Qual a importância do assessment na vida profissional?

Normas comentadas

NBR 14039 – COMENTADA de 05/2005Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kV a 36,2 kV – Versão comentada.

Nr. de Páginas: 87

NBR 5410 – COMENTADA de 09/2004Instalações elétricas de baixa tensão – Versão comentada.

Nr. de Páginas: 209

Método que ajuda na avaliação de competências técnicas e comportamentais do profissional, quando aplicados por um bom profissional, o assessment pode fazer toda a diferença na carreira.

Assessment, em inglês, significa avaliação. Porém, no ambiente corporativo, esse termo vem sendo utilizado no conceito de gestão profissional. Segundo Madalena Feliciano, gestora de carreira da Outliers Careers, o assessment é avaliar competências, conhecer com maior eficiência e critério as pessoas, buscar autoconhecimento e gestão do conhecimento.

O processo consiste em uma avaliação detalhada de um colaborador ou de um grupo de colaboradores, a partir da cultura da empresa, conduzido por profissionais com o apoio de inovadoras ferramentas.

Ela explica que o assessment ajuda na hora de oferecer soluções profissionais para avaliar o comportamento do colaborador – visando sempre auxiliar a sua identificação, desenvolvimento e potencial. “As ferramentas do assessment ajudam as empresas na hora de estabelecer metas para selecionar e recrutar, avaliar o desempenho dos colaboradores, medir o clima organizacional e criar planos de carreira. Elas servem para que o profissional perceba seus pontos fortes e as áreas a serem trabalhadas para melhorar ainda mais o seu desempenho profissional”.

Essas ferramentas também são utilizadas com o propósito de melhorar os processos do dia a dia de um ambiente de trabalho, visando aumento da produtividade, aperfeiçoamento do relacionamento interpessoal entre chefes e subordinados e entre colegas de trabalho. “Outra vantagem em investir em asssessment é a diminuição dos custos de contratação e demissão, já que se passa a conhecer melhor os colaboradores e seus desejos e metas”, explica.

Resumidamente, o assessment é o processo indicado para empresas que querem obter o melhor de seus funcionários. Quando conduzido por profissionais qualificados, o objetivo de descobrir o potencial dos profissionais e ajudá-los a desenvolver atitudes de alta performance é alcançado com êxito.

Anúncios

Dicas para conquistar um emprego e como conciliar a maternidade com a carreira

O Target Genius Respostas Diretas é o mais avançado e inovador sistema de perguntas e respostas sobre requisitos de normas técnicas. É, basicamente, um conjunto de perguntas mais comuns sobre determinados assuntos das normas técnicas, acompanhadas das respectivas respostas. Definitivamente, a solução para as dúvidas sobre normas técnicas. Selecione o Comitê Técnico desejado e clique sobre o código ou título para consultar. Acesse o link https://www.target.com.br/produtos/genius-respostas-diretas

O ano novo traz consigo muitas mudanças, novos desafios – e novas vagas de emprego. Com isso, uma das transformações que pode ser observada logo no início do ano diz respeito ao trabalho, que muitas vezes é acompanhado de uma promoção ou até mesmo da oportunidade de ser empregado por uma empresa que você sempre quis trabalhar, mas que nunca esteve disponível – até agora. Essa também é uma ótima época para pessoas que estão fora do mercado e desejam voltar a trabalhar, porém, para passar por cima desses novos desafios e conquistar uma vaga muitas vezes é preciso enfrentar algo que vários profissionais ainda temem: a entrevista de emprego.

Para enfrentar esse obstáculo de forma segura e alcançar os objetivos pretendidos, algumas orientações podem ser seguidas a fim de causar uma boa impressão na entrevista de emprego – e, com isso, estar mais perto de conquistar a tão sonhada vaga. Madalena Feliciano, gestora de carreira da empresa Outliers Careers, comenta que, independente da empresa a qual será feita a entrevista, existem atitudes “genéricas” que devem ser sempre tomadas. “É claro que os locais de trabalho mudam. Há empresas que é preciso ir vestido de forma mais formal, já outros locais permitem uma maior liberdade de vestimenta – porém, independentemente disso, há peças de roupa que devem ser deixadas de lado. Para mulheres, aquelas que são muito curtas, justas, e que têm decote são uma má opção, assim como para os homens, o ideal é estar com a barba bem-feita e, para ambos os sexos, nem pensar em usar roupas sujas ou malpassadas”, diz ela, que completa “aparência não é tudo, mas é seu cartão de visitas e responsável por causar a primeira impressão – ou seja, é extremamente importante”.

Mas além da aparência, existem muitos outros aspectos que serão avaliados durante a entrevista, – e é preciso que o profissional saiba como se comportar frente a tudo isso. “Um erro comum é o entrevistado estar muito ansioso para convencer o recrutador de que ele é a pessoa ideal para aquele cargo, e, nesses casos, pode acabar pecando pelo excesso. O ideal é que haja o equilíbrio: o profissional tem que mostrar-se interessado, proativo e com atitude, porém, não deve falar demais – essa é uma atitude extremamente condenada. Ser claro e objetivo é a dica que dou para as pessoas”, explica Madalena.

Ainda sobre esse aspecto, outros erros comuns acontecem quando o profissional se supervaloriza a fim de tentar impressionar o recrutador ou responde perguntas que não foram feitas, tornando-se chato e prolixo. “Por exemplo: ser criativo é algo que conta muitos pontos. Porém, apenas dizer que é criativo, não. Nesse caso, é melhor não dizer nada – se você realmente for criativo, o seu portfólio vai deixar isso claro, sem precisar de reafirmação. No caso das perguntas, caso não entenda o que foi questionado pelo recrutador, seja honesto e peça para que ele repita o que foi dito. Divagar sobre algo que não foi questionado é uma falha que não deve ser cometida – e é fácil de ser evitada. Só responda o que for perguntado – e faça isso de forma enxuta e clara. Entrevistadores não suportam profissionais que falam demais durante a entrevista – ainda mais se for algo que não foi anteriormente questionada”, exalta a especialista.

Outro ponto extremamente importante é o horário: ninguém gosta de contar com pessoas que não são pontuais. “O atraso desqualifica qualquer profissional, portanto, para evitar que haja problemas dessa natureza no dia da entrevista, programe-se com antecedência, – e, se for preciso, chegue antes do horário”, ressalta Madalena.

Uma dica que a especialista oferece é: pesquise sobre a empresa antes de realizar a entrevista. Conheça a cultura do local, saiba qual a roupa adequada para o processo, a postura e a linguagem que devem ser utilizadas durante a avaliação, etc. “Essas são dicas básicas para quem irá passar por uma entrevista. O mais importante de tudo é falar sempre a verdade, isso transmite maior segurança e credibilidade para o entrevistador, características extremamente importantes na hora de contratar um novo profissional”.

Quanto à maternidade e profissão, pode-se dizer que, com o passar do tempo, a mulher começou a exercer funções que, antes, eram considerados masculinos- como CEOs de empresas ou, até mesmo, como presidente do país, como foi o caso de Dilma, a primeira mulher a presidir o Brasil. Além disso, diversas foram as conquistas sociais e a quebra de certos preconceitos. A mulher sempre pode tudo e agora que a sociedade está compreendendo essa situação.

Entretanto, as mulheres que desejam ser mães enfrentam uma dupla jornada: a de cuidar dos filhos e do lar, e, também, participar da renda familiar. Conquistas como estas, muitas vezes, são acompanhadas por um sentimento de culpa por deixar os filhos, ainda bebês, aos cuidados de outras pessoas, para que elas possam trabalhar fora de casa. “O maior desafio é saber lidar com a culpa, mas é preciso reconhecer que abrir mão do trabalho pode significar prejuízo financeiro e insatisfação pessoal. Assim como ser mãe, trabalhar e ganhar o próprio dinheiro faz parte dos sonhos da maioria das mulheres”, explica Feliciano. Claro, chegar cansada depois de um longo dia de trabalho é muito compreensivo, mas participar da vida de seus filhos também é essencial. Acompanhar os estudos deles, convida-los para jogar alguma coisa ou fazer algum passeio durante o fim de semana são ótimas maneiras de tomar parte da vida de seus filhos, sem sufoca-los e deixá-los muito soltos, ao mesmo tempo”.

A gestora conclui, dizendo que é preciso que as mulheres se lembrem de separar um tempo, alheio da vida profissional e maternal, para elas mesmas. “Apesar de parecer uma missão impossível, é necessário lembrar-se, sempre, de guardar um tempo para fazer alguma atividade que lhe dê satisfação, sem que ela seja feita para os outros, mas em benefício próprio. Com a correria do dia a dia, faz bem cuidar de si mesma, também”.

Lidando com o fogo amigo

“Sempre se ouvirão vozes em discordância, expressando oposição sem alternativa, descobrindo o errado e nunca o certo, encontrando escuridão em toda parte e procurando exercer influência sem aceitar responsabilidade.” (John F. Kennedy)

Claudemir Oribe

Certa vez, há muitos anos atrás, descobri uma solução extremamente simples que, se implantada, economizaria centenas de milhares de reais por ano na manutenção de microcomputadores, que era um dos serviços da empresa em que eu trabalhava. Quando fui comunicar tal achado ao gerente responsável pela atividade, tive uma surpresa: ele não apenas se recusou a adotar tal solução como se negou a tomar conhecimento de qualquer informação adicional a respeito. Perplexo, eu calmamente recuei me perguntando o que estaria por trás da resistência em aceitar algo tão simples e óbvio.

Resolver problemas complexos é um processo que requer bastante esforço. Recursos e tempo são escassos, dados e informações são pouco disponíveis, o apoio técnico e motivacional deixa a desejar. As competências envolvidas não são fáceis de desenvolver.

Sem contar as dificuldades relacionadas ao problema em si, que desafia nosso conhecimento e paciência. As denúncias de corrupção ao qual estão envolvidas diversas organizações, até então tida como admiráveis, traz uma oportunidade para pensar a respeito desse contexto.

Como se não bastassem certos obstáculos, que são até naturais num processo de resolução de problemas, algumas pessoas não contribuem para trata-los. Na verdade, certos indivíduos não apenas não ajudam, como parecem atrapalhar, jogando pistas falsas, pregando a impotência e a desesperança, escondendo ou omitindo pistas relevantes. Essas atitudes, inconscientes ou deliberadas, atrapalham o andamento do projeto de melhoria e não há método de resolução, nem MASP, que dê jeito disso.

A pior coisa que se pode fazer é confrontar a atitude usando um argumento racional. É preciso colocar em prática algumas estratégias para evitar, contornar, reverter a situação ou redirecionar o trabalho. Não há nada de racional nesse tipo de atitude.

Diante do pouco tempo o melhor a fazer é ser assertivo e lidar de maneira inteligente com o “empecilho”. Esse termo será carinhosamente utilizado para indicar esse tipo de atitude, no texto a seguir.

A primeira alternativa é evitar o empecilho. Alguns problemas não são resolvidos, não porque são insolúveis, mas porque simplesmente não deixam. Vários motivos podem existir. Interesses, vaidades, disputas de poder, fraudes e medos são exemplos. Se o histórico do empecilho demonstra uma forte tendência para manter o status quo, e se há alternativas, elas devem ser consideradas.

Se puderem ser criadas, idem. É preciso ter em mente que empecilhos consomem recursos e boa dose de energia humana. Evitar o confronto pode parecer uma atitude evasiva. Mas a empresa tem problemas demais para resolver e, se ela não quer também evita um em específico é bom se manter informado e buscar aconselhamento para não embarcar em canoa furada.

A segunda alternativa é contornar o empecilho. Contornar é usar um caminho um pouco mais longo para chegar a um mesmo lugar. O problema não é evitado, mas sim tratado por uma rota alternativa que, embora seja mais longa, é mais rápida do que bater de frente com o empecilho. Nesse momento, pode ser importante trabalhar de forma silenciosa nas primeiras etapas do processo de resolução para evitar iniciativas que possam impedir que o trabalho avance.

De posse de mais elementos será muito mais fácil e evidente a necessidade da ação sobre o problema. No momento oportuno, quando o projeto de melhoria estiver num estágio sólido e consistente, ele pode ser socializado numa sequência que se reforce o time de aliados a cada compartilhamento.

Se, em algum momento o projeto esbarrar com um empecilho, é preciso ouvir atentamente as objeções, verificar sua pertinência, analisa-las, agradecer e responder às questões uma a uma, esclarecendo os fatos, sem deixar nada para trás. Pode ser uma boa estratégia seguir em frente apenas diante do “de acordo” do empecilho, sempre resgatando o consenso, se necessário for.

É preciso reconhecer que a elucidação de um problema pode ser uma ameaça para algumas pessoas, sobretudo se a causa ou a solução envolvam sua área e forem banais. No meio social parece ecoar a pergunta “como você não pensou nisso antes?”. Portanto, comportamento positivo e político são as melhores saídas para lidar com a irracionalidade contida em tentativas de impedir o avanço inevitável de um processo de melhoria objetivo e bem estruturado.

Finalmente, se não houver alternativas, o trabalho pode ser redirecionado, substituindo objetivos, metas, membros, mudando cronogramas e, mesmo redefinindo o problema, para que uma nova roupagem faça sedimentar as eventuais críticas destrutivas. Redirecionar significa recuar, repensar, mudar o rumo, de forma real ou simbólica, mantendo o objetivo fixo na satisfação dos clientes e de outras partes interessadas. Desistir jamais!

No entanto, deve-se admitir a possibilidade de encontrar algum ponto pertinente e não totalmente esclarecido, fornecido por alguém que fazer parte do problema e não da solução. Há males que, infelizmente, vem para o mal mesmo. Determinação e foco no problema, e não na pessoa, são atitudes construtivas para lidar com o fogo amigo, nesses estranhos casos que infelizmente fazem parte do cotidiano organizacional.

Referências

ORIBE, Claudemir Y. Quem Resolve Problemas Aprende? A contribuição do método de análise e solução de problemas para a aprendizagem organizacional. Belo Horizonte, 2008. Dissertação (Mestre em Administração). Programa de Pós-Graduação em Administração da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Claudemir Oribe é mestre em administração, consultor e instrutor de MASP, ferramentas da qualidade e gestão de T&D – claudemir@qualypro.com.br

Não perca a receita

Matthew Barsalou e Robert Perkin

A vovó de Robert Perkin era famosa em sua família por sua torta de caramelo. Era um alimento básico do jantar de Ação de Graças, desde que alguém pudesse se lembrar disso.

Mas, ninguém jamais pensou exatamente como ela fazia ou o que aconteceria se ela parasse de fazer isso. Eventualmente, a vovó Perkin faleceu, assim como a sua receita amada. A irmã de Robert sempre tentou recriar a receita, mas sem sucesso.

Esta história familiar ilustra um problema que, infelizmente, é muito comum em um ambiente produtivo. Por algum motivo, um processo que funcionou bem durante anos começa a falhar e ninguém consegue descobrir o porquê. De repente, a receita está perdida.

Muitas vezes, isso acontece quando um empregado de produção de longa data sai da organização e toma sua receita especial, ou método, que quase sempre não é documentado.

A maneira superior de fazer de um empregado é chamada de habilidade. Um funcionário que sabe de experiência arquivar um componente crítico em um sistema que está sendo montado, por exemplo, tem uma habilidade. Outros funcionários não sabem que a peça deve ser arquivada porque a ação nunca foi documentada, resultando em sucata para funcionários sem a habilidade. (1)

Para resolver este problema, a habilidade deve ser identificada e documentada. Mas, em primeiro lugar, o investigador da análise da causa raiz deve descobrir qual a diferença entre os funcionários que potencialmente podem resultar em uma habilidade.

Um bom primeiro passo em uma investigação é graficar os dados e procurar recursos expressivos (2). Os recursos expressivos destacam-se e podem estar relacionados à causa, mas garantem uma investigação mais aprofundada porque muitas vezes eles fornecem pistas durante uma análise de causa raiz. A Figura 1 mostra um gráfico de execução da sucata total de um processo de fabricação. Há bons dias e dias ruins, mas nada se destaca.

A estratificação pode fornecer informações adicionais sobre os dados (3) e deve ser usada quando os dados consistem em um agregado de múltiplas fontes. O gráfico na Figura 1 consiste na sucata total de quatro funcionários. O gráfico na Figura 2 mostra os mesmos dados estratificados por empregado. A estratificação mostra que Charles tem uma taxa de sucata significativamente menor que as demais. Então, o que Charles está fazendo diferente?

Para ajudar a identificar a habilidade, pode ser necessário observar todos os quatro funcionários e criar um fluxograma de processo de cada movimento que eles fazem durante a operação de montagem. Após a descoberta, o procedimento deve ser revisado.

A documentação deve ser específica e acionável ao nível do operador, caso contrário, o conhecimento pode ser perdido quando o empregado com a habilidade já não está por perto para fornecer orientação. Depois que a habilidade é encontrada e documentada, documentar formalmente a “receita” para garantir um sucesso consistente. Agora, me passe essa torta.

Referências

(1) Frank M. Gryna, Quality Planning and Analysis: From Product Development Through Use, fourth edition, McGraw-Hill, 2001.

(2) Jeroen de Mast and Albert Trip, “Quality-Improvement Projects”, Journal of Quality Technology, Vol. 39, No.4, 2007, pp. 301-311.

(3) Kaoru Ishikawa, Guide to Quality Control, second edition, Asian Productivity Organization, 1991.

Matthew Barsalou atua em estatística do problema Master Black Belt na BorgWarner Turbo Systems Engineering GmbH em Kirchheimbolanden, na Alemanha. Possui mestrado em administração e engenharia de empresas na Wilhelm Büchner Hochschule em Darmstadt, Alemanha, e mestrado em estudos liberais na Fort Hays State University em Hays, KS. Barsalou é um membro sênior da ASQ e possui várias certificações. Robert Perkin é gerente sênior de resolução de problemas de engenharia e métodos estatísticos na BorgWarner Turbo Systems. Perkin possui mestrado em gerenciamento de tecnologia e de engenharia na Universidade de Washington em St. Louis. Ele é um Black Six Sigma Master Black Belt certificado para soluções mais inteligentes.

Fonte: Quality Progress/2017 October

Tradução: Hayrton Rodrigues do Prado Filho

Perdão no ambiente de trabalho é a melhor forma de evitar o desemprego

O Target Genius Respostas Diretas é o mais avançado e inovador sistema de perguntas e respostas sobre requisitos de normas técnicas. É, basicamente, um conjunto de perguntas mais comuns sobre determinados assuntos das normas técnicas, acompanhadas das respectivas respostas. Definitivamente, a solução para as dúvidas sobre normas técnicas. Selecione o Comitê Técnico desejado e clique sobre o código ou título para consultar. Acesse o link https://www.target.com.br/produtos/genius-respostas-diretas

As brigas no ambiente de trabalho costumam ocorrer quando as pessoas se esquecem que não dá para atuar de acordo com todas as suas emoções no contexto profissional. Todos correm o risco de se desentender com o patrão ao menos uma vez na vida.

Apesar da tradicional desculpa de que “errar é humano”, precisamos estar preparados para assumir as falhas e corrigir possíveis erros ao longo de nossa vida profissional. Se você errou ou erraram com você, não tente definir o mais culpado, e sim admita a limitação e seja profissional na hora de se posicionar diante do chefe.

De acordo com Madalena Feliciano, gestora de carreiras da Outlieers Carriers, na maioria das vezes é melhor usar da sensatez e dar um fim ao mau entendido, do que gerar um maior desconforto, futuramente. O perdão e a atitude de pedir desculpas, podem ser uma maneira de separar o passado do presente e do futuro, encerrando o conflito e começando uma etapa nova.

Qualquer pessoa pode ficar com raiva quando sente que foi agredida, ofendida ou magoada. Madalena destaca que “direcionar a raiva a alguém é um desperdício de energia que impede a pessoa de prestar atenção em sua reação emocional, na intensidade dessa emoção e nos seus aspectos íntimos que mobilizam essa emoção, como a dificuldade de lidar com as pressões por resultados ou com pontos de vista diferentes”.

“As tensões que ocorrem num ambiente de trabalho devem ser consideradas como sinais que podem revelar atitudes e valores pessoais que estimulam certos comportamentos como a intolerância com outros colegas, a dificuldade de respeitar as pessoas que têm opiniões diferentes e a falta de disposição para o trabalho em equipe, o que prejudica a convivência profissional”, exalta Madalena.

Ela diz que “apesar de ser fácil apontar os culpados, procure assumir o erro sozinho e deixe que cada profissional assuma sua fração de culpa. O melhor a fazer é passar logo por esta fase e procurar soluções para melhorar no futuro”, aconselha.

A especialista conclui que “depois de ter suas desculpas aceitadas, é bom evitar levantar o problema novamente. Se outra pessoa insistir em discutir o que aconteceu, tente encerrar a conversa e dizer que você já encontrou uma solução para que o fato não se repita. Senão, isso pode comprometer até mesmo o seu emprego”, finaliza.

As três chaves-mestras das pessoas vitoriosas

Projeto de normas técnicas

Acesse o link https://www.target.com.br/produtos/normas-tecnicas-brasileiras-e-mercosul/projetos-de-normas para ter conhecimento dos Projetos de Norma Brasileiras e Mercosul disponíveis para Consulta Nacional.

Selecione o Comitê Técnico desejado e clique sobre o código ou título para consultar. Ou, se preferir, você pode realizar pesquisas selecionando o produto “Projetos de Normas” e informando a(s) palavra(s) desejada(s).

Ernesto Berg

Você sabe o que é necessário fazer para ser promovido, ou então para ser altamente produtivo, ou ainda, ser reconhecido como uma pessoa realizadora? É simples: faça o que a maioria das pessoas não está disposta a fazer.

Seja você um membro de equipe, um gestor de equipe ou um dirigente, o sucesso das pessoas vitoriosas advém da disciplina em fazer as coisas que você sabe que precisam ser feitas, mesmo que você não sinta a menor vontade de fazê-las. Mas a verdade é que, se você regularmente praticar este tipo de autodisciplina, automaticamente irá se destacar do resto da turma, porque a maioria das pessoas não quer “pegar na enxada” e fazer o trabalho duro.

Elas preferem acomodar-se, pois sentem-se melhor fazendo as rotinas, ou as tarefas fáceis. Mas, no longo prazo, o que é fácil, ou simples de fazer, não leva a lugar algum e ainda pode criar problemas.

O que é necessário fazer – mas que no momento parece difícil, ou mesmo chato -, vai tornar as coisas muito melhores e mais fáceis para você no futuro, mesmo que no momento você não sinta a menor vontade de realizar. Por isso, a palavra autodisciplina assusta muita gente, mas é apenas uma questão de como você encara isso. Gente de sucesso domina plenamente a arte da autodisciplina e não faz disso um drama.

Zig Ziglar, um dos maiores palestrantes motivacionais americanos estudou por mais de uma década alguns dos maiores homens de negócios daquele país tentando descobrir o que os tornava tão diferentes. A conclusão a que ele chegou é esta: eles não são mais inteligentes ou mais talentosos do que a maioria das pessoas.

A grande diferença é que eles consistentemente fazem o que as outras pessoas não se dispõem a fazer. Eles adotam três princípios básicos:

1°- Faça, mesmo que tenha medo. Um dos maiores sabotadores de nossos objetivos é o medo, porque ele inibe a ação. Da próxima vez que você não quiser agir por medo de fracassar, siga em frente e faça o que tem que fazer, apesar do medo, porque a ação paralisa o medo. A ação concentrada une mente e esforços, não dando espaço nem ambiente a dúvidas e receios.

2°- Adote hábitos, não resultados de curto prazo. Só começar algo depois que tudo estiver perfeito é um dos maiores erros que podemos cometer, pois é uma atitude perfeccionista que adia indefinidamente o início de um projeto, empreendimento ou trabalho importante. Para manter-se motivado, cultive hábitos de trabalho consistentes, que levem a resultados, em vez de se preocupar com resultados imediatos. Pode levar algum tempo para ver os frutos desse trabalho, porque depende de continuidade e perseverança, mas concentrando-se no dia a dia o triunfo automaticamente acontecerá.

3°- Fixe os olhos no resultado final. Os desafios de hoje talvez não o motivem muito, contudo você deve ter fé de que no longo prazo eles apenas representam esforços passageiros necessários. Veja o quadro na sua totalidade; veja a realização final. Com essa perspectiva, convicção e fé, você terá forças para avançar nos momentos mais difíceis, quando todos já recuaram. Logo, não se trata de autodisciplina, mas de você adotar comportamentos positivos repetidos diariamente que acabam tornando-se hábitos vencedores, e que levam você aos objetivos maiores. Pessoas bem-sucedidas compreendem melhor do que ninguém que, para realizarem seus sonhos, elas têm que também fazer muitas coisas das quais não gostam, mas são imprescindíveis, e não perdem tempo se lamentando por ter de fazê-las.

Perguntaram, certa vez, ao grande bilionário do petróleo H. L. Hunt qual o segredo do sucesso. Ele respondeu que, para ter sucesso, eram necessárias duas coisas e nada mais. Primeiro, disse ele, você precisa saber exatamente o que quer. A maioria das pessoas nunca chega a tomar essa decisão. Em segundo lugar, prosseguiu, você deve determinar o preço que terá de pagar para consegui-lo e começar a pagá-lo.

Portanto, faça! A diferença básica entre os que realizam muito e os que realizam pouco é a “orientação para a ação”. Os homens e mulheres que alcançam grandes feitos na vida têm grande autodisciplina e são intensamente orientados para a ação. Estão em constante movimento e sempre ocupados.

Quando têm uma ideia, imediatamente começam a agir. Por outro lado, os que realizam pouco, ou nada, estão sempre cheios de boas intenções, mas sempre têm uma desculpa para não agir imediatamente. É com razão que se diz: que o inferno está cheio de gente com boas intenções.

Ernesto Berg é consultor de empresas, professor, palestrante, articulista, autor de 18 livros, especialista em desenvolvimento organizacional, negociação, gestão do tempo, criatividade na tomada de decisão, administração de conflitos – berg@quebrandobarreiras.com.br

Os mistérios da educação brasileira

Claudio de Moura Castro

Decifrar a nossa educação não é tarefa menor. Mas se queremos consertá-la, é preciso entender os seus mistérios. Nem sempre conseguimos, mas conhecer a nossa ignorância já é um passo à frente. O presente ensaio explora uma coleção de mistérios que obliteram uma compreensão correta da nossa educação.

Por que nossa educação é tão atrasada? É simples, começamos muito tarde e, até recentemente, andamos devagar. Ou seja, não é o que fazemos errado agora, mas o que deixamos de fazer, ao longo da nossa história.

No século XVIII, estima-se que apenas 3% da nossa população era alfabetizada. Em contraste, os Estados Unidos tinham então uma escolarização superior à da Europa. Por que?

As primeiras ondas migratórias para os Estados Unidos foram de ingleses, escoceses, alemães e suecos, quase todos protestantes e alfabetizados. No nosso caso, os imigrantes portugueses tinham baixíssima alfabetização, para não falar dos africanos e dos índios locais.

A própria administração colonial portuguesa não era lá essas coisas em escolaridade. Isso desembocava na fragilidade das políticas públicas para a educação, mesmo no Império. De fato, somente ao fim do século XIX começam a aparecer redes locais de ensino público.

Portanto, a fraca escolaridade é uma consequência natural da nossa demografia. Para uma exploração agrícola e mineral primitiva, isso fazia pouca diferença. Mas hoje, mesmo a agricultura requer um grau elevado de escolaridade e afinidade com processos complexos. O que não era problema passou a sê-lo.

E por que a educação disparou no século XX? É extraordinário o atraso histórico do país em matéria de ensino. Até poucas décadas atrás, mesmo países como Peru, Paraguai e Colômbia tinham sistemas educativos com cobertura maior do que a do nosso. Ainda hoje, o nível médio de escolaridade de alguns desses países é superior à daqui.

Lá pela entrada do século XX, tínhamos da ordem de dez por cento da faixa etária correspondente frequentando escolas. Em contraste, Argentina e Uruguai já caminhavam para uma cobertura universal.

Mas à medida em que avança o século, o Brasil começa a acordar. Desde então, os números revelam uma aceleração muito considerável, pois chegamos à metade do século XX com metade dos alunos na escola. Foi um grande salto. Daí para frente, começamos a ultrapassar nossos vizinhos. De fato, nos aproximamos dos melhores, no caso, Argentina, Uruguai e Chile.

Avança a economia e a educação também. Mas não em perfeita sincronia. À medida em que se aproxima o fim do século XX, o crescimento da matrícula acelera, atingindo próximo de 100% da faixa etária. Paradoxalmente, trata-se de um período de desaceleração da economia.

Neste meio século, há um crescimento vertiginoso do ensino superior, inicialmente, com a criação de uma grande rede de universidades públicas ambiciosas e caras, algumas das quais mostraram excepcional desempenho. A pós-graduação sai do nada e revela um vigor inesperado. Em algumas décadas, a pesquisa brasileira, partindo do zero, atinge o 13º lugar no ranking mundial.

Mas, em seguida, perde velocidade o ensino superior público, excessivamente caro na sua proposta institucional. O dinamismo do crescimento transfere-se para o setor privado.

Esse meio século é o momento mais dinâmico e mais criativo da educação brasileira. O que veio antes era muito pouco e o sistema perde velocidade na virada do milênio. Ou seja, se a educação brasileira teve um momento de glória foi na segunda metade do século XX.

E por que travou o ensino no século XXI? Ao fim do milênio, já havíamos completado – tardiamente – o ciclo de desenvolvimento do ensino fundamental. Com o aumento nas graduações, o ensino médio passa a crescer. Na década de 90, praticamente triplicou a matrícula neste nível, uma grande proeza.

À época, esperávamos a continuação deste crescimento acelerado. Contudo, o ensino médio, estagnou, a deserção disparou e a travou a sua qualidade – medida pelo Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e Prova Brasil.

Como resultado, o ensino superior ficou desabastecido de candidatos e, ainda mais, de candidatos bem preparados. Não obstante, o superior foi o único nível que se expandiu, graças ao estoque de graduados do Médio, mais velhos. E cresce mais a rede privada do que a pública.

Por que essa perda de dinamismo, em um período em que a expansão econômica, apesar de irregular, teve seus bons momentos? Isso é outro mistério.

Falta de vigor nas políticas públicas? Políticas de “jogar dinheiro no problema”, em vez de resolvê-lo? Ministros sem expressão política? Regras de funcionamento inapropriadas? Um pouco disso tudo. Seja como for, a economia não teve o imaginado poder de empurrar para frente o nosso ensino.

Mais uma questão: por que crescemos mais que os outros países, apesar da má educação? Estimativas cuidadosas indicam que, de 1880 a 1980, em termos absolutos, a nossa economia cresceu mais rapidamente do que a de qualquer outro país do mundo, incluindo Estados Unidos e Japão.

Por que cresceu tanto a economia, com uma educação tão débil? E note-se, tivemos um processo de industrialização variado e de considerável densidade tecnológica. Eis um dos grandes mistérios da nossa educação.

Os adeptos da Teoria do Capital Humano, o presente autor incluído, têm grande dificuldade para explicar por que nossa economia cresceu tão rapidamente, sem o respaldo de uma educação minimamente razoável. Como é possível ser a oitava maior economia do mundo e estar na rabeira do Programme for International Student Assessment (PISA)?

Alguns se espantam de ver a oitava economia do mundo relegada aos últimos lugares no PISA. Mas isso é comparar alhos com bugalhos. O oitavo PIB reflete os 200 milhões de brasileiros. Note-se, Bangladesh tem um PIB igual ao da Finlândia, contudo, sua renda per capita é de um décimo! O Pisa só pode ser comparado à renda per capita, pois também é per capita (não é o somatório do que todos os brasileiros aprenderam na escola!).

E nesta comparação, vamos descobrir que estamos onde se esperaria que estivéssemos, com uma renda per capita de 15 mil dólares – que nos coloca em octogésimo lugar, comparado com 50º no PISA. De fato, todos os países com PISA mais elevado têm também maior renda per capita (incluindo Argentina, Uruguai, México e Chile, na América Latina). Inversamente, os mais pobres têm PISA inferior. As discrepâncias são mínimas.

Ou seja, para o nosso nível de desenvolvimento econômico, temos a educação que se esperaria. Nenhuma vergonha, nenhuma anomalia ou patologia social.

O problema é que temos ambições de desenvolvimento e uma história recente de superação, pois saímos da vala comum dos mais pobres e entramos na categoria dos que estão no meio do caminho. Porém, hoje fica bem mais difícil avançar nesta trajetória, sem fazer andar a educação. A experiência internacional é bem eloquente: os países que cresceram mais fizeram também um grande esforço de melhorar a sua educação. É aqui que estamos capengando.

Mas, por que a maioria pensa que nossa educação é boa, quando, não é? Talvez a nossa dificuldade em melhorar a qualidade do ensino resulte de uma percepção por parte da sociedade de que já estamos bem. De fato, pesquisas mostram que da ordem de 70% dos pais acham boa a educação oferecida aos seus filhos. Ou seja, se não está estragada, o que haveria para consertar?

Em contraste, tanto o PISA quanto a Prova Brasil mostram as fraquezas do ensino. Em português, pouco mais de 10% atinge níveis considerados como mínimos. E em matemática, os números são ainda piores.

Pode ser parte da resposta a percepção coletiva de que tivemos amplo sucesso em crescer com migalhas de educação e que podemos continuar assim. Isso muda o foco do problema, mas não resolve o mistério.

Outro aspecto é que como país grande e bastante isolado, não sabemos bem o que é uma boa educação. Faltam bons modelos. As escolas de excelência são poucas e não se reproduziram na escala desejada.

Incensamos o ensino privado. De fato, é amplamente superior ao público. Mas já nos mostrava o primeiro PISA, nossa elite sai da escola pior preparada do que a classe operária da Comunidade Europeia.

Por onde começar? Uma política econômica inteligente e a volta dos investimentos, provavelmente, irão trazer, em um par de anos, um crescimento econômico aceitável. Mas isso é apenas um remendo, se pensamos no longo prazo. Não poderemos enfrentar o adensamento tecnológico dos processos produtivos com o ensino que temos.

Ao longo das décadas, o Brasil Velho perde espaço, mas isso ocorre muito lentamente. Um segmento demasiado grande da nossa sociedade ainda pensa e age com os valores do atraso e do tradicionalismo, incompatíveis com um avanço vigoroso e persistente da economia.

Não por coincidência, são estes mesmos valores que cegam grande parte da nossa sociedade para o imperativo de ter boas escolas. É o círculo vicioso do atraso. Uma educação capenga produz uma sociedade que não dá a ela o papel que pode ter.

O desafio da sociedade brasileira não é apenas criar uma escola em que os alunos dominem o que está no currículo. Precisamos de uma escola que seja eficaz transformadora de valores. A partir dos estudos de Inkeles, sabemos que a escola é a agência mais poderosa para a aquisição dos valores da modernidade. E hoje, J. Heckman nos mostra também que a chamada dimensão sócioemocional é, pelo menos, tão importante quanto o lado cognitivo.

Como escapar do círculo vicioso? Todos os países hoje bem-sucedidos conseguiram virar a mesa, ou seja, superar a velha camisa de força dos valores tradicionais e da ignorância. Não é impossível. Mas o fato de que relativamente poucos conseguiram demonstra que não é tão fácil assim.

Não parece haver uma solução mágica. Mas há muito a se fazer. Em primeiro lugar, bons governos e bons gestores na educação fazem uma grande diferença. As forças da inércia não são vencidas se o Ministério da Educação é prêmio de consolação para políticos fracos ou temerosos.  O mesmo nas secretarias estaduais e municipais.

Creio que a guerra da educação brasileira não poderá ser ganha sem vitórias no campo de batalha do marketing social. É preciso um movimento explícito e teimoso de remexer os valores, crenças e prioridades da nossa sociedade.

Há 1.000 coisas erradas nas escolas e nos sistemas de ensino. Lidar com os equívocos e implementar soluções é vital. Afinal de contas, sem consertar os erros não sairemos do lugar. Mas a tese aqui defendida é que o ponto crítico não está na identificação destes aspectos técnicos e administrativos. Pelo contrário, está na dinâmica política que permite ou não tomar decisões, sobretudo, considerando que muitas delas são impopulares e pisam em muitos calos.

No nível de maturidade intelectual em que se encontra o pensamento educacional brasileiro – se ignorarmos os movimentos mais toscos – há ideias muito claras e convergentes acerca do que precisa ser feito. Alinhavá-las requereria um espaço além do permitido para este ensaio. Preferimos aqui chamar a atenção para os impedimentos políticos e sociológicos que travam a implementação de uma agenda de reforma razoavelmente consensual.

Dito simplesmente, se o impedimento é político, a solução passa pela política. E se é assim, a revolução nas escolas não se fará sem avanços neste campo.

Claudio de Moura Castro é economista (UFMG), ex-professor da PUC-Rio, FGV, UnB, Univ. de Chicago e Univ. de Genebra e membro da Academia Brasileira da Qualidade (ABQ).