A iluminação pública deve obrigatoriamente obedecer à norma técnica

Hayrton Rodrigues do Prado Filho, jornalista profissional registrado no Ministério do Trabalho e Previdência Social sob o nº 12.113 e no Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo sob o nº 6.008

Pode-se definir a iluminação pública como um serviço que tem por objetivo prover de luz, ou claridade artificial, os logradouros públicos no período noturno ou nos escurecimentos diurnos ocasionais, inclusive aqueles que necessitam de iluminação permanente no período diurno. Para cumprir com o seu papel deve seguir a norma técnica e só assim irá proporcionar visibilidade para a segurança do tráfego de veículos e pedestres, de forma rápida, precisa e confortável. A NBR 5101 (NB429) de 04/2012 – Iluminação pública — Procedimento estabelece os requisitos para iluminação de vias públicas, propiciando segurança aos tráfegos de pedestres e de veículos.

Dessa forma, os projetos de iluminação pública devem atender aos requisitos específicos do usuário, provendo benefícios econômicos e sociais para os cidadãos, incluindo: a redução de acidentes noturnos; a melhoria das condições de vida, principalmente nas comunidades carentes; o auxílio à proteção policial, com ênfase na segurança dos indivíduos e propriedades; a facilidade do fluxo do tráfego; o destaque a edifícios e obras públicas durante à noite; e a eficiência energética.

A aplicação da norma irá produzir iluminação adequada e utilização racional da energia, se o projetista e o usuário utilizarem: lâmpadas, reatores e luminárias eficientes, com distribuições apropriadas para cada tipo de instalação; luminárias com posicionamento e alturas de montagem adequadas; um bom programa de manutenção, para assegurar a integridade do sistema e a preservação do nível de iluminação considerado no projeto.

Deve-se ressaltar que uma via é uma superfície por onde transitam veículos, pessoas e animais, compreendendo pista, calçada, acostamento, ilha e canteiro central. A classificação de vias deve seguir as disposições previstas no Código de Trânsito Brasileiro, classificadas como: vias urbanas: via de trânsito rápido; via arterial; via coletora; via local; vias rurais: rodovias; estradas.

Para o projeto de iluminação pública deve ser avaliada a característica da via e se esta possui características de volume de tráfego ou de classificação de velocidade diferente (superior ou inferior) daquelas estabelecidas para cada tipo de via, conforme estabelecido no Código de Trânsito Brasileiro. De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, o órgão ou entidade de trânsito ou rodoviário com circunscrição sobre a via poderá regulamentar, por meio de sinalização, velocidades superiores ou inferiores àquelas estabelecidas.

Assim, a via urbana é aquela caracterizada pela existência de construções às suas margens, com presença de tráfego motorizado e de pedestres em maior ou menor escala. Ruas, avenidas, vielas ou caminhos e similares abertos à circulação pública, situados na área urbana, caracterizados principalmente por possuírem imóveis edificados ao longo de sua extensão.

A via de trânsito rápido inclui as avenidas e ruas asfaltadas, exclusivas para tráfego motorizado, onde não há predominância de construções. Baixo trânsito de pedestres e alto trânsito de veículos. É aquela caracterizada por acessos especiais com trânsito livre, sem interseções em nível, sem acessibilidade direta aos lotes lindeiros e sem travessia de pedestres em nível, com velocidade máxima de 80 km/h.

A via arterial é exclusiva para tráfego motorizado, que se caracteriza por grande volume e pouco acesso de tráfego, várias pistas, cruzamentos em dois planos, escoamento contínuo, elevada velocidade de operação e estacionamento proibido na pista. Geralmente, não existe o ofuscamento pelo tráfego oposto nem construções ao longo da via. O sistema arterial serve mais especificamente a grandes geradores de tráfego e viagens de longas distâncias, mas, ocasionalmente, pode servir de tráfego local. É aquela caracterizada por interseções em nível, geralmente controlada por semáforo, com acessibilidade aos lotes lindeiros e às vias secundárias e locais, possibilitando o trânsito entre as regiões da cidade, com velocidade máxima de 60 km/h.

A via coletora é exclusivamente para tráfego motorizado, que se caracteriza por um volume de tráfego inferior e por um acesso de tráfego superior àqueles das vias arteriais. É aquela destinada a coletar e distribuir o trânsito que tenha necessidade de entrar ou sair das vias de trânsito rápido ou arteriais, possibilitando o trânsito dentro das regiões da cidade, com velocidade máxima de 40 km/h.

A via local permite acesso às edificações e a outras vias urbanas, com grande acesso e pequeno volume de tráfego, sendo aquela caracterizada por interseções em nível não semaforizadas, destinada apenas ao acesso local ou a áreas restritas, com velocidade máxima de 30 km/h.

A via rural é mais conhecida como estradas de rodagem, que nem sempre apresenta, exclusivamente, tráfego motorizado. As rodovias servem para tráfego motorizado, pavimentadas, com ou sem acostamento, com tráfego de pedestres. Este tipo de via pode ter trechos classificados como urbanos, com as seguintes velocidades máximas: 110 km/h para automóveis e camionetas; 90 km/h para ônibus e micro-ônibus; 80 km/h para os demais veículos.

As estradas são usadas para tráfego motorizado, com ou sem acostamento, com tráfego de pedestres. Este tipo de via pode ter trechos classificados como urbanos. Trata-se de via rural não pavimentada, com velocidade máxima de 60 km/h. As vias de áreas de pedestres são vias ou conjunto de vias destinadas à circulação prioritária de pedestres. Não obstante se forem apresentados outros aspectos além da intensidade de tráfego com a devida influência nas características de iluminação, tal intensidade é o fator preponderante e serve como base desta classificação.

Para a classificação do volume de tráfego em vias públicas, deve-se dividir os valores de tráfego, tanto para veículos como para pedestres, conforme tabelas. A distribuição apropriada das intensidades luminosas das luminárias é um dos fatores essenciais de iluminação eficiente em vias.

As intensidades emitidas pelas luminárias são controladas direcionalmente e distribuídas de acordo com a necessidade para visibilidade adequada (rápida, precisa e confortável). Distribuições de intensidades são geralmente projetadas para uma faixa típica de condições, as quais incluem altura de montagem de luminárias, posição transversal de luminárias (avanço), espaçamento, posicionamento, largura das vias a serem efetivamente iluminadas, porcentagem do fluxo luminoso na pista e áreas adjacentes, mantida a eficiência do sistema.

A distribuição das intensidades luminosas da luminária em relação à via é classificada de acordo com três critérios: distribuição longitudinal (em plano vertical); distribuição transversal; controle de distribuição de intensidade luminosa no espaço acima dos cones de 80° e 90°, cujo vértice coincide com o centro óptico da luminária (distribuição de intensidade luminosa no espaço acima de 80° e 90° em relação à linha vertical que contém o centro óptico da luminária).

A classificação de distribuição de intensidade luminosa longitudinal e transversal deve ser feita na base do diagrama de isocandela, traçada sobre um sistema retangular de coordenadas contendo uma série de linhas longitudinais da via (LLV) em múltiplos da altura de montagem (AM) e uma série de linhas transversais da via (LTV) também em múltiplos da altura de montagem. As informações essenciais que devem aparecer nos diagramas de isocandelas são as seguintes: linhas LLV de 1,0 AM; 1,75 AM; 2,75 AM; linhas LTV de 1,0 AM; 2,25 AM; 3,75 AM; 6,0 AM; e 8,0 AM; e posição das linhas de máxima intensidade e de meia máxima intensidade.

As distribuições longitudinais verticais de intensidade luminosa dividem-se em três grupos. A distribuição curta existe quando o seu ponto de máxima intensidade luminosa se encontra na região ‘C’ do sistema de coordenadas, isto é, entre 1,0 AM LTV e 2,25 AM LTV. A distribuição média é quando o seu ponto de máxima intensidade luminosa se encontra na região ‘M’ do sistema de coordenadas, isto é, entre 2,25 AM LTV e 3,75 AM LTV. A distribuição longa é quando o seu ponto de máxima intensidade luminosa se encontra na região do ‘L’ do sistema de coordenadas, isto é, entre 3,75 AM LTV e 6,0 AM LTV.

Quanto à classificação das luminárias quanto às distribuições transversais de intensidade, a transversal ou lateral é definida pela área cortada por segmento da linha de meia intensidade máxima. O tipo I é quando a linha de meia intensidade máxima não ultrapassa as linhas LLV 1,0 AM, tanto do “lado das casas” como do “lado da via”, caindo em ambos os lados da linha de referência na área dos três tipos de distribuição vertical (curta, média e longa. O tipo II é quando a linha de meia intensidade máxima fica compreendida entre a LLV 1,75 AM e a linha de referência na área dos três tipos de distribuição vertical (curta, média e longa). O tipo III é quando a linha de meia intensidade máxima ultrapassa parcial ou totalmente a LLV 1,75 AM, porém não ultrapassa a LLV 2,75 AM na área dos três tipos de distribuição vertical (curta, média e longa. O tipo IV é quando parte da linha de meia intensidade máxima ultrapassa parcial ou totalmente a LLV 2,75 AM.

O controle de distribuição de intensidade luminosa no espaço acima dos cones de 80° e 90°, (cujo vértice coincide com o centro óptico da luminária) é dividido em quatro categorias. A distribuição totalmente limitada (full cut-off) é quando a intensidade luminosa acima de 90° é nula e a intensidade luminosa acima de 80° não excede 10 % dos lúmens nominais da fonte luminosa empregada. Isto se aplica a todos os ângulos verticais em torno da luminária.

A distribuição limitada (cut-off) ocorre quando a intensidade luminosa acima de 90° não excede 2,5 % e a intensidade luminosa acima de 80° não excede 10 % dos lúmens nominais da fonte luminosa empregada. Isto se aplica a todos os ângulos verticais em torno da luminária.

A distribuição semilimitada (semi cut-off) é quando a intensidade luminosa acima de 90° não excede 5 % e a intensidade luminosa acima de 80° não excede 20 % dos lúmens nominais da fonte luminosa empregada. Isto se aplica a todos os ângulos verticais em torno da luminária. A distribuição não limitada (non cut-off) ocorre quando não há limitação de intensidade luminosa na zona acima da máxima intensidade luminosa.

Não se pode esquecer que, para permitir uma melhor convivência entre a iluminação pública e a arborização, é apresentada uma equação que pode ser utilizada para desobstruir a iluminação na via. A equação considera os ângulos de máxima incidência de luz das luminárias nos sentidos longitudinal e transversal à via, a sua altura de montagem e a distância da árvore.

A equação apresentada deve ser utilizada para auxiliar os planejadores municipais, as empresas de iluminação pública e os órgãos gestores da arborização urbana nas seguintes situações: na adequação dos sistemas existentes onde a postes e as árvores já existam, permitindo definir a linha de poda dos ramos que comprometam a iluminação; na implantação de novos sistemas de iluminação em praças, vias e calçadões, auxiliando na definição da posição dos postes e sua distância às árvores existentes; na implantação de novas árvores em praças, vias e calçadões, auxiliando na definição das árvores em relação aos postes existentes.

A fórmula para o cálculo para desobstrução da iluminação em árvores no sentido longitudinal e transversal da via: Z = H – (A × D), onde Z é a altura mínima de um galho; H é a altura de montagem da luminária; AL é igual a cotang 75°, igual a 0,26 (ângulo de máxima incidência de luz para o sentido longitudinal); AT é igual a cotang 60°, igual a 0,57 (ângulo de máxima incidência de luz para o sentido transversal); D é a distância mínima do galho de menor altura.

Em vias urbanas com tráfego intenso, onde existirem travessias sinalizadas para pedestres fora das esquinas, uma iluminação adicional pode ser utilizada, sempre em conjunto à sinalização vertical e horizontal, para alertar os condutores de veículos com antecedência sufi ciente da presença de pedestres que cruzam a via, bem como para permitir que os pedestres reconheçam com facilidade os limites da passagem e se posicionem dentro destes.

Para garantir que a passagem de pedestre esteja bem destacada na via, recomenda-se que as lâmpadas utilizadas na iluminação da passagem tenham uma “temperatura de cor” diferente das lâmpadas que iluminam a pista de rolamento. Esta alternativa também pode ser utilizada em cruzamentos de centros urbanos com grande movimentação de pedestres, mas deve ser cuidadosamente estudada para não prejudicar ou gerar confusão visual com a sinalização viária.

De uma forma geral as praças, parques, calçadões e equivalentes podem ser considerados espaços públicos com predominância de pedestres. A iluminação destes espaços deve permitir no mínimo a orientação, o reconhecimento mútuo entre as pessoas, a segurança para o tráfego de pedestres e a identificação correta de obstáculos, assim como deve proporcionar, a uma distância segura, informação visual sufi ciente a respeito do movimento das pessoas.

Segundo estudos realizados, a distância mínima necessária para uma pessoa reconhecer qualquer sinal de hostilidade e tomar as ações evasivas apropriadas é de 4 m. A esta distância, o nível de iluminância médio mínimo necessário para reconhecimento facial é de 3 lux, sendo que sobre a superfície da via não pode haver valores inferiores a 1 lux.

Este nível de iluminância média pode variar até 40 lux, em função do tipo de utilização, característica e requisitos de segurança pública da praça ou calçadão que está sendo iluminado. Considerando a necessidade de identificação de obstáculos na superfície da via e a velocidade com que as pessoas ou eventualmente ciclistas trafegam, o fator de uniformidade deve ser Emín/Emáx ≥ 1:40.

A disposição dos equipamentos de iluminação não pode obstruir o acesso dos veículos de emergência, de entrega ou de manutenção, nem competir com a arquitetura local. Nas praças ou espaços públicos de pedestres, onde os acessos e saídas possuírem escadas e rampas, a iluminação nestes pontos deve assegurar que estas mudanças de nível sejam bem visíveis aos pedestres.

Sempre que necessário ao realizar a locação dos postes, estes acessos devem ser considerados prioritários. Alguns espaços em função de sua concepção arquitetônica podem apresentar áreas distintas de utilização como jardins, brinquedos, jogos de mesa, quadras etc. Nestes casos, podem ser aplicados critérios de projetos diferenciados para cada área, utilizando arranjos de luminárias, iluminações decorativas ou projetores.

Hayrton Rodrigues do Prado Filho é jornalista profissional, editor da revista digital Banas Qualidade e editor do blog https://qualidadeonline.wordpress.com/hayrton@hayrtonprado.jor.br

Anúncios

Qual a lâmpada mais indicada para cada aplicação?

COLETÂNEA DE NORMAS TÉCNICAS

Coletânea Série Transformadores de Potência

Coletânea Digital Target com as Normas Técnicas, Regulamentos, etc, relacionadas à Transformadores de Potência
Saiba Mais…

A Santil conta com grande experiência quando o assunto é a variedade e a eficiência das lâmpadas disponíveis no mercado, tanto para uso residencial, comercial, industrial ou público. Com o fim da comercialização das lâmpadas incandescentes – mais tradicionais, baratas e confortáveis, porém menos econômicas – uma das principais dúvidas dos consumidores na hora de escolher o modelo mais indicado é a correspondência desses produtos com as novas tecnologias, para que a iluminação não se torne um incômodo no ambiente onde está sendo utilizada.

Embora pareça simples, a tarefa de comprar uma lâmpada envolve vários aspectos técnicos dados o número de modelos e as características de cada um deles. Os modelos de LED (sigla para diodo emissor de luz, em português), por serem mais recentes no mercado, são os que mais geram dúvidas, mas as fluorescentes compactas também podem confundir os consumidores no momento da compra.

As lâmpadas de LED são as mais caras, mas prometem durabilidade de 50 mil horas e consumo de energia elétrica até 90% menor do que as convencionais. As fluorescentes compactas, que podem representar uma economia de 75%, ainda são mais caras dos que as incandescentes, mas estão se tornando mais acessíveis e uma opção eficiente para diferentes aplicações, pois emitem tanto luz branca como amarela e não esquentam.

A questão econômica, tanto em relação ao preço de aquisição como ao consumo, tem muita relevância nessa escolha, mas o conforto visual é outro aspecto preponderante. Mais clara ou mais escura, amarelada ou branca (tecnicamente, chamada de temperatura de cor, medida em graus Kelvin), a iluminação faz toda a diferença nos ambientes.

A tonalidade amarela, mais indicada para salas e dormitórios, ainda é o ponto forte das antigas incandescentes, pois geram uma sensação de aconchego –  temperatura de cor deve ficar em torno dos 3.000 K. Em geral, grandes áreas, escritórios, cozinhas e banheiros precisam de uma iluminação branca, que é mais estimulante, com temperatura de cor em torno de 6.000 K. Quartos que são utilizados como escritório, por exemplo, podem combinar lâmpadas dos dois tipos.

Na troca de tecnologia, entretanto, recomenda-se que o consumidor encontre a lâmpada com reprodução de cor equivalente àquela que utiliza costumeiramente. Para isso, deve-se atentar para a equivalência entre os principais tipos de lâmpadas, informação apresentada, geralmente, na embalagem do produto. Em média, a correspondência dá-se da seguinte forma:

 

LED
FLUORESCENTE COMPACTA
INCANDESCENTE
3W
9W
40W
5W
11W
50W
7W
15W
60W
10W
20W
75W
12W
25W
120W

 

Iluminação pública: cumprir as normas técnicas aumenta a segurança da população

imagesA iluminação pública é essencial à qualidade de vida nos centros urbanos, atuando como instrumento de cidadania, permitindo aos habitantes desfrutar, plenamente, do espaço público no período noturno. Além de estar diretamente ligada à segurança pública no tráfego, a iluminação pública previne a criminalidade, embeleza as áreas urbanas, destaca e valoriza monumentos, prédios e paisagens, facilita a hierarquia viária, orienta percursos e aproveita melhor as áreas de lazer.

A NBR 5101: Iluminação pública – Procedimento, editada em abril de 2012, estabelece os requisitos para iluminação de vias públicas, propiciando segurança aos tráfegos de pedestres e de veículos, pois muitas vezes em algumas cidades brasileiras a iluminação pública não cumpre com a sua função social. Ela deve ter como principal objetivo proporcionar visibilidade para a segurança do tráfego de veículos e pedestres de forma rápida, precisa e confortável.

Os projetos de iluminação pública devem atender aos requisitos específicos do usuário, provendo benefícios econômicos e sociais para os cidadãos, incluindo a redução de acidentes noturnos; melhoria das condições de vida, principalmente nas comunidades carentes; auxílio à proteção policial, com ênfase na segurança dos indivíduos e propriedades; facilidade do fluxo do tráfego; destaque nos edifícios e obras públicas durante a noite; e eficiência energética. A aplicação da norma NBR 5101 irá produzir iluminação adequada e utilização racional da energia, se o projetista e o usuário utilizarem: lâmpadas, reatores e luminárias eficientes, com distribuições apropriadas para cada tipo de instalação; luminárias com posicionamento e alturas de montagem adequadas; um bom programa de manutenção, para assegurar a integridade do sistema e a preservação do nível de iluminação considerado no projeto.

A NBR 15129 de 07/2012 – Luminárias para iluminação pública – Requisitos particulares estabelece os requisitos para as luminárias para vias públicas, iluminação pública e outros tipos de aplicações de iluminação externa, com equipamentos auxiliares integrados ou não integrados, para iluminação pública; luminárias para túneis; e luminárias integradas com coluna, com uma altura mínima em relação ao solo de 2,5 m; e uso de outras fontes elétricas de iluminação com tensões de alimentação não superiores a 1.000 V.

As luminárias para iluminação pública destinam-se à iluminação de vias públicas, ruas, praças, avenidas, túneis, passagens subterrâneas, jardins, vias, estradas e passarelas. As luminárias integradas com coluna com altura total inferior a 2,5 m estão sob análise. A fotometria das luminárias para iluminação pública é tratada na ABNT NBR 5101.

Dessa forma, a distribuição apropriada das intensidades luminosas das luminárias é um dos fatores essenciais de iluminação eficiente em vias. As intensidades emitidas pelas luminárias são controladas direcionalmente e distribuídas de acordo com a necessidade para visibilidade adequada (rápida, precisa e confortável). Distribuições de intensidades são geralmente projetadas para uma faixa típica de condições, as quais incluem altura de montagem de luminárias, posição transversal de luminárias (avanço), espaçamento, posicionamento, largura das vias a serem efetivamente iluminadas, porcentagem do fluxo luminoso na pista e áreas adjacentes, mantida a eficiência do sistema.

A distribuição das intensidades luminosas da luminária em relação à via é classificada de acordo com três critérios: a) distribuição longitudinal (em plano vertical); b) distribuição transversal; e c) controle de distribuição de intensidade luminosa no espaço acima dos cones de 800 e 900, cujo vértice coincide com o centro óptico da luminária (distribuição de intensidade luminosa no espaço acima de 800 e 900 em relação à linha vertical que contém o centro óptico da luminária). A classificação de distribuição de intensidade luminosa longitudinal e transversal deve ser feita na base do diagrama de isocandela, traçada sobre um sistema retangular de coordenadas contendo uma série de linhas longitudinais da via (LLV) em múltiplos da altura de montagem (AM) e uma série de linhas transversais da via (LTV) também em múltiplos da altura de montagem.

A poluição luminosa é o brilho noturno no céu acima das áreas características de concentração urbana que é provocada pela luz artificial mal direcionada de casas, prédios e demais instalações, que é refletida na poeira, vapor de água e outras partículas dispersas na atmosfera. No caso da poluição luminosa pode ser entendida como desperdício de energia, provocada por luminárias, instalações e projetos ineficientes e mal elaborados. No caso da iluminação pública, a poluição luminosa é traduzida em projetos com níveis de iluminância superdimensionados não condizentes com a iluminação recomendada nessa norma ou por luminárias sem o correto controle de dispersão de luz. As luminárias recomendadas para reduzir a parcela da iluminação pública na poluição luminosa devem possuir uma classificação que mantenha baixa a emissão de luz acima do eixo horizontal, possua alta eficiência luminosa e permita baixos ângulos de instalação. Os projetores, quando necessário, devem possuir aletas internas ou externas que limitem a propagação da luz para fora da área a ser iluminada.

Para permitir uma melhor convivência entre a iluminação pública e a arborização, é apresentada uma equação que pode ser utilizada para desobstruir a iluminação na via. A equação considera os ângulos de máxima incidência de luz das luminárias nos sentidos longitudinal e transversal à via, a sua altura de montagem e a distância da árvore. A equação apresentada deve ser utilizada para auxiliar os planejadores municipais, as empresas de iluminação pública e os órgãos gestores da arborização urbana nas seguintes situações: na adequação dos sistemas existentes onde a posteação e as árvores já existam, permitindo definir a linha de poda dos ramos que comprometam a iluminação; na implantação de novos sistemas de iluminação em praças, vias e calçadões, auxiliando na definição da posição dos postes e sua distância às árvores existentes; e na implantação de novas árvores em praças, vias e calçadões, auxiliando na definição das árvores em relação aos postes existentes.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1

A internacionalização de marcas como estratégia de geração de valor

NORMAS COMENTADAS

NBR 14039 – COMENTADA
de 05/2005

Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kV a 36,2 kV. Possui 140 páginas de comentários…

Nr. de Páginas: 87

Clique para visualizar a norma imediatamenteVisualizar já!

NBR 5410 – COMENTADA
de 09/2004

Instalações elétricas de baixa tensão – Versão comentada.

Nr. de Páginas: 209

Clique para visualizar a norma imediatamenteVisualizar já!

NBR ISO 9001 – COMENTADA
de 11/2008

Sistemas de gestão da qualidade – Requisitos. Versão comentada.

Nr. de Páginas: 28

Clique para visualizar a norma imediatamenteVisualizar já!

Renato de Faria e Almeida Prado

O comércio internacional é um ambiente muito competitivo e marcas globais são reconhecidas pela excelência que entregam ao consumidor em seus produtos. Neste sentido, a internacionalização de uma marca gera para ela um valor intangível de maneira semelhante a um selo que atesta sua qualidade.

Na internacionalização de uma marca muitos são os custos envolvidos: frete local e internacional, seguro, despachantes, pessoal interno para administração, traduções de materiais promocionais, adequação de embalagens, entre outros. Assim, antes de assumir os custos com a internacionalização, é natural que uma marca tenha explorado antes as boas oportunidades locais, tendo conquistado uma boa massa crítica de vendas em seu país.

A penetração de uma marca em outros países também aumenta sua exposição tanto para os consumidores locais quanto para estrangeiros. A distribuição internacional significa para o consumidor estrangeiro o acesso àquela marca em seu País, e para o consumidor viajante conterrâneo, uma maior frequência de exposição aliada ao fato de a marca carregar em si a representação de seu país de origem, ampliando assim o valor percebido da marca.

Muito importante também é o aspecto multicultural. Para que se obtenha sucesso em uma estratégia de internacionalização de uma marca é imprescindível observar e respeitar as diferenças culturais dos diversos países de destino. Estes aspectos culturais são incorporados pela marca contribuindo para sua evolução e aprimoramento. Esta evolução se observa tanto nos atributos de produto e embalagem quanto na própria estratégia de comunicação da empresa.

No âmbito corporativo, a internacionalização significa racionalização de processos, aumento de produtividade, globalização da cadeia de suprimentos, traduzindo-se em melhoria de custos, aumento de lucros e resultando no maior valor do empreendimento. Para investidores, marcas internacionais significam canais de distribuição em diversos países, proteção do investimento em relação a flutuações cambiais, economia de escala e novas alternativas de realização de lucros, trazendo mais segurança ao investimento e maior valor para o acionista. A internacionalização de uma marca é, portanto, estratégia de sucesso para geração de valor em várias dimensões: consumidor, empresa e investidores.

Renato de Faria e Almeida Prado é sócio diretor da Suriana.

O fim das lâmpadas incandescentes

incandescenteWladimir Pedrone, diretor do Museu da Lâmpada de São Paulo, explica por meio de perguntas e respostas como funciona a nova lei do Ministério de Minas e Energia que determinou a substituição das lâmpadas incandescentes do mercado brasileiro.

Qual é o impacto dessa medida para a sociedade?

Neste primeiro momento é difícil medir o impacto direto, pois esse tipo de lâmpada já está enraizado no que se diz respeito a iluminação e no dia a dia das pessoas e o problema pode estar aí, pois algumas pessoas possuem um certo receio com as novas tecnologias. A vantagem é que a economia de energia será visível e o impacto ambiental também é muito expressivo.

O consumidor irá se beneficiar?

De inicio o consumidor terá que fazer um investimento maior do que a lâmpada incandescente padrão para adquirir a “nova” tecnologia, porém os benefícios serão visíveis na economia de energia e na vida útil.

Qual é a importância  para o planeta?

Esta medida é extremamente importante para uma nova realidade sustentável ao qual estamos vivendo. As “novas” tecnologias desenvolvidas para iluminação, como LEDs e fluorescentes são extremamente econômica no gasto de energia podendo representar até 80% de economia. Porem é necessário se atentar com o descarte das lâmpadas fluorescentes, pois essa necessita de um cuidado especial devido ao mercúrio composto em sua estrutura.

O que essa determinação representa para as empresas que trabalham com iluminação?

O foco principal é convencer os clientes que as novas tecnologias só irão trazer benefícios para os projetos. No meio técnico o impacto é aparente quando a questão é o IRC ( índice de reprodução de cor, que define a qualidade da cor) que é de 100 em lâmpadas incandescentes e halógenas contra a superioridade das lâmpadas que utilizam as novas tecnologias.

Como será feita a substituição no mercado?

Desde 30/06/2012 está em vigor uma portaria do Ministério de Minas e Energia (MME) que pretende tirar, até 2016, todas as lâmpadas incandescentes do mercado. Lâmpadas incandescentes de uso geral com potências de 150 W e 200W que não atenderem níveis mínimos de eficiência energética deixarão de ser produzidas e importadas no Brasil. A substituição das lâmpadas incandescentes no Brasil não será imediata, mas de forma gradativa. A ideia é que elas saiam do mercado de acordo com a potência, de 31/12/2012 (as de maior potência) até 30/06/2016 (as de menor potência).

Essa lei existe em outros países?

Sim a lâmpada incandescente já foi banida na Europa (2008) e mais de 40 países em todo o mundo.

Lâmpadas LED: consumidor só deve comprar as que cumprem as normas técnicas

LEDA tecnologia Light Emitting Diode (LED) utilizada na indústria há alguns anos está sendo aplicada em larga escala na produção de lâmpadas de diversos modelos e com o diferencial de proporcionar grande economia. Já visando esta demanda do mercado brasileiro para a substituição das atuais lâmpadas fluorescentes e incandescentes é que a LDU do Brasil, importadora de lâmpadas, trouxe ao país uma linha completa de lâmpadas LED e SuperLED com o nível de eficiência energética que atende aos padrões das entidades brasileiras e são submetidas a testes de qualidade.

Fabricadas em diversos formatos e tamanhos podem facilmente ser utilizada em ambientes domésticos, comerciais e na indústria. Nos formatos tradicionais ou ainda em arandelas, ovais ou spots reduzem o consumo final de energia elétrica e proporcionam customização aos ambientes. Como forma de atestar os benefícios e durabilidade de seus produtos a LDU do Brasil, submeteu a testes toda sua Linha LED que conta com mais de 35 itens. Os resultados comprovaram a eficiência do LED para a diminuição de consumo energético.

Segundo dados da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia, uma lâmpada incandescente de 60W, que permaneça ligada quatro horas por dia, consome 7,2 kWh (quilowatts por hora) ao mês. Uma casa de cinco cômodos tem, em média, 10 lâmpadas incluindo garagem e área de serviço. Levando-se em conta o custo de R$0,50/kW serão R$ 14.40 a pagar. Em comparação com uma lâmpada fluorescente compacta equivalente (15 W) o consumo é de 1,8 kWh/mês. No mesmo exemplo, seriam gastos R$ 3,60 com esta iluminação. Já uma lâmpada LED de 8W, a economia é de 90% em comparação com a incandescente. Na mesma casa, o custo com a iluminação seria de R$1.92. “Apesar do custo de uma lâmpada LED ainda ser alto com relação as demais, o tempo de duração é 10 vezes maior o que compensa a troca e a manutenção”, esclarece Pedro Morelli, diretor de marketing da LDU.

Além disso, os consumidores precisam ficar atentos. Esse tipo de iluminação está na moda, mas o consumidor precisa ter cuidados porque existem no mercado produtos de baixa qualidade que podem queimar rapidamente. Por isso, só deve comprar lâmpadas fabricadas de acordo com as normas técnicas.

A NBR IEC 62031 de 05/2013 – Módulos de LED para iluminação em geral – Especificações de segurança especifica os requisitos gerais e de segurança para módulos de diodos emissores de luz(LED): módulos de LED sem dispositivo de controle integrado para operação sob tensão, corrente e potência constantes; módulos de LED com dispositivo de controle integrado para uso com alimentação c.c. até 250 V ou alimentação c.a. até 1 000 V em 50 Hz ou 60 Hz. A primeira edição de uma norma para segurança de módulos de LED para iluminação em geral reconhece a necessidade de ensaios pertinentes para esta nova fonte de luz elétrica, às vezes chamada de “iluminação de estado sólido”.

Os requisitos na norma representam o conhecimento técnico de especialistas nos campos da indústria de semicondutores e tradicionais fontes de luz elétrica. Dois tipos de módulos de LED são abordados: com dispositivo de controle integrado e externo. Os módulos devem ser projetados e construídos de forma que, em condições normais de utilização (ver instruções do fabricante), operem sem perigo para o usuário ou arredores.

Para os módulos de LED, todas as medições elétricas, salvo disposição em contrário, devem ser realizadas nos limites de tensão (mín/máx), nos limites de corrente (mín/máx) ou nos limites de potência (mín/máx) e frequência mínima, em uma sala sem correntes de ar, nos limites de temperatura do intervalo permitido especificado pelo fabricante. A menos que o fabricante indique a combinação mais crítica, todas as combinações (mín/máx) de tensão/corrente/potência e temperatura devem ser ensaiadas.

Para os módulos de LED com dispositivo de controle integrado, as medições elétricas devem ser realizadas com os valores-limites de tolerância da tensão de alimentação marcada. Os módulos integrados que não possuam seu próprio invólucro devem ser tratados como parte integrante das luminárias, como defi nido na ABNT NBR IEC 60598-1:2010, Seção 0.5. Eles devem ser ensaiados montados na luminária e, tanto quanto possível, com essa norma.

Os módulos independentes devem estar em conformidade com os requisitos da NBR IEC 60598-1, incluindo os requisitos de marcação desta Norma, como classifi cação IP e estresse mecânico. Se o módulo for uma unidade selada, não pode ser aberto para qualquer ensaio. Em caso de dúvida baseada na inspeção do módulo e análise do diagrama de circuito, e de acordo com o fabricante ou fornecedor responsável, módulos especialmente preparados devem ser submetidos ao ensaio de forma que uma condição de falha possa ser simulada.

Os ensaios de acordo com esta norma devem ser ensaios de tipo. Os requisitos e tolerâncias permitidas por essa norma estão relacionados com os ensaios de uma amostra de ensaio de tipo apresentado pelo fabricante para essa finalidade. A conformidade da amostra de ensaio de tipo não garante a conformidade de toda a produção de um fabricante com essa norma de segurança. A conformidade da produção é de responsabilidade do fabricante e pode ser necessário ensaios de rotina e de garantia de qualidade, além de ensaios de tipo.

Salvo disposição em contrário, os ensaios devem ser realizados em uma temperatura ambiente de 10 °C a 30 °C. Salvo disposição em contrário, o ensaio de tipo deve ser realizado em uma amostra constituída por um ou mais itens apresentados para o propósito do ensaio de tipo. Em geral, todos os ensaios devem ser realizados em cada tipo de módulo ou, quando uma série de módulos semelhantes está envolvida, para cada potência da faixa ou em uma seleção representativa da faixa, como acordado com o fabricante. Se a luz emitida for alterada, o módulo não pode ser utilizado para ensaios posteriores.

A ABNT IEC/PAS 62612:2013 – Lâmpadas LED com dispositivo de controle incorporado para serviços de iluminação geral – Requisitos de desempenho especifica os requisitos de desempenho para lâmpadas LED com dispositivo de controle incorporado, com tensão de alimentação até 250 V, juntamente com os métodos de ensaio e condições requeridas, previstas para uso doméstico e iluminação geral similar, tendo:potência nominal de até 60 W; tensão nominal de até 250 V C.A. ou CC; bases da lâmpada de acordo com NBR IEC 62560. Os requisitos desta norma referem-se apenas aos ensaios de tipo.

Não abrange lâmpadas de LED com dispositivo de controle incorporado que produzam intencionalmente luz colorida, nem OLED. As recomendações para ensaios de produto completos ou ensaio de lote estão sob consideração. Estes requisitos de desempenho são adicionais aos requisitos da NBR IEC 62560 (padrão de segurança para lâmpadas de LED com dispositivo de controle incorporado). Quando operado em uma luminária, os dados de desempenho declarados podem desviar os valores estabelecidos através desta norma.

Já a NBR IEC 62560:2013  – Lâmpadas LED com dispositivo de controle incorporado para serviços de iluminação geral para tensão > 50 V — Especificações de segurança especifica os requisitos de segurança e intercambialidade, juntamente com os métodos de ensaio e condições necessárias para demonstrar a conformidade de lâmpadas LED, com meios integrados para um funcionamento pleno (lâmpadas LED com reator incorporado), previstas para uso doméstico e iluminação geral similar, tendo: potência nominal de até 60 W; tensão nominal de > 50 V até 250 V; bases de acordo com a Tabela 1, disponível na norma.

Os requisitos dessa norma referem-se apenas aos ensaios de tipo. As recomendações para o ensaio do produto ou ensaio de lote inteiro são idênticas às previstas no Anexo C da NBR IEC 62031. Sempre que nessa norma o termo “lâmpada(s)” for usado, é entendido como “lâmpada(s) LED com dispositivo de controle incorporado”, exceto onde é obviamente atribuído a outros tipos de lâmpadas.

Para a ABNT IEC/PAS 62612 de desempenho, os dados constantes no item 4.2 devem ser fornecidos visivelmente (além dos dados obrigatórios do ABNT NBR IEC 62560) pelo fabricante ou fornecedor responsável, e localizados. As dimensões da lâmpada LED devem satisfazer os requisitos indicados pelo fabricante ou fornecedor responsável. Os contornos da lâmpada LED não podem exceder os da lâmpada a ser substituída (ver também IEC 60630).

As condições de ensaio para as características elétricas e fotométricas, manutenção do fluxo luminoso e a vida são dadas no Anexo ª Todos os ensaios são realizados em “n” lâmpadas. O número “n” é declarado pelo fabricante ou pelo fornecedor responsável, mas deve ser um mínimo de 20 lâmpadas. As lâmpadas que se destinam a fins de retrofit devem ser equipadas com meios adequados de resfriamento.

A potência dissipada pela lâmpada LED não pode exceder a potência nominal em mais que 15 %. O fluxo luminoso inicial medido de uma lâmpada LED não pode ser inferior a 90 % do fluxo luminoso nominal. Quanto à temperatura de cor e reprodução de cor, é feita referência à IEC 60081, Anexo D: Coordenadas de cromaticidade. A temperatura de cor correlata (TCC) nominal de uma lâmpada deve ser de preferência um dos seguintes seis valores: 2 700 K, 3 000 K, 3 500 K, 4 000 K, 5 000 K ou 6 500 K.

A vida de uma lâmpada LED com dispositivo de controle incorporado (conforme definido em 3.7) é o resultado combinado do desempenho de manutenção do fluxo luminoso (ver 10.1) e a vida útil do dispositivo de controle eletrônico incorporado (ver 10.2) para o qual um ensaio de durabilidade é usado como uma indicação de sua confi abilidade e vida útil. Ambos os elementos são ensaiados. É feita referência às definições de 3.7 e 3.9, que descrevem a porcentagem indicada de lâmpadas ensaiadas de um lote total (B50 ou B10) que podem falhar aos requisitos de ensaio de 10.1 e 10.2.

Na sua introdução, a NBR IEC 62560 informa que existem no mercado produtos à base de LED que substituem as lâmpadas existentes, quer sejam lâmpadas incandescentes ou lâmpadas fluorescentes com reator incorporado à base, ou substituto para lâmpadas halógenas com filamento de tungstênio abaixo de 50 V. Essa norma abrange a faixa de tensão de alimentação de > 50 V até 250 V. Uma norma de segurança para lâmpadas LED com tensões ≤ 50 V será proposta posteriormente no tempo adequado.

Esse trabalho futuro também inclui consequentemente normas de desempenho para todos os tipos de lâmpadas LED, incluindo requisitos fotométricos mínimos para ensaio de tipo. Devido à urgente necessidade de estabelecer essa norma, esta será uma norma única neste momento, não excluindo uma realocação futura como uma parte da IEC 60968, self-ballasted lamps.

As lâmpadas devem ser projetadas e construídas de forma que, em uso normal, funcionem de forma confiável e não causem qualquer perigo para o usuário ou arredores. Em geral, a conformidade é verificada através da realização de todos os ensaios especifi cados. As lâmpadas LED com dispositivo de controle incorporado são não reparáveis, seladas de fábrica. Elas não podem ser abertas para quaisquer ensaios. Em caso de dúvida, com base na inspeção da lâmpada e na análise do diagrama do circuito, e de acordo com o fabricante ou fornecedor responsável, ou os terminais de saída devem ser curto-circuitados, ou de acordo com o fabricante, lâmpadas especialmente preparadas para que uma condição de falha possa ser simulada devem ser submetidas a ensaio (ver Seção 13).

Em geral, todos os ensaios são realizados em cada tipo de lâmpada ou, quando uma série de lâmpadas semelhantes é envolvida, todos os ensaios são realizados para cada potência da série ou em uma seleção representativa da série, conforme acordado com o fabricante. Quando uma lâmpada falha em segurança durante um dos ensaios, ela é substituída, desde que fogo, fumaça ou gás inflamável não seja produzido. Outros requisitos de segurança são dados na Seção 12.

As lâmpadas devem ser marcadas de forma clara e indelével com as seguintes informações obrigatórias: marca de origem (isto pode tomar a forma de uma marca, o nome do fabricante ou o nome do fornecedor responsável); tensão nominal ou faixa de tensão nominal (marcado com “V” ou “volts”); potência nominal (marcada com “W” ou “watts”); e frequência nominal (marcada em “Hz”). Além disso, as seguintes informações devem ser fornecidas pelo fabricante na lâmpada ou no invólucro ou recipiente ou nas instruções de instalação da lâmpada.

a) Posição de uso, se houver restrição, deve ser marcada com a simbologia apropriada. Exemplos de símbolos são mostrados no Anexo B.

b) Corrente nominal (marcado com “A” ou “ampère”).

c) “Para lâmpadas com peso significativamente maior do que o das lâmpadas que são substituidas, deve-se prestar atenção ao fato de que o peso adicional pode reduzir a estabilidade mecânica de certas luminárias e porta-lâmpadas, e podem ser prejudicados o contato e a retenção da lâmpada”.

d) As condições especiais ou restrições que devem ser observadas para o funcionamento da lâmpada, por exemplo, operação em circuitos dimerizáveis.

Nas tabelas abaixo os valores não incluem o custo pelo uso do uso do ar condicionado – no caso das lâmpadas incandescentes que emitem calor – e danos a saúde da pele que as lâmpadas fluorescentes podem causar, pois são grandes emissores de raios UV. Além disso, o gás responsável por produzir a luz branca característica contém pó de fósforo e outros metais pesados que, quando descartado indevidamente, contamina solo e lençol freático.

10 Lâmpadas funcionando 4 h/dia durante 1 mês (R$0,50 hw/h)
Incandescentes Fluorescente LED da LDU do Brasil
60W 15W 8W
R$14,40 R$3,60 R$1,92
Duração/ Manutenção
Incandescentes Fluorescente LED da LDU do Brasil
1.000 h 6.000 h 20.000 h

Lâmpadas fluorescentes compactas: os prós e os contras do seu uso

fluorescentesEm 2017 as lâmpadas incandescentes não mais poderão ser comercializadas no Brasil, assim como já ocorreu em 2012 na Europa, e a tendência é de que sejam substituídas pelas fluorescentes compactas. Já a partir de 1º de julho as lâmpadas incandescentes de potência superior a 100 W não deverão ser encontradas no mercado, de acordo com a portaria interministerial 1.007/2010, pela própria impossibilidade de este modelo alcançar os parâmetros de eficiência energética estabelecidos pela portaria.

Para o pesquisador e coordenador do Laboratório de Equipamentos Elétricos e Ópticos do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Mario Leite Pereira Filho, a medida implicará uma grande redução no consumo de energia elétrica no País. Estima-se que a iluminação seja responsável por 17% do total da energia total consumida no Brasil, inclusive a doméstica, que utiliza principalmente lâmpadas incandescentes. Outro fator a ser considerado é a maior durabilidade das LFC em comparação às incandescentes.

“Dependendo do modelo, a lâmpada fluorescente compacta é quatro ou cinco vezes mais econômica do que a equivalente incandescente. Imagine a economia para um prédio que substitui mil lâmpadas de 100 W pela fluorescente compacta! Sem falar na redução de consumo com ar condicionado, por exemplo, ao retirar lâmpadas que aquecem mais o ambiente, além da questão da sustentabilidade, pois há menor descarte de lâmpadas e redução no consumo de combustível e água utilizados nas hidrelétricas”, afirma o pesquisador.

Entretanto, ele adverte que as indústrias fabricantes de lâmpadas fluorescentes compactas precisam investir cada vez mais em tecnologia e aprimorar os processos de produção, pois o custo final para o consumidor é três ou quatro vezes maior em relação ao da incandescente. “No Brasil são fabricadas as lâmpadas fluorescentes tubulares e as incandescentes, porém as fluorescentes compactas em geral são produzidas na China. Para o consumidor final perceber concretamente a economia, esse tipo de lâmpada precisam ter um custo menor e uma vida útil ainda maior”, adverte.

Outro fator que provoca a resistência do consumidor em substituir a lâmpada incandescente pela fluorescente compacta é a questão do conforto e da cor. As fluorescentes compactas normais apresentam cor branca, daí a denominação de lâmpadas frias, e não são indicadas para todos os espaços, como uma sala de estar ou um quarto de dormir, por exemplo. “A referência ideal de iluminação é o próprio sol, que fornece calor e a melhor reprodução de cor. As pesquisas têm evoluído no sentido de melhorar as características das lâmpadas fluorescentes compactas, já estando disponível no mercado uma com a cor mais amarelada, percebida como mais aconchegante, mas o custo ainda é elevado e há uma redução de cerca de 10% na luminosidade”, afirma Pereira Filho. Há outras opções de iluminação, como a lâmpada dicroica que tem a vantagem da cor quente, mas o fluxo de luz é direcionado e sua eficácia ainda é menor que a das fluorescentes compactas, e cresce o consumo da lâmpada LED – entretanto, ela tem alto custo e a reprodução de cor é ainda pior.

O Laboratório de Equipamentos Elétricos e Ópticos tem acompanhado as mudanças do mercado e da legislação, e possui condições para elaborar todos os tipos de estudos e testes de fluxo luminoso, de eficácia luminosa, de vida útil do produto e de segurança para o usuário, um aspecto fundamental para um dispositivo ligado diretamente à rede elétrica. Para Oswaldo Sanchez Jr., pesquisador do laboratório, as inovações no campo da iluminação são constantes e ainda haverá muitas novidades no segmento. “A tendência é que as lâmpadas LED sejam produzidas em maior escala, baixando seus custos e passando a competir com as fluorescentes compactas. Por sua vez, os fabricantes das compactas terão que investir em tecnologia para tornar seu produto cada vez mais vantajoso para o consumidor”, afirma ele.

A NBR IEC 60901 de 01/1997 – Lâmpadas fluorescentes de base única – Prescrições de desempenho especifica requisitos de desempenho para lâmpadas fluorescentes de base única para serviços gerais de iluminação. Os requisitos dessa norma relacionam-se somente a ensaios de tipo. Condições para a conformidade, bem como os métodos estatísticos de avaliação, estão em estudo. Estão incluídos os seguintes tipos de lâmpadas e modos de operação com reatores externos: lâmpadas operadas com um meio interno de acendimento, com catodos preaquecidos, para operação em frequências de rede em corrente alternada; lâmpadas operadas com um meio externo de acendimento, com catodos preaquecidos, para operação em frequências de rede em corrente alternada, com o uso de um starter, e adicionalmente operando em alta frequência; lâmpadas operadas com um meio externo de acendimento, com catodos preaquecidos, para operação em frequências de. rede em corrente alternada, sem o uso de um starter, e adicionalmente operando em alta frequência; lâmpadas operadas com um meio externo de acendimento, com catodos preaquecidos, para operação em alta frequência; lâmpadas operadas com um meio externo de acendimento, corn catodos preaquecidos, para operação em alta frequência.

Pode-se esperar que lâmpadas que atendem a essa norma acendam e operem satisfatoriamente em tensões entre 92% e 108% da tensão nominal de alimentação, e a uma temperatura ambiente entre 10°C e 50°C quando operadas com um reator em conformidade com a IEC 921 ou IEC 929, com um starter em conformidade com a IEC 155 ou IEC 927, quando utilizado, e em uma luminária atendendo a IEC 598. Para algumas lâmpadas é dada informação adicional para o projeto do reator, a fim de assegurar correto acendimento a uma temperatura de – 15 ºC.

Os ensaios devem ser realizados em ambiente sem corrente de ar, a uma temperatura entre 20°C e 27°C e umidade relativa de no máximo 65%. Peças metálicas e fios na vizinhança da lâmpada, exceto auxílio ao acendimento, quando requerido, devem ser evitados tanto quanto possível. As lâmpadas devem ser mantidas inoperantes, em uma temperatura ambiente entre 26°C e 27°C e uma umidade relativa de 65%, no mínimo, durante um período de pelo menos 24 h imediatamente antes de ser iniciado o ensaio.

Nos testes realizados pela Proteste com as lâmpadas fluorescentes compactas de 15 W o problema começou na embalagem, pois algumas delas informam um falso período de durabilidade. Esse foi o caso da lâmpada Ourolux, que diz durar sete anos. Porém as análises mostraram que se você acendê-la e apagá-la dez vezes ao dia, esse produto não vai durar nem dois anos. Fora este problema, no geral os rótulos contêm todas as informações obrigatórias e, por isso, no item rotulagem, todas as marcas receberam o conceito “muito bom”.

Para realizar o teste, programou-se cada modelo de lâmpada para acender e apagar 20 mil vezes, com ciclos de três minutos acesas e cinco minutos apagadas e todas elas queimaram muito antes da programação. E as lâmpadas equivalentes vendidas no mercado europeu resistem a até 50 mil ciclos de ligar e desligar nas mesmas condições, sem queimar, Mais conclusão decepcionante para os consumidores brasileiros.

Ao se transformar esses ciclos em anos de uso, descobriu-se que Osram, Golden, Kian e Ourolux não resistem nem a dois anos de uso se forem ligadas e apagadas dez vezes por dia. Já se fizer isso quatro vezes por dia, a Osram dura apenas três anos e oito meses. Golden, Kian e Ourolux, de quatro anos e três meses a quatro anos e oito meses. Já a Sylvania ficaria acesa durante sete anos e um mês, se considerarmos quatro ciclos diários de ligar e desligar.

Outro problema que foi verificado com todas as marcas é que com o tempo as lâmpadas perdem a capacidade de iluminar o ambiente. As marcas que tiveram os piores resultados foram Golden, Kian, FLC e Ourolux, que perdem 15% de sua luminosidade após 2 mil horas de uso e as outras marcas 10%. Já em relação à quantidade de luz produzida – quanto maior o fluxo luminoso, melhor –, vimos que os resultados de todas as marcas são bem próximos. Mas Golden, Kian, Ourolux e Sylvania deixam a desejar. Quanto à segurança, porém, não há o que temer: todas as testadas se saíram bem nessa análise.

Contudo, o mesmo não se pode dizer quando se avalia se as lâmpadas possuem eficiência mínima para o selo de eficiência energética (Ence). Constatou-se que as marcas FLC, Golden, Sylvania, Ouroluz e Kian não estão de acordo com o critério de eficiência. Isso quer dizer que elas gastam mais energia elétrica para produzir a mesma quantidade de luminosidade. As únicas lâmpadas realmente boas quanto à economia que promovem foram Osram, Empalux e Tashibra.

Tempo de duração de cada lâmpada

Marca Ciclos Duração: 4 Ciclos por Dia Duração: 8 Ciclos por Dia Duração: 10 Ciclos por Dia
Empalux 8.372  5 anos e 8 meses 2 anos e 11 meses 2 anos e 4 meses
FLC 8.420 5 anos e 10 meses 2 anos e 11 meses 2 anos e 4 meses
Golden 6.210 4 anos e 4 meses 2 anos e 2 meses 1 ano e 8 meses
Kian 6.251 4 anos e 4 meses 2 anos e 2 meses 1 ano e 8 meses
Osram 5.438 3 anos e 8 meses 1 ano e 11 meses 1 ano e 6 meses
Ourolux 6.844 4 anos e 8 meses 2 anos e 4 meses 1 ano e 11 meses
Sylvania 10.426 7 anos e 2 meses 3 anos e 7 meses 2 anos e 11 meses
Tashibra 8.711 6 anos 3 anos 2 anos e 5 meses

CLIQUE NA FIGURA PARA UMA MELHOR VISUALIZAÇÃO

-lampada-fluorescente-comprar

Alto fator de potência

A partir de 1º julho, as lâmpadas fluorescentes compactas deverão ampliar seu campo de atuação, já que a Portaria 489 publicada pelo Inmetro determina que todas as compactas com 26W ou mais comercializadas no Brasil devem oferecer alto fator de potência. O motivo é melhorar a qualidade da energia e tornar a lâmpada mais eficiente. Nesse caso, quanto mais próximo de 1,00 (que equivale a 100%) estiver o fator de potência, melhor a energia estará sendo utilizada. E, ao contrário, quanto mais distante de 1,00 ele estiver, menor será o aproveitamento, aumentando o desperdício. Nesse contexto, são consideradas lâmpadas com alto fator de potência as peças com índice maior que 0,92. Significa, em termos de aproveitamento, que o medidor de energia cobrará do usuário 92% da energia gerada, reduzindo a perda para a concessionária de energia elétrica em apenas 8%.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1

Evite problemas com as compras no dia dos namorados

SOLUÇÕES PARA GESTÃO DE ACERVO

Controlar e manter o seu acervo de normas técnicas e de documentos internos e externos sempre atualizados e disponíveis para compartilhamento entre todos os usuários é hoje um grande desafio em diversas organizações por envolver a dedicação e o esforço de vários profissionais. As Normas de Sistemas da Qualidade – série ISO 9000, são rigorosas quanto aos critérios de controle, atualização e disponibilização de documentos corporativos aos seus usuários. Tanto os documentos de origem interna como externa, devem ser controlados para evitar a utilização de informações não-válidas e/ou obsoletas, cujo uso pode trazer sérios problemas aos sistemas, produtos e negócios da empresa. É por isso que a Target Engenharia e Consultoria desenvolveu Sistemas que gerenciam e controlam estes documentos de forma rápida, ágil e segura, facilitando o acesso à informação e ajudando os seus clientes a garantirem suas certificações.

 Target GEDWeb
O Target GEDWeb – Gerenciador Eletrônico de Documentos via Web da Target – é o único Portal Corporativo no mercado que possibilita o gerenciamento de grandes acervos…

 Target CENWin 6.0
O Target CENWin 6.0 automatiza totalmente a gestão do acervo de Normas Técnicas e facilita o acesso às normas com rapidez e agilidade…

A data mais romântica do ano está quase chegando. E para comemorar, não faltam sugestões. Chocolates, perfumes, flores, e com a proximidade do inverno, os lojistas estão apostando em roupas, artigos de couro e casaco, para deixar os corações apaixonados ainda mais aquecidos. De acordo com a Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo (FCDLESP), os varejistas esperam um crescimento de 5% nas vendas.

Mesmo com todo esse clima de romance no ar, é preciso tomar alguns cuidados no momento da compra. A advogada Viviane Flores, especialista em direito do consumidor, afirma que alguns cuidados simples, mas que a maioria das pessoas desconhece, podem evitar uma série de problemas. “Muitas vezes é difícil acertar o tamanho certo do sapato, cor preferida, ou até mesmo correr o risco de presentear com algo que a pessoa já possua. Então, para evitar desgastes e garantir o direito à substituição, o consumidor precisa exigir que essa informação conste na nota fiscal ou recibo de compra, especificando eventuais restrições, como dia da semana em que a troca poderá ser efetuada, prazo, condições da embalagem”, explica.

As lojas não são obrigadas a efetuar troca de produtos se não houver defeitos (vícios, nos termos do Código de Defesa do Consumidor). “Caso haja algum impedimento para que o produto possa ser utilizado de forma adequada, ao fim que se destina, o consumidor deve entrar em contato com o fornecedor ou assistência técnica autorizada para solucionar o problema”, orienta a advogada.

Quando um produto durável apresentar vício aparente, de fácil constatação, o  prazo para reclamar é de até 90 dias. “De acordo com o Código de Defesa do Consumidor, o fornecedor terá 30 dias para solucionar. Se a questão não for resolvida nesse período, o comprador poderá escolher entre a troca do produto por outro em perfeitas condições de uso, o desconto proporcional do preço, ou a devolução da quantia paga, monetariamente atualizada”, explica Viviane.

O que também é muito comum acontecer nessa época são os atrasos na entrega de mercadorias ou o consumidor receber algo diferente do que foi adquirido. Nesse caso, o consumidor pode aceitar outro produto, prestação de serviço equivalente ou a devolução do valor pago atualizado. “Até a solução definitiva, o Procon-SP aconselha a realização do pagamento, para que o seu nome não sofra nenhum tipo de apontamento e cadastros no SCPC ou Serasa”, aconselha a especialista.

Segundo dados do Ibope, pessoas que tenham renda de R$ 3 mil a R$ 4.499 mensais, compram através da internet. Esse número cresce para 27% na classe A. “A tendência é o aumento de compras via web nos meses de novembro e dezembro, porque muitas pessoas não estão dispostas a enfrentar filas nos shoppings, ruas e centros comerciais”, explica Viviane.

No entanto, o consumo através desses meios faz com que as pessoas possam levar algo que não lhe agradem. Nem sempre as imagens ilustradas são semelhantes ao produto comprado e a partir deste momento, começa a decepção. O Código do Consumidor garante também, para compras feitas através da internet, telefone e catálogo, o retorno imediato dos valores pagos pelo produto que apresente defeitos ou que seja diferente do que foi apresentado, com correção monetária.

Mas vale lembrar também que outra grande dificuldade enfrentada pelos consumidores que adquirem produtos pela internet é o exercício do chamado “direito de arrependimento”. Esta regra, estabelecida pelo Código de Defesa do Consumidor, prevê que, nas compras a distância em que a pessoa  não entra em contato direto com o produto antes da compra, ela tem o direito de se arrepender, em até sete dias após ter recebido o produto, devolvendo o mesmo à loja e tendo, consequentemente, o dinheiro de volta.   Visando acabar com este problema, entrou em vigor o Decreto Presidencial nº 7.962/203, que regulamenta alguns dos direitos dos consumidores, nas compras pela internet. A nova norma prevê, entre outros deveres ao fornecedor, a fácil visualização de informações e facilidade em possíveis devoluções.

Com a determinação, fica mais clara a obrigação dos sites em fornecerem informações como endereço físico, despesas adicionais claras, quantidade de produtos quando for relacionado a compras coletivas, visualização imediata e fácil do contrato de adesão, o CNPJ, dentre outras especificações que facilitarão a compra e eventual devolução.

A norma trata ainda das obrigações dos chamados sites de “compras coletivas”. A partir de agora eles terão que informar a quantidade mínima de consumidores para a efetivação do contrato, o prazo para utilização da oferta pelo consumidor, e a identificação do fornecedor responsável pelo sítio eletrônico e do fornecedor do produto ou serviço ofertado.

Outra facilidade trazida pelo Decreto está no fato de que, a partir de agora, o consumidor pode desistir da compra pelo mesmo meio que a efetivou, ou seja, pelo próprio site de compras. O arrependimento obrigará o fornecedor a devolver o valor pago ou comunicar imediatamente a operadora de cartão, para que eventual débito seja cancelado ou estornado.

Lâmpadas pouco duráveis e de baixa qualidade

Ter uma lâmpada que pode queimar bem antes do previsto já é um problema. Mas imagine o inconveniente que é ter um produto que, com o tempo, vai perdendo a capacidade de iluminar até você ficar quase no escuro. Nos testes realizados pela Proteste com lâmpadas fluorescentes compactas de 15w o problema já começa na embalagem, pois algumas embalagens informam um falso período de durabilidade.

Esse foi o caso da lâmpada Ourolux, que diz durar sete anos. Porém as análises mostraram que se você acendê-la e apagá-la dez vezes ao dia, esse produto não vai durar nem dois anos. Fora este problema, no geral os rótulos contêm todas as informações obrigatórias e, por isso, no item rotulagem, todas as marcas receberam o conceito “muito bom”.

Para realizar o teste programou-se cada modelo de lâmpada para acender e apagar 20 mil vezes, com ciclos de três minutos acesas e cinco minutos apagadas e todas elas queimaram muito antes da programação. E as lâmpadas equivalentes vendidas no mercado europeu resistem a até 50 mil ciclos de ligar e desligar nas mesmas condições, sem queimar, Mais conclusão decepcionante para os consumidores brasileiros.

Ao transformar esses ciclos em anos de uso, descobriu-se que Osram, Golden, Kian e Ourolux não resistem nem a dois anos de uso se for ligadas e apagadas dez vezes por dia. Já se fizer isso quatro vezes por dia, a Osram dura apenas três anos e oito meses. Golden, Kian e Ourolux, de quatro anos e três meses a quatro anos e oito meses. Já a Sylvania ficaria acesa durante sete anos e um mês, se considerarmos quatro ciclos diários de ligar e desligar.

Outro problema verificado com todas as marcas é que com o tempo as lâmpadas perdem a capacidade de iluminar o ambiente. As marcas que tiveram os piores resultados foram Golden, Kian, FLC e Ourolux, estas perdem 15% de sua luminosidade após 2 mil horas de uso e as outras marcas 10%.

Já em relação à quantidade de luz produzida – quanto maior o fluxo luminoso, melhor –, viu-se que os resultados de todas as marcas são bem próximos. Mas Golden, Kian, Ourolux e Sylvania deixam a desejar. Quanto à segurança, porém, não há o que temer: todas as testadas se saíram bem nessa análise.

Contudo, o mesmo não se pode dizer quando avaliamos se as lâmpadas possuem eficiência mínima para o selo de eficiência energética (Ence). Constatamos que as marcas FLC, Golden, Sylvania, Ouroluz e Kian não estão de acordo com o critério de eficiência. Isso quer dizer que elas gastam mais energia elétrica para produzir a mesma quantidade de luminosidade. As únicas lâmpadas realmente boas quanto à economia que promovem foram Osram, Empalux e Tashibra.

Tempo de duração de cada lâmpada

Marca

Ciclos

Duração: 4 Ciclos por Dia

Duração: 8 Ciclos por Dia

Duração: 10 Ciclos por Dia

Empalux

8.372 

5 anos e 8 meses

2 anos e 11 meses

2 anos e 4 meses

FLC

8.420

5 anos e 10 meses

2 anos e 11 meses

2 anos e 4 meses

Golden

6.210

4 anos e 4 meses

2 anos e 2 meses

1 ano e 8 meses

Kian

6.251

4 anos e 4 meses

2 anos e 2 meses

1 ano e 8 meses

Osram

5.438

3 anos e 8 meses

1 ano e 11 meses

1 ano e 6 meses

Ourolux

6.844

4 anos e 8 meses

2 anos e 4 meses

1 ano e 11 meses

Sylvania

10.426

7 anos e 2 meses

3 anos e 7 meses

2 anos e 11 meses

Tashibra

8.711

6 anos

3 anos

2 anos e 5 meses