que me são próximas. S N AV
  3. Quando enfrento uma situação irritante ou de conflito, imediatamente procuro me acalmar, e me concentro em adotar ações práticas e úteis. S N   AV
  4. Quando estou com raiva tendo a gritar, praguejar e dizer coisas das quais me arrependo mais tarde.S N AV
  5. Depois de passada a raiva, procuro entender e perguntar o que aprendi de novo com toda essa situação. S N AV
  6. Se eu sei que determinada situação irá deixar-me enraivecido, de antemão eu a evito. S N AV
  7. Quando estou irado, eu dou um tempo para esfriar a cabeça (dou uma caminhada, tento ouvir música, me desligo do ambiente etc.) S N AV
  8. Quando algo me deixa irado eu tento não demonstrar e faço de conta que não me afetou. S N AV
  9. Às vezes tenho problemas no meu trabalho por causa do meu temperamento. S N AV
  10. Eu consigo gerenciar situações conflitantes, sem me irritar, nem perder o controle emocional. S N   AV
  11. Algumas vezes fico irritado ou mal-humorado sem saber o real motivo. S N AV
  12. Quando alguém é mal-educado comigo respondo na mesma moeda. S N AV
  13. Quando extravaso a raiva, mais tarde penso no que eu deveria ter feito para controlá-la. S N AV
  14. Tenho facilidade em perdoar pessoas que me machucaram ou prejudicaram. S N   AV
  15. Sou do tipo “pavio curto”. Irrito-me com facilidade. S N AV
  16. Quase sempre consigo conter-me e ocultar minha raiva, mas, quando chego no meu limite, eu explodo (aí, então, não tem quem me segure). S N   AV
  17. Quando uma pessoa me deixa enraivecido procuro entender os motivos pelos quais ela fez ou se comportou daquele jeito. S N AV
  18. Quando estou irritado sempre evito dar respostas precipitadas. S N   AV
  19. Pratico atividades, rotinas ou hobbies que ajudam a eliminar o sentimento de raiva. S N   AV
  20. Quando estou muito irritado eu reservo um tempo para encontrar alternativas e resolver o problema. S    N   AV

Faça sua Contagem de Pontos

Marque um ponto para cada resposta SIM dada às seguintes perguntas: 1, 3, 5, 6, 7, 8, 10, 13, 14, 17, 18, 19, 20

Marque um ponto para cada resposta NÃO dada às seguintes afirmações: 2, 4, 9, 11, 12, 15, 16

Marque meio ponto para cada resposta ÀS VEZES.

TOTAL DE PONTOS_______

SUA AVALIAÇÃO

De 17 a 20 pontos. Parabéns. Você sabe o que te faz enraivecer e sabe como agir quando percebe sinais de confusão ou encrenca. Você tem ótimas estratégias para gerenciar a raiva e sabe como utilizá-las no momento certo.

De 13 a 16,5 pontos.  Você consegue gerenciar a raiva em certos momentos e situações, mas perde o controle em outras ocasiões. Sabe utilizar algumas estratégias que funcionam adequadamente para você, entretanto, terá maiores benefícios se procurar entender o que causa sua raiva e que ações adotar para melhor administrá-la.

Abaixo de 13 pontos. Ao que tudo indica você tem temperamento briguento e é do tipo “não levo desaforo para casa”, o que, provavelmente já lhe causou vários problemas, como perda de amizades, relacionamentos prejudicados e conflitos que trouxeram consequências desagradáveis. Não desanime, pois você pode aprender a redirecionar suas respostas comportamentais e gerenciar a raiva adotando as estratégias adequadas.

Oito dicas fundamentais para gerenciar a raiva Por ser uma emoção natural do ser humano é impossível eliminar a raiva totalmente. O objetivo do gerenciamento da raiva é controlar e direcionar o sentimento de ira para que ela não domine o indivíduo e não acarrete, também, danos nos relacionamentos interpessoais e nas circunstâncias envolvidas.

Pergunte-se

Uma das formas mais eficazes de administrar a raiva é identificar as causas do enraivecimento. Pergunte-se: “O que me tira do sério e me faz enraivecer? Como eu demonstro minha raiva? Eu conto até dez, grito, jogo coisas no chão, bato portas, soco as paredes, ofendo alguém, amaldiçoo?” Outras perguntas que podem ajudar a entender-se: “Mantenho tudo dentro de mim deixando que o problema me devore por dentro? Me controlo até onde posso, e depois explodo? Descarrego em alguém inocente? Uma vez que você entenda o que o faz enraivecer, você pode desenvolver estratégias para lidar melhor com a situação.

Reduza as possibilidades de raiva

Embora seja impossível eliminar a raiva por inteiro, você pode reduzir a frequência dela. Quanto menos você irritar-se maior será o controle sobre suas emoções que são causadas, principalmente, pelo estresse e pelas frustrações. Assim, evite ambientes e situações que – você sabe de antemão – irão irritá-lo. Se determinados lugares, conversas, atividades ou circunstâncias irritam você, evite contato ou proximidade com isso sempre que puder. Por força do seu trabalho ou da convivência familiar, nem sempre será possível afastar-se das coisas que poderão irritá-lo, mas se você souber identificar as ocorrências que te levam a isso, será meio caminho andando para a solução, pois poderá aparelhar-se das estratégias psicológicas e comportamentais adequadas para enfrentá-las.

Aceite o fato de que você não pode controlar o mundo Pessoas iradas permitem que coisas insignificantes as irritem. Qualquer coisa que lhes contradiga, fazem-nas estourar. Aceite o fato de que nem sempre você tem razão Pessoas iradas frequentemente sentem-se injustiçadas como se o mundo as perseguisse, dizendo: “Eles não podem fazer isso comigo”. O fato é que muitas vezes eles fazem – tenham ou não razão -, e é preciso maturidade e bom senso para saber lidar com isso.

Aceite o fato de que experiências negativas são inevitáveis Experiências negativas, estresse e desacordos fazem parte da vida. Quando a pessoa aceita essa realidade, poderá também preparar-se para ela. Você é responsável pelo ambiente que cria ao seu redor. Evite o uso de linguagem negativa e atitudes radicais num confronto Palavras ou frases como, “Nunca”, “Impossível”, É proibido”, “Jamais”, “Você está errado”, “Discordo”, “Você está me perseguindo”, “Assim não tem jeito”, são termos de reprovação, censura, raiva. Substitua expressões negativas pelas positivas, enfocando o que pode ser feito, quais as opções, e procure abrandar seu comportamento utilizando palavras conciliatórias.

Pergunte-se: “Numa escala de zero a 10 qual a importância disso?”

Grande parte dos conflitos, más notícias ou discórdias não compensa o desgaste e a tensão que o confronto provoca. Frequentemente as pessoas se envolvem em discussões intermináveis por terem temperamento implicante e não querer “levar desaforo pra casa”. Quem procura encontra as saídas, desde que a cabeça esteja no devido lugar.

Canalize a raiva

Você pode reduzir significativamente os ataques de raiva direcionando seus esforços e atenções para algo construtivo que elimine ou, pelo menos reduza, de maneira expressiva as emoções negativas. Você pode fazer muitas coisas para canalizar e liberar a raiva, como:

– Fazer uma caminhada, correr, andar de bicicleta, fazer exercícios físicos, nadar.

– Fazer, lentamente, 15 ou 20 respirações profundas.

– Meditar ou praticar técnicas de relaxamento.

– Sorrir. É muito difícil enraivecer-se quando você tem um sorriso nos lábios.

– Perdoar e esquecer. Essas duas atitudes são as mais difíceis de executar. Mas, acredite-me – falo de experiência própria -, quando você de fato (mas, de fato, mesmo) perdoa alguém e coloca um ponto final na discórdia, é como se o peso de uma tonelada saísse de suas costas, e você fica com uma sensação de leveza e bem estar impossíveis de descrever.

– Se você for uma pessoa religiosa tem outro respaldo muito potente que é a fé em Deus. Grande número de pesquisas feitas em centros médicos e de psicologia, comprovou que pessoas dotadas de uma filosofia de vida e de fortes crenças espirituais são, em média, bem menos vulneráveis à raiva e ao estresse do que indivíduos que não as têm.

Ernesto Berg é consultor de empresas, professor, palestrante, articulista, autor de 16 livros, especialista em desenvolvimento organizacional, negociação, gestão do tempo, criatividade na tomada de decisão, administração de conflitos – berg@quebrandobarreiras.com.br

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT): os resultados da pesquisa para resgatar a credibilidade da entidade – Parte 1

“O cumprimento dos dispositivos legais é um ponto fundamental para a credibilidade de qualquer instituição, principalmente tratando-se de uma associação que tem que ter por obrigação a demonstração de sua idoneidade. Desta forma, a administração da ABNT deve apresentar anualmente o seu balanço patrimonial, a sua demonstração de resultado e, por exercer cargo eletivo, o seu presidente deveria apresentar evidência de não enriquecimento ilícito.” (Comentário de um dos respondentes da pesquisa)

Hayrton Rodrigues do Prado Filho, jornalista profissional registrado no Ministério do Trabalho e Previdência Social sob o nº 12.113 e no Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo sob o nº 6.008

Essa frase bem representativa de um leitor que respondeu à pesquisa abre a primeira parte dos resultados dessa pesquisa, que usou o Survey Monkey como consulta. Pedro Buzatto Costa (muito conhecido pelo poder judiciário), presidente do Conselho Deliberativo, seu genro, Ricardo Fragoso, diretor geral, e Carlos Santos Amorim, diretor de relações externas, alteraram os estatutos da ABNT, estão no poder há mais de 14 anos e comandam de forma ditatorial a entidade cometendo vários ilícitos que denunciei em vários artigos sobre os mandos e desmandos da atual diretoria da ABNT.

A atual diretoria da ABNT não pode cometer desvios do real objetivo do Foro Nacional de Normalização (ABNT) que é publicar as normas técnicas feitas pela sociedade, para uso da sociedade e em benefício da sociedade. A atual diretoria da ABNT não pode expor a entidade a situações de pirataria de software e comprometer sua credibilidade. Isso é caso de segurança nacional. Ou seja, não desviar do objetivo eminentemente público da entidade de normalização brasileira. Pedro, Ricardo e Amorim não podem ficar descumprindo as decisões da justiça (Justiça Estadual de São Paulo e Justiça Federal) e defendendo com unhas e dentes que as normas técnicas são de sua propriedade, são apenas vetores de qualidade e não são obrigatórias.

As pessoas precisam entender que a ABNT é uma sociedade civil, sem fins lucrativos e declarada de utilidade pública. Por força de vários dispositivos legais e regulamentares, em razão da atividade que pratica, é titulada para receber auxílio do Estado, além de ter receitas provindas da contribuição dos inúmeros associados integrantes dos vários setores produtivos da sociedade. Ou seja, há recursos de sobra para gerenciar a normalização, sem precisar explorar de forma criminosa os consumidores.

A primeira pergunta feita na pesquisa foi a seguinte:

Você acha que atual administração da ABNT precisa ter maior transparência nas suas contas, ou seja, publicar na internet o seu balanço patrimonial, seu faturamento e suas despesas, mostrando tudo à sociedade e cumprindo a lei?

Foram recebidas 1.110 respostas que envolveram associados da ABNT, membros das Comissões de Estudo e muitas pessoas que se interessam pelo assunto normalização. Confira abaixo o gráfico das respostas tabuladas.

Clique na figura para uma melhor visualização

A maioria absoluta acha que a atual diretoria da ABNT deve ter mais transparência, ou seja, alusão à característica de uma pessoa ou organização que não oculta nada (não tem nada a esconder). Uma pessoa transparente mostra-se tal como é e não tem segredos. Em sentido similar, uma organização transparente é aquela que torna pública a sua informação.

A Constituição Federal atribuiu a categoria de princípio sensível ao dever de prestar de contas. Quem, em nome de alguém, exerce um mandato, tem o dever de apresentar o resultado de sua atuação. É o que acontece com o governante que é escolhido pelo povo para gerir o seu patrimônio. Haverá de haver por parte do administrador escolhido a apresentação das suas contas para exame e apreciação por aqueles que lhe confiaram um patrimônio para bem zelar. Será que os membros do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal da ABNT estão sendo omissos ou coniventes com essa situação ilegal que a diretoria da ABNT vem fazendo nesses últimos 14 anos?

Conheça algumas manifestações de alguns dos respondentes da pesquisa:

“E também deve auditar as contas anualmente, como o fazem as instituições sérias e idôneas, com auditoria independente e reconhecida, realizando a prestação de contas, anualmente, aos seus membros, associados de forma pública e transparente. Tudo isto previsto em Estatuto Social, e cumprir o estatuto sob pena de destituição de Conselhos e Diretorias eleitas de forma transparente e democrática. Talvez seja o caso, diante do ocorrido, nomear entre os Conselheiros, membro representante do Ministério Público, Federal ou Estadual, conforme a instância a qual se recorre tendo em vista a localização da sede da ABNT. Não é admissível uma organização sem fins lucrativos não ter no mínimo o compromisso de apresentar a sociedade as suas contas.”

“Não conheço os meandros da administração financeira da ABNT. Todavia, transparência é um imperativo na administração de qualquer organização, sobretudo quando beneficiária de concessões e recursos públicos. Sim, pois com a obrigatoriedade de qualquer entidade pública publicar seus dados (lei da transparência) a ABNT também deveria ter total transparência de seus dados.”

“Cada vez mais temos aprendido que para se ter uma democracia transparente é fundamental que toda a administração pública seja administrada de forma transparente. Além disso nada mais justo que a sociedade tenha acesso as informações dos órgãos. Isso é democracia.”

“Assim como toda entidade pública, a ABNT deve urgentemente fazer um sistema transparente onde apareçam seus órgãos internos e os gastos de cada órgão, detalhando valores, objetos contratados e motivos de compra.”

“Mesmo com sites federais ou estaduais oficiais disponibilizando tais dados, normalmente são mostrados meros dados contábeis, de difícil verificação pelo público geral. O próprio governo de São Paulo já ministrou cursos anticorrupção em que a pauta central é a transparência cidadã, ou disponibilização de dados de fácil acesso e interpretação.”

“Sim, em cumprimento da LAI (Lei de Acesso a Informação) lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011, Art. 1o e 2º. Art. 1o Esta Lei dispõe sobre os procedimentos a serem observados pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios, com o fim de garantir o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5o, no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal. Parágrafo único. Subordinam-se ao regime desta Lei: I – os órgãos públicos integrantes da administração direta dos Poderes Executivo, Legislativo, incluindo as Cortes de Contas, e Judiciário e do Ministério Público; II – as autarquias, as fundações públicas, as empresas públicas, as sociedades de economia mista e demais entidades controladas direta ou indiretamente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. Art. 2o Aplicam-se as disposições desta Lei, no que couber, às entidades privadas sem fins lucrativos que recebam, para realização de ações de interesse público, recursos públicos diretamente do orçamento ou mediante subvenções sociais, contrato de gestão, termo de parceria, convênios, acordo, ajustes ou outros instrumentos congêneres.”

“Conforme art. 2 da lei federal 12527 :” Aplicam-se as disposições desta Lei, no que couber, às entidades privadas sem fins lucrativos que recebam, para realização de ações de interesse público, recursos públicos diretamente do orçamento ou mediante subvenções sociais, contrato de gestão, termo de parceria, convênios, acordo, ajustes ou outros instrumentos congêneres” e conforme art.5 da lei federal 4150 : “A “ABNT” é considerada como órgão de utilidade pública e, enquanto não visar lucros, aplicando integralmente na manutenção de sua administração, instalações, laboratórios e serviços, as rendas que auferir, em seu favor se manterá, no Orçamento Geral da República, dotação não inferior a dez milhões de cruzeiros (Cr$10.000.000,00).” Logo, não tem desculpa alguma. Cumpra-se a lei, caso não se esteja cumprindo. Ministério Público Federal via denúncia.”

“Esse, sem dúvida, é o mínimo que uma instituição com a importância e influência na sociedade como a ABNT deveria fazer. Os valores exorbitantes que pagamos para ter acesso às normas precisam ser discutidos abertamente com toda a sociedade.”

“Qualquer instituição de utilidade pública, tem obrigação de expor, informar o seu balanço, isto já acontece com várias instituições como o próprio CREA (conselho regional de engenharia e agronomia), creches, câmara municipais, planos de saúde, cooperativas, associações, que uma vez por ano informa a sociedade o seu balanço patrimonial e gastos anuais.”

“Como uma sociedade civil sem fins lucrativos os valores cobrados pelas normas são no mínimo abusivas, não permitindo que todos tenham acesso as normas. Sendo assim, deve ser muito mais transparente o balanço patrimonial da ABNT.”

Para cumprir com o princípio da transparência, Buzatto, Ricardo e Amorim deveriam me dar uma entrevista, a qual solicitei há mais de dois anos e que será publicada, e responder:

  • Como pode ser feita uma análise detalhada dos números da entidade, o balanço, a demonstração do resultado do exercício (DRE)?
  • Quais são os custos gastos nos processos de feitura das normas técnicas?
  • A ABNT paga algum valor aos membros das comissões de estudo que efetivamente elaboram as normas técnicas?
  • Quais são os poderes e salários dos diretores estatutários da ABNT? Há prática de nepotismo? Atualmente eles têm poder de decisão? Há pagamentos de despesas pessoais dos diretores pela ABNT? Se sim, como são feitas essas prestações de contas?
  • Quais são os investimentos feitos nos Comitês Técnicos em 2014, 2015 e 2016?
  • Quais são os custos com salários dos funcionários?
  • A ABNT cobra royalties sobre direito autoral das normas técnicas? A ABNT obtém lucros nas vendas das normas técnicas?
  • A ABNT ainda é uma instituição de utilidade pública? Se sim, por que não presta conta do seu faturamento e de suas despesas à sociedade, descumprindo a lei?

Para a acessar a primeira parte da pesquisa, clique aqui

Hayrton Rodrigues do Prado Filho é jornalista profissional, editor da revista digital Banas Qualidade e editor do blog https://qualidadeonline.wordpress.com/hayrton@hayrtonprado.jor.br

As redes sociais e os paulistanos

A Quorum Brasil fez uma pesquisa com 600 pessoas na cidade de São Paulo, com homens e mulheres, classes ABCD, com idade entre 18 e 55 anos para saber como anda a relação deles com as redes sociais. A pesquisa teve margem de erro de 3,5%.

Clique nas figuras para uma melhor visualização

O que você considera mais importante? Marca ou preço.

Você acha que as redes sociais influenciam as pessoas sobre as marcas?

Foi feita uma análise por classe social.

Você acha que as redes sociais influenciam as pessoas sobre as marcas?

Foi feita uma análise por idade e gênero.

Você deixaria de comprar uma determinada marca por comentários negativos nas redes sociais?

Foi feita uma análise por classe social

Você já fez reclamação de alguma marca através das suas redes sociais?

Foi feita uma análise por classe social.

A marca deu atenção para sua reclamação que você fez via redes sociais?

Foi feita uma análise por classe social.

Você comentou com alguém a respeito da atenção que recebeu da empresa que você reclamou nas redes sociais?

Foi feita uma análise por classe social.

Você procura informações sobre marcas, novidades, lançamentos, etc., via redes sociais?

Foi feita uma análise por classe social.

E você gosta de saber sobre as marcas, novidades, lançamentos, etc., via redes sociais?

Foi feita uma análise por classe social.

Você já fez alguma compra através das redes sociais?

Foi feita uma análise por classe social e idade.

A Quorum Brasil concluiu que: os consumidores utilizam as redes sociais para “falar” com suas marcas, com críticas e elogios ou apenas observando seus “movimentos”; uma pequena parcela já experimentou comprar via este canal e não se incomodam em saber sobre o que ocorre no mercado pelas redes sociais; entendem que as marcas estão atentas e respondem de forma adequada quando fizeram qualquer tipo e manifestação, positiva ou negativa; o comportamento em relação às redes sociais se altera em função da classe social ou idade, mas sua relevância é similar para todos os que estão conectados; as redes influenciam e ajudam na construção positiva ou na detratação de uma marca, pois os consumidores deixam de comprar por comentários negativos; estar nas redes sociais é não apenas estar conectado com o público alvo, mas tornar essa ferramenta promotora da marca e essa relevância tende a crescer.

Clicando aqui é possível ter conhecimento dos Projetos de Normas Brasileiras e Mercosul, disponíveis para Consulta Nacional. Selecione o Comitê Técnico desejado e clique sobre o código ou título para consultar e votar.

Segurança pública: um problema conhecido e reconhecido – há solução?

B. V. Dagnino

A segurança pública nos últimos anos tem sido o centro das discussões em diversos setores da sociedade, sobretudo devido à grave crise pela qual passa o Estado brasileiro em razão, não somente do aumento da criminalidade, em especial o crime organizado, mas da falta de políticas públicas efetivas nesta área tão sensível.

Com efeito, a ausência de políticas públicas por parte dos governos federal, estaduais e municipais permitiu a ascensão das organizações criminosas, chegando ao ponto em que líderes de facções criminosas, mesmo presos em presídios tidos como de segurança máxima, atacam os agentes públicos responsáveis pela segurança da população.

Uma pesquisa, feita pela Target e pela Academia Brasileira da Qualidade (ABQ), a II Pesquisa sobre Qualidade, Normalização e Metrologia ABQ/Target, já evidenciava a crise no setor com números. Esse estudo abrangeu 37 questões, gerando grande número de comentários. A pergunta Q6, respondida por mais de 1.000 pessoas, foi: “Como você percebe a qualidade dos serviços públicos no Brasil na área da segurança pública?”. Mais de 74% a avaliaram como ruim ou péssima, conforme gráfico abaixo.

seguranca

Especialistas em direito, sociologia e estatística acreditam que há vários motivos para que o país viva nessa situação. Eles citam a desigualdade social e desemprego; a morosidade da Justiça e da administração penitenciária, inclusive mantendo detidos indivíduos sem culpa formada ou protelando a libertação dos que já cumpriram pena ou que não foram condenados; a baixíssima utilização de penas alternativas para crimes e contravenções leves praticadas por indivíduos de menor grau de periculosidade, gerando superlotação dos presídios; o baixíssimo nível de recuperação dos infratores, pois os estabelecimentos prisionais, com raríssimas exceções, não oferecem condições de estudo e trabalho que a favoreça; o contato de réus primários autores de crimes comuns com criminosos de altíssima periculosidade e consequente transferência de know-how para o mal; a falta de uma comunicação integrada e ágil, utilizando a informática, entre os órgãos do Judiciário e os policiais, que propicie uma tramitação mais fácil dos processos penais, evitando devoluções e exigências de correções ou complementação de informações; a falta de um cadastro nacional integrado de identificação de pessoas físicas e de contraventores, o que não impede que condenado em um estado circule livremente em outro; a falta de recursos de polícia técnica que permitam aumentar o grau de elucidação dos crimes; a falta de fiscalização das fronteiras e do mar territorial, que evite o tráfico de drogas, armas e pessoas; o excesso de concessão de redução de pena, prisão domiciliar, indulto, saída temporária, liberdade condicional etc., sem que uma detalhada avaliação individual do apenado seja executada para avaliar os riscos envolvidos; o excesso de procrastinação dos processos pela possibilidade de advogados impetrarem uma série de medidas protelatórias, face ao que prevê a legislação; a falta no Judiciário de um empenho para analisar notórios casos que comprovam a necessidade de aprimoramento da legislação, repetindo-se os mesmos erros do passado indefinidamente ao invés de ser praticada a melhoria contínua – a Justiça brasileira não é, positivamente, uma learning organization, conceito criado por Peter Senge, pois não aprende com os próprios erros, o que, aliás, pode ser dito também sobre o Brasil; e a falta de estudos profundos que identifiquem bons exemplos de práticas de outros países e as adaptem ao Brasil (benchmarking).

A esses fatores diretos podem ser acrescentados outros indiretos, como, por exemplo, a corrupção nos altos escalões envolvendo organizações e pessoas na área privada e pública, a flagrante disparidade salarial nos órgãos governamentais com o recebimento de vantagens indevidas, que desmotivam os cidadãos de bem para cumprir seus deveres funcionais e cívicos. Uma vez reconhecidos esses problemas e adotadas soluções para corrigi-los, pode ser que, dentro de alguns anos, não sendo possível um milagre ao curto prazo, certamente uma futura pesquisa mostrará resultados muito mais animadores.

Por fim, pode-se explicar que, pela Constituição, a segurança pública é assunto de responsabilidade dos governos federal e estaduais. O Ministério da Justiça, que agora inclui a Segurança Pública em seu nome, é o órgão máximo responsável pela elaboração e implantação de estratégias de combate à violência e à criminalidade. Responde a esse ministério, por exemplo, a Polícia Federal, que investiga crimes nacionais, como o tráfico de drogas, a corrupção e o contrabando. Aos estados e ao Distrito Federal cabe a execução das ações de segurança, no comando das polícias Militar (repressão e prevenção) e Civil (investigação). As prefeituras não têm, pela Constituição, responsabilidade pela segurança pública, mas algumas cidades instituíram a Guarda Civil Municipal para auxiliar as demais polícias na manutenção da ordem pública.

Trata-se, pois, de priorizar um esforço concentrado dos três Poderes nos três níveis de governo, adotando práticas da boa gestão para reverter o quadro atual, em que a sociedade como um todo só tem a perder.

B. V. Dagnino é presidente da Academia Brasileira da Qualidade (ABQ).

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT): Participe de uma pesquisa para resgatar a credibilidade da entidade

“Tenho acompanhado teus e-mails com as duras críticas sobre a ABNT e sua Administração catastrófica e concordo com a crise a que essa administração levou a nossa ABNT. Espero que o Acórdão da 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo varra essa administração e seus responsáveis para o lugar que merecem estar, bem longe da ABNT. O Brasil está sendo passado a limpo e é o momento oportuno para fazer o mesmo com a ABNT.” (Mario G. Cortopassi, ex-presidente da ABNT e ex-presidente da ISO)

Hayrton Rodrigues do Prado Filho, jornalista profissional registrado no Ministério do Trabalho e Previdência Social sob o nº 12.113 e no Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo sob o nº 6.008

Essa frase me inspirou e a partir de sugestões de vários leitores, resolvi fazer uma pesquisa, usando o Survey Monkey para ouvi-los. Devemos lembrar que há 14 anos, Pedro Buzatto Costa (muito conhecido pelo poder judiciário), presidente do Conselho Deliberativo, seu genro, Ricardo Fragoso, diretor geral, e Carlos Santos Amorim, diretor de relações externas, alteraram os estatutos da ABNT e comandam de forma ditatorial a entidade cometendo vários ilícitos que denunciei em vários artigos sobre os mandos e desmandos da atual diretoria da ABNT. Milhares de leitores entraram em contato comigo para fazer inúmeras sugestões a fim de solucionar toda essa parafernália de atos condenáveis dessa diretoria. A atual diretoria da ABNT não pode cometer desvios do real objetivo do Foro Nacional de Normalização (ABNT) que é publicar as normas técnicas feitas pela sociedade, para uso da sociedade e em benefício da sociedade. A atual diretoria da ABNT não pode expor a entidade a situações de pirataria de software e comprometer sua credibilidade. Isso é caso de segurança nacional. Ou seja, não desviar do objetivo eminentemente público da entidade de normalização brasileira. Pedro, Ricardo e Amorim não podem ficar descumprindo as decisões da justiça (Justiça Estadual de São Paulo e Justiça Federal) e defendendo com unhas e dentes que as normas técnicas são de sua propriedade, são apenas vetores de qualidade e não são obrigatórias.

As pessoas precisam entender que a ABNT é uma sociedade civil, sem fins lucrativos e declarada de utilidade pública. Por força de vários dispositivos legais e regulamentares, em razão da atividade que pratica, é titulada para receber auxílio do Estado, além de ter receitas provindas da contribuição dos inúmeros associados integrantes dos vários setores produtivos da sociedade. Ou seja, há recursos de sobra para gerenciar a normalização, sem precisar explorar de forma criminosa os consumidores.

Os resultados dessa pesquisa serão apresentados e analisados nos próximos textos, bem como os principais comentários dos leitores que não serão identificados.

Para responder clique aqui

Hayrton Rodrigues do Prado Filho é jornalista profissional, editor da revista digital Banas Qualidade, editor do blog https://qualidadeonline.wordpress.com/ e membro da Academia Brasileira da Qualidade (ABQ)hayrton@hayrtonprado.jor.br