Como respeitar as árvores nos processos de demolição de acordo com uma norma internacional

Clique na figuras para mais informações

demoliçãoAtualmente, já existem processos de demolição específicos, visto que as necessidades e exigências de antigamente eram consideradas de somenos importância, recorrendo-se para o efeito aos métodos simples existentes. A necessidade de se encontrarem novos métodos de demolição mais rápidos e eficientes, começou a delinear-se entretanto, como complemento indispensável à industria da construção. Esses métodos, tiveram na sua origem três necessidades que podemos considerar básicas: a substituição parcial de peças componentes das estruturas dos edifícios, tais como lajes, vigas e pilares, para um novo arranjo dos volumes; o desmantelamento puro e simples de um conjunto determinado de peças estruturais, para a criação de espaços livres, de maiores dimensões, ou diferente disposição; a necessidade da demolição completa dos edifícios, com a finalidade de criar um maior desafogo no tecido urbano, ou ainda para permitir arealização de novas obras com características mais actualizadas, ou com outra função especifica de carácter mais permanente.

A arte de demolir, conforme se vai avançando no tempo, vem adquirindo um peso cada vez maior, por força de várias circunstâncias, dando origem a um tipo especifico de serviços altamente especializados. A realização de novas obras com características mais atualizadas ou com outra função especifica de carácter mais permanente. Por exemplo, surgiu umanorma, a BS 5837 (clique no link para mais informações) que especifica as recomendações para o tratamento das árvores em relação à demolição, projeto e construção. Editada em 2012 pelo BSI, a norma traz as recomendações para o tramento das árvores em relação à demolição, projeto e construção, para que não se perca os inúmeros benefícios do verde, a fim de conseguir uma relação harmoniosa com as estruturas construtivas. As árvores são elementos importantes da infraestrutura do verde, contribuindo para o arrefecimento urbano através da evapotranspiração e fornecendo efeitos microclimáticos que podem reduzir a demanda de energia nos edifícios. Elas representam, portanto, um recurso fundamental que pode contribuir significativamente para a adaptação às alterações climáticas. As árvores podem oferecer muitos benefícios, incluindo: o fornecimento de amenidade visual, suavizando ou complementando o efeito do ambiente construído, e adicionando maturidade para novos desenvolvimentos; possibilitam variação sazonal e oferecem oportunidades para a vida selvagem em zonas urbanizadas; tornar os lugares mais confortável em formas tangíveis contribuir para triagem e sombra, reduzindo a velocidade do vento e turbulência, interceptando neve e chuva, e reduzindo o brilho e ofuscamento.

Em locais onde a retenção ou a plantação da árvore é proposta em conjunto com a construção nas proximidades, o objetivo deve ser uma relação harmoniosa entre as árvores e as estruturas construtivas que podem ser sustentados a longo prazo. A boa prática recomendada nessa norma do BSI é destinada a ajudar na concretização desse objetivo. A BS 5837:2012 segue uma sequência lógica de eventos que tem as árvores no centro do processo. A sequência completa de eventos pode não ser aplicável em todos os casos. Por exemplo, uma aplicação de planejamento para uma estufa não pode exigir que o nível de pormenor seja o mesmo que para o desenvolvimento de um local com uma ou mais habitações.

Dessa forma, foi feita uma revisão completa do padrão, que introduziu as seguintes alterações principais:
• Toma conta da prática actual em matéria de planejamento para a gestão, proteção e plantação de árvores nas proximidades de estruturas, e para a proteção de estruturas perto das árvores;
• Atualizações de orientação em relação aos regulamentos de construção;
• Reconhece a contribuição que as árvores fazem para a adaptação à mudança climática.

O conteúdo da BS 5837:2012 inclui:

Escopo

Referências normativas

Termos e definições

Viabilidade: estudos preliminares e restrições

– Geral;
– Levantamento topográfico;
– Avaliação do solo;
– Levantamento das árvores;
– Método de categorização da árvore;
– Área de proteção da raiz (RPA);

Propostas: concepção e design
– Geral;
– Restrições impostas por árvores existentes;
– Proximidade de estruturas de árvores;
– Avaliação do impacto arboricultura;
– Plano de proteção de árvore;
– Projeto de novo plantio e operações paisagísticas associadas;

Desenho técnico
– Declaração de método arboricultura;
– Barreiras e proteção do solo;
– Monitoramento do local;

Demolição e construção na proximidade de árvores existentes
– Geral;
– Evitar danos físicos às raízes durante a demolição ou construção;
– Proteção da árvore durante a demolição;
– Pavimentação permanente duro dentro da RPA;
– Engenharia Especial para fundações dentro da RPA;
– Construção subterrânea dentro da RPA;
– Aparelhos de sondagem e acima do solo;

Obras no local, operações e gestão da paisagem
– Geral;
– Drenagem;
– A qualidade do solo superficial e melhoria;
– A compactação do solo e medidas de reparação;
– Uso de cobertura morta;
– As superfícies duras;
– O uso de herbicidas;
– Gestão da árvore;

Essa norma BSI substitui a BS 5837:2005, que perdeu a validade.