A atual trajetória de colapso socioambiental é incontestável

Luiz Marques

Pensamento qualitativo e pensamento quantitativo são estratégias mentais essencialmente diferentes. De nada vale, diante de um quadro, medir a tela ou inventariar o número de pessoas e objetos representados. A abordagem quantitativa permanece externa à obra e sua interpretação não é e não se pretende científica. Ela é validada, para usar o termo consagrado por Berenson, pelo “senso de qualidade” do intérprete, o qual decorre de uma sensibilidade historicamente informada e, sobretudo, educada por um longo convívio comparativo com muitos objetos artísticos (I). Ao afirmar que a obra de arte é sempre um fenômeno “deliciosamente relativo”, ou seja, que ela se afirma na relação, antes de mais nada, com outra obra de arte, Roberto Longhi dizia algo semelhante (II).

A intenção do parágrafo precedente não é relembrar a tripartição transcendental entre o belo, o justo e o verdadeiro, mas sublinhar, por oposição ao juízo estético, a especificidade do saber científico sobre a natureza. Desde Pitágoras e Platão, o pensamento grego, e depois ocidental, traçou o destino de nossa relação epistemológica com a natureza ao optar pela transfiguração da qualidade em quantidade, seja por intermédio de uma metafísica do número e das formas geométricas, seja, modernamente, pela mensuração dos parâmetros que indicam o comportamento dos fenômenos. Essa matematização do mundo foi, como é sabido, formulada na aurora da ciência moderna pelo Il Saggiatore (1623) de Galileo: “a filosofia está escrita nesse grandíssimo livro, continuamente aberto aos nossos olhos (digo, o universo), mas não se pode entendê-lo se antes não se aprende a entender a língua e a conhecer os caracteres nos quais é escrito. Ele é escrito em língua matemática, e os caracteres são triângulos, círculos e outras figuras geométricas. Sem tais meios, é humanamente impossível entender algo” (III).

Contrariamente, portanto, ao “senso de qualidade”, capaz de gerar um juízo retoricamente persuasivo, mas que, como adverte ainda Berenson, “não pertence à categoria das coisas demonstráveis”, o próprio da ciência e sua ambição é a demonstração de um conjunto de proposições quantitativas que só admite contestação por outro conjunto de proposições quantitativas.

A trajetória de colapso socioambiental

Isso vale, por certo, para a mais incontornável e distintiva das proposições científicas de nosso tempo: a escala e rapidez crescentes das pressões deletérias exercidas pela lógica expansiva do capitalismo global sobre o sistema Terra coloca as sociedades humanas e a biodiversidade numa trajetória de colapso iminente. Definamos cada termo dessa proposição.

(1) O capitalismo é um sistema socioeconômico resultante da associação histórica entre: (a) um ordenamento jurídico fundado na propriedade privada do capital e (b) a racionalidade da ação econômica dos detentores do capital, definida pela busca da máxima remuneração do investimento. A relação desses proprietários com a natureza é determinada por essa consciência intencional do mundo e é a força motriz que impele o sistema à sua contínua expansão. No capitalismo global, a propriedade do capital concentra-se nas mãos de uma “super entidade” econômica, composta por um núcleo densamente interconectado de controladores financeiros da rede de corporações multinacionais. Num artigo intitulado “The Network of Global Corporate Control”, Stefania Vitali, James Glattfelder e Stefano Battiston, do ETH Zurich, quantificaram esse controle da economia global: “737 proprietários (top holders) acumulam 80% do controle sobre o valor de todas as corporações multinacionais” (IV).

(2) Define-se sistema Terra, não como uma ainda controversa “hipótese Gaia”, mas como o conjunto das interações mensuráveis entre a atmosfera, a biosfera, a geosfera, a pedosfera, a hidrosfera e a criosfera, interações decisivamente afetadas nos últimos decênios pela interferência antrópica (V).

(3) Por colapso socioambiental, deve-se entender uma transição abrupta para outro estado de equilíbrio do sistema Terra, estado cujo grau de alteridade em relação aos parâmetros do Holoceno é ainda incerto, mas que deve implicar com toda a probabilidade escassez hídrica, desestabilização climática e um aquecimento médio global não inferior a 3º C. Esse nível de aquecimento médio global arremessará as sociedades humanas a abismos de fome, insalubridade, violência, precariedade e mortalidade, condenando ao mesmo tempo à extinção um número imenso de outras espécies em todos os ecossistemas do planeta.

(4) Por iminente, enfim, deve-se entender um horizonte de tempo não posterior à segunda metade do século, sem excluir mudanças decisivas já nos próximos dois decênios.

A proposição de que estamos numa trajetória de colapso socioambiental iminente alicerça-se em conhecimento cumulativo. Dados, monitoramentos conduzidos ao longo de decênios, modelos estatísticos e projeções confirmadas pela observação convergem para conferir a essa proposição uma incerteza cada vez menor e constituem hoje, por certo, um dos mais consolidados consensos científicos da história do saber sobre a natureza e sobre nossa interação destrutiva e autodestrutiva com ela.

A respeito dessa proposição gravíssima, a comunidade científica tem lançado “alertas vermelhos” recorrentes, cuja linguagem não pode ser acusada de eufemismo. Lembremos os mais recentes em ordem cronológica. Em 1992, por ocasião da ECO-92 no Rio de Janeiro, 1.700 cientistas publicaram a “Advertência dos Cientistas do Mundo à Humanidade”, na qual reafirmavam claramente a iminência desse colapso:

“Não mais que uma ou poucas décadas restam antes que a chance de evitar as ameaças atuais seja perdida, diminuindo incomensuravelmente as perspectivas da humanidade”.

Em 2007, essa iminência era reiterada pelo quarto relatório do IPCC, o mais importante coletivo de pesquisadores das mudanças climáticas (VI):

“Qualquer meta de estabilização das concentrações de CO2 acima de 450 ppm [partes por milhão] tem uma probabilidade significativa de desencadear um evento climático de larga escala”. 

Note-se que em 2013 ultrapassamos 400 ppm e em abril de 2017 (VII) o Observatório de Mauna Loa, no Havaí, registrou pela primeira vez concentrações atmosféricas de 410 ppm de CO2, como mostra a Figura 1.

Clique nas figuras para uma melhor visualização

Figura 1: Concentrações atmosféricas de CO2 em partes por milhão (ppm) de 1700 a abril de 2017.  A linha mais grossa indica as mensurações no topo do monte Mauna Loa, Havaí, iniciadas em 1958 (Curva de Keeling) | Fonte: National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA)

No período mostrado por esse gráfico (1700 – 2017), houve aumento de quase 50% nessas concentrações, com uma inequívoca aceleração desse processo no século XXI, como mostra detalhadamente a Figura 2.

 

Figura 2 – Taxas de crescimento das concentrações atmosféricas de CO2 em Mauna Loa, Havaí (1960 – 2016). Fonte: National Oceanic and Atmospherica Administration, NOAA, EUA.

Entre 1960 e 1997, houve apenas quatro aumentos anuais superiores a 2 ppm e nenhum superior a 2,5 ppm. Mas entre 1998 e 2016 registraram-se onze aumentos anuais superiores a 2 ppm e seis aumentos anuais superiores a 2,5 ppm, com três recordes batidos desde 1998: 2,93 ppm (1998); 3,03 ppm (2015) e 2,77 ppm (2016). E desde 2010, enfim, registrou-se apenas um aumento anual inferior a 2 ppm. Mantido um aumento médio futuro de 2,5 ppm/ano, atingiremos os temidos 450 ppm já em 2033, após os quais, como afirma o IPCC, aumentam as probabilidades de “se desencadear um evento climático de larga escala”.

Em 2013, outro alerta, intitulado “Consenso Científico sobre a Manutenção dos Sistemas de Suporte da Vida da Humanidade no século XXI”, assinado por mais de três mil cientistas, alertava mais uma vez para a iminência de um colapso socioambiental (VIII):

“A Terra está rapidamente se aproximando de um ponto crítico. Os impactos humanos estão causando níveis alarmantes de dano ao nosso planeta. Como cientistas que estudamos a interação dos humanos com o resto da biosfera, usando uma ampla gama de abordagens, concordamos ser esmagadora a evidência de que os humanos estão degradando os sistemas de sustentação da vida. (…) Quando as crianças de hoje atingirem a meia-idade é extremamente provável que os sistemas de sustentação da vida terão sido irremediavelmente danificados pela magnitude, extensão global e combinação desses estressores causados pelos humanos [desequilíbrios climáticos, extinções, perda generalizada de diversos ecossistemas, poluição, crescimento populacional e padrões de consumo], a menos que tomemos ações imediatas para assegurar um futuro sustentável e de alta qualidade. Como membros da comunidade científica ativamente envolvidos em avaliar os impactos biológicos e sociais das mudanças globais, estamos disparando esse alarme”.

Há dois meses, enfim, oito cientistas reavaliaram o apelo de 1992 e lançaram a “Advertência dos Cientistas do Mundo à Humanidade – Segundo Aviso” (IX):

Desde 1992, com exceção da estabilização da camada de ozônio estratosférico, a humanidade fracassou em fazer progressos suficientes na resolução geral desses desafios ambientais anunciados, sendo que a maioria deles está piorando de forma alarmante. Especialmente perturbadora é a trajetória atual das mudanças climáticas potencialmente catastróficas, devidas ao aumento dos gases de efeito estufa emitidos pela queima de combustíveis fósseis, desmatamento e produção agropecuária – particularmente do gado ruminante para consumo de carne. Além disso, desencadeamos um evento de extinção em massa, o sexto em cerca de 540 milhões de anos, no âmbito do qual muitas formas de vida atuais podem ser aniquiladas ou, ao menos, condenadas à extinção até o final deste século.

A resposta da comunidade científica a esse “Segundo Aviso” foi extraordinariamente vigorosa. Ele conta hoje com mais de 15 mil assinaturas de pesquisadores e cientistas de 180 países, entre as quais as de James Hansen, ex-diretor do Goddard Institute for Space Studies (NASA – GISS, Columbia University); de Matthew Hansen, do MODIS Land Science Team (NASA); de Will Steffen e Thomas Hahn (IPBES), ambos do Stockholm Resilience Centre; de Stefan Rahmstorf, diretor do Potsdam Institute for Climate Impact Research; de Daniel Pauly, diretor do The Sea Around Us (British Columbia University); de Jan Zalasiewicz, do Anthropocene Working Group (Subcomissão da Estratigrafia do Quaternário); e de Paul Ehrlich e Edward O. Wilson, de sete laureados com o Prêmio Nobel e de pesquisadores de todas as áreas das principais universidades brasileiras e do mundo todo.

É claro que há ainda muitas incertezas acerca da evolução do sistema Terra, mas essas incertezas estão diminuindo e são, sobretudo, de segunda ordem. A proposição central da ciência de que o aumento da interferência antrópica no sistema Terra está nos conduzindo a um colapso socioambiental iminente constitui o conteúdo comum de todos os alertas emitidos pelos coletivos de cientistas acima citados. A menos que se negue frontalmente esse consenso ou que se avancem elementos contrários quantitativamente relevantes, essa proposição mostra-se incontestável e as atuais tentativas de contestá-la não pertencem ao âmbito da ciência.

Bloqueio psicológico e bloqueio epistemológico

Isso posto, os fatos e alertas científicos chocam-se contra a barreira do negacionismo fomentado pelas corporações ou são metabolizados e neutralizados por um bloqueio ao mesmo tempo psicológico e epistemológico da maior parte das pessoas, inclusive entre as mais escolarizadas. O bloqueio psicológico oferece o último refúgio a um otimismo não substanciado por dados relevantes. Ele é bem compreensível, haja vista o teor da mensagem. O bloqueio epistemológico radica na necessidade de sustentar a hipótese de que o capitalismo global pode avançar, inclusive rapidamente, nas duas direções básicas requeridas pela ciência:

(1) reduzir a zero as emissões de carbono nos próximos dois decênios através de mecanismos indutores próprios do mercado (fim dos subsídios aos combustíveis fósseis, taxa carbono etc);

(2) honrar os compromissos assumidos nos acordos diplomáticos, tais como o Protocolo de Kyoto, as 20 Metas de Aichi (Aichi Biodiversity Targets) (X), o Acordo de Paris, etc.

As evidências contra essa hipótese de um capitalismo tendente ao “sustentável” são acachapantes. As emissões e concentrações atmosféricas de carbono não estão se estabilizando e não devem parar de aumentar nos dois próximos decênios. O Protocolo de Kyoto e as Metas de Aichi para 2020 fracassaram e os prognósticos para o Acordo de Paris são os piores possíveis, como demonstrado por um artigo publicado na Nature em agosto último, e já comentado nesta coluna (XI).

As emissões de GEE continuam aumentando

Uma viga mestra desse bloqueio epistemológico é a afirmação de que as emissões globais de GEE estão se estabilizando. Há de fato tendência à estabilização nas emissões relativas à produção de energia, por causa, sobretudo, da maior disponibilidade e competitividade do gás natural, o que gerou em 2016 diminuição de 1,7% no consumo global de carvão (-53 mtoe) em relação ao ano anterior, e isso pelo segundo ano consecutivo (XII). Eis os últimos dados de consumo de combustíveis fósseis em milhões de toneladas de energia equivalente ao petróleo (mtoe):

Fonte: BP Statistical Review of World Energy. Junho de 2017 (em rede).

Mas os últimos dados da Emission Database for Global Atmospheric Research (EDGAR) mostram que as emissões de GEE como um todo continuam a aumentar, atingindo 53,4 GtCO2-eq em 2016, como certifica a Figura 3

Figura 3 – Emissões globais de Gases de Efeito Estufa (GEE) entre 1990 e 2016. | Fonte: Emission Database for Global Atmospheric Research (EDGAR)

É significativo que um eminente representante desse bloqueio epistemológico, Lord Nicholas Stern, Presidente da British Academy, tenha visto na figura acima motivo para comemorar: “Esses resultados são uma bem-vinda indicação de que estamos nos aproximando do pico das emissões anuais de gases de efeito estufa” (XIII). Esse comentário de Stern lembra as peripécias pré-copernicanas do geocentrismo ptolomaico. Lá se tratava de “salvar” a hipótese geocêntrica. Aqui, de “salvar” a hipótese de que o capitalismo pode no limite nos desviar do colapso socioambiental. Pois esse gráfico simplesmente não mostra estabilização. Ele diz alto e bom som que em 2010 o mundo emitiu 50 GtCO2-eq e que houve em 2016 aumento dessas emissões da ordem de 7%. Definitivamente não há motivo para considerar tal aumento bem-vindo. Ele diz ainda, para concluir, três coisas extremamente importantes:

(1) Dados os esforços de Trump para reabilitar o carvão, é ainda prematuro afirmar que a tendente estabilização das emissões de CO2 relacionadas à produção de energia anuncie uma sucessiva diminuição. Aqui há motivo para alguma esperança, mas o maior problema é que essas emissões ligadas à produção de energia correspondem a apenas 60% dos GEE (~32 GtCO2-eq).

(2) 19% das emissões de GEE em 2016 provieram do metano, com grande contribuição da atividade entérica e dos resíduos dos ruminantes, cujo rebanho aumentou 20,5% entre 1992 e 2016, atingindo agora quase quatro bilhões de cabeças (XIV).

(3) O fator que mais empurrou a curva das emissões para cima (mancha cinza no topo do gráfico) foi a liberação de GEE pela agricultura, pelo desmatamento e pelos incêndios das florestas e das turfeiras (Land Use, Land Use change and Forestry, LULUCF).

Os pontos 2 e 3 mostram, mais uma vez, que o irmão gêmeo do Big Oil é o Big Food (inclusive para alimentar os animais que comemos) e que não nos desviaremos da trajetória de colapso ambiental sem uma profunda revisão do nosso sistema alimentar, transformado em commodities,  baseado no comércio global e em proteínas animais.

Referências

[I] Cf. Bernard Berenson, The sense of qualityStudy and Criticism of Italian Art (1901), Nova York, 1962.

[II] Roberto Longhi, “Proposte per una critica d’arte”. Paragone, 1, 1950: “L’opera d’arte, dal vaso dell’artigiano greco alla volta Sistina, è sempre un capolavoro squisitamente relativo. L’opera non sta mai da sola. È sempre un rapporto. Per cominciare: almeno un rapporto con un’altra opera d’arte”. Em 1923, num pequeno texto provocador, Le Problème des Musées, Paul Valéry antecipava esse paradoxo longhiano entre a singularidade do termo “obra-prima” e seu caráter relativo. Para Valéry, as obras de arte dispostas nas galerias de um museu: “quanto mais belas, quanto mais efeitos excepcionais da ambição humana, mais devem ser distintas. São objetos raros e seus autores bem gostariam que fossem únicas”.

[III] Cf. Alexandre Koyré, “Galilée et Platon” (1943). Études d’histoire de la pensée scientifique, Paris, 1973, pp. 166-195.

[IV] Cf. S. Vitali, J. B. Glattfelder, S. Battiston, “The Network of Global Corporate Control” Plos One, 26/X/2011: “We find that only 737 top holders accumulate 80% of the control over the value of all TNCs (Transnational Corporations) (…). A large portion of control flows to a small tightly-knit core of financial institutions. This core can be seen as an economic ‘super-entity’”.

[V] A ciência que estuda o comportamento desse conjunto extremamente complexo de interações, chamada ciência do sistema Terra (Earth system science), não se concebe como uma disciplina a mais entre outras, mas como uma nova relação entre ciências humanas e ciências da natureza, de resto impreterível na nova época geológico-cultural a que se dá o nome Antropoceno.

[VI] IPCC AR4 (2007) Working Group II: Impacts, Adaptation and Vulnerability: “Any CO2 stabilisation target above 450 ppm is associated with a significant probability of triggering a large-scale climatic event”.

[VII] Cf. Brian Kahn, “We Just Breached the 410 PPM Threshold for CO2. Carbon dioxide has not reached this height in millions of years”. Scientific American, 21/IV/2017.

[VIII] Scientific Consensus on Maintaining Humanity’s Life Support Systems in the 21st Century: “Earth is rapidly approaching a tipping point. Human impacts are causing alarming levels of harm to our planet. As scientists who study the interaction of people with the rest of the biosphere using a wide range of approaches, we agree that the evidence that humans are damaging their ecological life-support systems is overwhelming. We further agree that, based on the best scientific information available, human quality of life will suffer substantial degradation by the year 2050 if we continue on our current path. By the time today’s children reach middle age, it is extremely likely that Earth’s life-support systems, critical for human prosperity and existence, will be irretrievably damaged by the magnitude, global extent, and combination of these human-caused environmental stressors [, unless we take concrete, immediate actions to ensure a sustainable, high-quality future. As members of the scientific community actively involved in assessing the biological and societal impacts of global change, we are sounding this alarm to the world”.

[IX] Cf. William J. Ripple, Christopher Wolf, Mauro Galetti, Thomas M Newsome, Mohammed Alamgir, Eileen Crist, Mahmoud I. Mahmoud, William F. Laurance, “World Scientists’ Warning to Humanity: A Second Notice”. O manifesto será proximamente publicado na revista Bioscience.

[X] Essas 20 metas subdividem-se em 56 objetivos e são agrupadas em 5 grandes estratégias para a conservação da biodiversidade entre 2011 e 2020. Veja-se http://www.cbd.int/sp/targets/.

[XI] Cf. David G. Victo, Keigo Akimoto, Yoichi Kaya, Mitsutsune Yamaguchi, Danny Cullenward & Cameron Hepburn, “Prove Paris was more than paper promises”, Nature, 548, 1/VIII/2017:  “No major advanced industrialized country is on track to meet its pledges to control the greenhouse-gas emissions that cause climate change. Wishful thinking and bravado are eclipsing reality”. Veja-se “Esperanças científicas e fatos políticos básicos sobre o Acordo de Paris”. Jornal da Unicamp, 25/IX/2017

[XII] Cf. BP Statistical Review of World Energy. Junho de 2017 (em rede).

[XIII] Citado por Damian Carrington, “Global carbon emissions stood still in 2016, offering climate hope”. The Guardian, 28/IX/2017: “These results are a welcome indication that we are nearing the peak in global annual emissions of greenhouse gases”.

[XIV] Veja-se esse dado em William J. Ripple, Christopher Wolf, Mauro Galetti, Thomas M Newsome, Mohammed Alamgir, Eileen Crist, Mahmoud I. Mahmoud, William F. Laurance, “World Scientists’ Warning to Humanity: A Second Notice”.

Luiz Marques é professor livre-docente do Departamento de História do IFCH /Unicamp. Pela editora da Unicamp, publicou Giorgio Vasari, Vida de Michelangelo (1568), 2011 e Capitalismo e Colapso ambiental, 2015, 2a edição, 2016. Coordena a coleção Palavra da Arte, dedicada às fontes da historiografia artística, e participa com outros colegas do coletivo Crisálida, Crises Socioambientais Labor Interdisciplinar Debate & Atualização (crisalida.eco.br) – Publicado originalmente no Jornal da Unicamp.

 

Anúncios

Prepare-se: a ISO 14001:2015 está quase pronta para ser publicada

14001

A revisão de uma das normas mais populares do mundo para a gestão ambiental, a ISO 14001, mudou-se para o estágio de Final Draft International (FDIS). Isto significa que os países membros têm até dia 02 de setembro para votar e comentar antes da sua publicação prevista para o final de setembro.

Na verdade, as normas ISO devem passar, a cada cinco anos, por um processo de revisão, a fim de definir se norma deve ser mantida, aprimorada ou até cancelada. A ISO 14001 teve sua publicação inicial em 1996 e foi revisada em 2004. Em 2011, teve início um novo processo de revisão, que resultará na versão final em 2015.

O principal objetivo da ISO 14001 é permitir que as organizações estabeleçam processos para gerenciar o risco ambiental, reduzindo o consumo de recursos naturais e custos operacionais, tendo um compromisso de melhoria contínua de seu desempenho ambiental. Ou seja: as ações extremamente necessárias e urgentes para o Planeta.

Atualmente, atingir um equilíbrio entre o ambiente, a sociedade e a economia é considerado essencial para atender às necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras satisfazerem as suas necessidades. O desenvolvimento sustentável como um objetivo é alcançado através do equilíbrio dos três pilares da sustentabilidade.

As expectativas da sociedade para o desenvolvimento sustentável, transparência e responsabilidade têm evoluído com a legislação cada vez mais rigorosa, as crescentes pressões sobre o meio ambiente decorrentes da poluição, ineficiência da utilização de recursos, gestão de resíduos inadequada, alterações climáticas, degradação dos ecossistemas e perda da biodiversidade.

Isso tem levado as organizações a adotar uma abordagem sistemática à gestão ambiental por implementação de sistemas de gestão ambiental com o objetivo de contribuir para o meio ambiente, um pilar para a sustentabilidade.

O objetvo da norma de gestão ambiental é o de proporcionar às organizações uma estrutura para proteger o ambiente e responder às mudanças das condições ambientais em equilíbrio com as necessidades sócio-econômicas. Ele especifica requisitos que permitam uma organização para atingir os resultados pretendidos que ela estabelece para a seu sistema de gestão ambiental.

Uma abordagem sistemática à gestão ambiental pode fornecer à alta administração as informações para construir o sucesso em longo prazo e criar opções para contribuir para o desenvolvimento sustentável; proteger o ambiente através da prevenção ou mitigação de impactos ambientais adversos; mitigar o potencial efeito adverso das condições ambientais sobre a organização; auxiliar a organização no cumprimento de obrigações de conformidade; melhorar o desempenho ambiental; controlar ou influenciar a forma como os produtos e serviços da organização são concebidos, fabricados, distribuídos e consumidos e depois eliminados usando uma perspectiva de ciclo de vida que pode prevenir os impactos ambientais; alcançar os benefícios financeiros e operacionais que podem resultar da aplicação de alternativas ambientalmente corretas que fortaleçam a posição de mercado da organização; e comunicar a informação ambiental aos interessados diretos.

A norma fala do sucesso de um sistema de gestão ambiental que depende do comprometimento de todos os níveis e funções da organização, liderada pela alta administração. As organizações podem aproveitar as oportunidades para
prevenir ou mitigar os impactos ambientais adversos e melhorar os impactos ambientais benéficos, particularmente aqueles com implicações estratégicas e competitivas.

A alta administração pode tratar eficazmente seus riscos e oportunidades de integração da gestão ambiental nos negócios e nos processos da organização, realizando o direcionamento estratégico e a tomada de decisão, alinhando-as com outras prioridades de negócios, e incorporando a governança ambiental no seu sistema de gestão global. A demonstração de sucesso da implementação da ISO 14001 pode ser usada para assegurar às partes interessadas que um sistema de gestão ambiental eficaz está funcionando.

Duas organizações podem realizar atividades semelhantes, mas podem ter diferentes obrigações de conformidade, os compromissos na sua política ambiental, tecnologias ambientais e metas de desempenho ambiental, mas ambas podem estar em conformidade com os requisitos da norma. O nível de detalhe e a complexidade do sistema de gestão do ambiente variarão dependendo do contexto da organização, o âmbito do seu sistema de gestão ambiental, a sua conformidade às obrigações e a natureza de suas atividades, produtos e serviços, incluindo os seus aspectos ambientais e impactos ambientais associados.

A norma adota o modelo Plan-Do-Check-Act. A base para a abordagem subjacente a um sistema de gestão ambiental é fundada no conceito de Plan-Do-Check-Act (PDCA). O modelo PDCA fornece um processo iterativo utilizado pelas organizações para alcançar a melhoria contínua. Ele pode ser aplicado a um sistema de gestão do ambiente e para cada dos seus elementos individuais.

Ele pode ser descrita brevemente como segue.

– Plan: estabelecer os objetivos ambientais e processos necessários para fornecer os resultados de acordo com a política ambiental da organização.

– Do: implementar os processos conforme o planejado.

– Check: monitorar e medir processos conforme a política ambiental, incluindo os seus compromissos, os objetivos ambientais e os critérios operacionais e relatar os resultados.

– Act: fazer ações buscando constantemente a melhoria.

A Figura 1 mostra como o quadro introduzido na norma pode ser integrado a um modelo PDCA, que pode ajudar os usuários novos e existentes para compreender a importância de uma abordagem sistêmica.

CLIQUE NAS FIGURAS PARA UMA MELHOR VISUALIZAÇÃO

ambiental 1

Esta norma não inclui os requisitos específicos de outros sistemas de gestão, tais como os de qualidade, saúde ocupacional e segurança, energia ou gestão financeira. No entanto, permite que uma organização possa usar uma abordagem comum e pensamento baseado no risco para integrar o seu sistema de gestão ambiental com os requisitos de outros sistemas.

Contém os requisitos utilizados para avaliar a sua certificação. Uma organização que pretenda demonstrar conformidade com esta norma internacional pode fazê-lo: fazendo uma autodeterminação e autodeclaração; ou buscando conformidade por partes interessadas na organização, tais como clientes; ou buscar a conformidade por meio de uma autodeclaração por uma parte externa à organização; ou buscar certificação do seu sistema de gestão ambiental de terceira part.

O Anexo A fornece informações explicativas para evitar erros de interpretação dos requisitos da presente edição da norma. O Anexo B mostra uma ampla correspondência técnica entre a edição anterior e essa edição. As diretrizes para a implementação da gestão ambiental estâo incluídas na norma ISO 14004.

Nesta norma, as seguintes formas verbais são usadas:

– “Deve” indica um requisito;

– “Deverá” indica uma recomendação;

– “Pode” indica uma permissão;

– “Poderá” indica uma possibilidade ou capacidade.

As informações identificadas como “NOTA” destinam-se a auxiliar a compreensão ou utilização do documento. “Notas a entrada” é usado na cláusula 3 para fornecer informações adicionais que complementam os dados terminológicas e podem conter disposições relativas à utilização de um termo. Os termos e as definições na Cláusula 3 são organizadas em ordem conceitual, com um índice alfabético fornecida no final do documento.

Contéudo (tradução livre)

Prefácio…………v

Introdução……..vi

1 Escopo………1

2 Referências normativas..1

3 Termos e definições…….1

3.1 Termos relacionados com a organização e liderança…1

3.2 Termos relacionados com o planejamento……………. 2

3.3 Termos relacionados com suporte e operação……….. 4

3.4 Termos relacionados com a avaliação de desempenho e melhoria .. 5

4 Contexto organizacional………………………………………6

4.1 Compreendendo a organização e seu contexto…………6

4.2 Compreendendo as necessidades e as expectativas das partes interessadas ……..6

4.3 Determinando o escopo do sistema de gestão ambiental……. 6

4.4 Sistema de Gestão Ambiental……….7

5 Liderança……………………………..7

5.1 Liderança e compromissomitment..7

5.2 Política Ambiental…………….7

5.3 Regras organizacionais papéis, responsabilidades e autoridades……..8

6 Planejamento……….8

6.1 Ações para enfrentar os riscos e as oportunidades…8

6.1.1 Geral………………8

6.1.2 Aspectos ambientais……….9

6.1.3 Obrigações de conformidade…..9

6.1.4 Ação de planejamento………..9

6.2 Planejamento ambiental e objetivos para alcançá-los…………….10

6.2.1 Objetivos ambientais……………..10

6.2.2 Ações de planejamento para alcançar os objetivos ambientais………..10

7. Suporte………..10

7.1 Recursos……10

7.2 Competência………….11

7.3 Consciência…………….11

7.4 Comunicação……….11

7.4.1 Geral………..11

7.4.2 Comunicação interna……………12

7.4.3 Comunicação externa…………….12

7.5 Informação documentada………12

7.5.1 Geral……………12

7.5.2 Criação e atualização……..12

7.5.3 Controle da informação documentada………12

8 Operação………..13

8.1 Planejamento operacional e controle………….13

8.2 Preparação para emergências e responsabilidades…….13

9 Avaliação do desempenho………………………………..14

9.1 Monitoramento, medição, análise e avaliação….14

9.1.1 Geral………………………14

9.1.2 Avaliação de conformidade….14

9.2 Auditoria interna……………..15

9.2.1 Geral……………….15

9.2.2 Programa de auditoria interna…………………..15

9.3 Revisão do programa de gestão………………15

10 Melhoria………………………………………16

10.1 Geral……………………………………….16

10.2 Não conformidade e ação corretiva…………..16

10.3 Melhoria contínua……………………. 17

Anexo A (informativo) Orientação para o uso desta norma…….. 18

Anexo B (informativo) Correspondência entre a ISO 14001: 2015 e ISO 14001: 2004……………………. 32

Bibliografia………………….34

Índice alfabético de termos….35

Conteúdo em inglês

ambiental 3

O escopo da norma especifica os requisitos para um sistema de gestão ambiental que uma organização pode usar para melhorar o seu desempenho ambiental. Destina-se a ser utilizada por uma organização que procura gerir as suas responsabilidades ambientais de uma forma sistemática, de maneira a contribuir para a sustentabilidade.

Ajuda uma organização a alcançar os resultados pretendidos do seu sistema de gestão ambiental, oferecendo mais valor ao meio ambiente, à própria organização e às partes interessadas. Coerentes com a política ambiental da organização, os resultados pretendidos de um sistema de gestão ambiental incluem: melhoramento do desempenho ambiental; cumprimento das obrigações de conformidade; e a realização dos objetivos ambientais.

Esta norma é aplicável a qualquer organização, independentemente do tamanho, tipo e natureza, e se aplica aos aspectos ambientais das suas atividades, produtos e serviços que a organização determina que pode controlar ou influenciar considerando uma perspectiva do ciclo de vida. Não prescreve critérios específicos de desempenho ambiental. Pode ser utilizada no todo ou em parte para melhorar sistematicamente a gestão ambiental. As reivindicações de conformidade com esta Norma Internacional, entretanto, não são aceitáveis, a menos todas as suas exigências sejam incorporadas no sistema de gestão ambiental de uma organização e satisfeitas sem exclusão.

Tabela B.1 – Correspondência entre ISO 14001: 2015 e ISO 14001: 2004

ambiental 2

Transição

O International Accreditation Forum, Inc. (IAF) fornece uma orientação para a transição da ISO 14001:2004 e ISO 14001:2015 que foi elaborada com a cooperação do ISO/TC 207/SC 1 para prestar assessoria aos interessados sobre o regime de transição a ser considerado antes de implementar a ISO 14001:2015. Foram identificadas as atividades que devem ser considerados pelas partes interessadas e aumentar a compreensão do contexto da ISO 14001:2015. A revisão introduzirá alterações significativas e será publicado em setembro de 2015.

A norma é baseada no anexo SL das diretivas ISO, uma estrutura de alto nível (high-level structure – HLS) que padroniza os títulos, as subcláusulas, o texto principal, os termos comuns e as definições essenciais para melhorar a compatibilidade e o alinhamento com outras normas de sistemas de gestão ISO. O IAF e o ISO Committee on Conformity Assessment (CASCO) concordaram em um período de transição de três anos a partir da publicação da ISO 14001:2015. A Resolução IAF 2014-11 foi aprovada pela Assembleia Geral da IAF em Vancouver em 17 de outubro 2014 endossando um período de transição de 3 anos para ISO 14001: 2015.

Assim, as certificações ISO 14001:2004 só serão válidas em até três anos a partir da publicação da ISO 14001:2015. O prazo de validade da certificação com a norma ISO 14001: 2004 emitido durante o período de transição deve corresponder ao final do período de transição de três anos.

Às organizações que usam a ISO 14001:2004 recomenda-se a tomar as seguintes ações: identificar as lacunas da organização que precisam ser abordadas para atender aos novos requisitos; desenvolver um plano de implementação; proporcionar a formação e a sensibilização adequadas para todas as partes que têm um impacto sobre a eficácia da organização; atualizar o sistema de gestão ambiental existente para atender aos requisitos revistos e verificar a sua eficácia; e, se for caso disso, assegurar o contato com o seu organismo de certificação para arranjos de transição.

Para o IAF, ocorreram várias mudanças estratégicas na nova norma. Por exemplo, a Gestão Ambiental Estratégica, havendo um aumento da proeminência da gestão ambiental dentro dos processos de planejamento estratégico da organização. Um novo requisito para compreender o contexto da organização foi incorporado para identificar e alavancar oportunidades para o benefício tanto da organização como do ambiente.

Uma particular atenção é sobre questões ou alteração das circunstâncias relacionadas com as necessidades e expectativas das partes interessadas (incluindo os requisitos regulamentares) e as condições ambientais locais, regionais ou globais que podem afetar ou ser afetados por, a organização. Uma vez identificada como uma prioridade, as ações para mitigar o risco adverso ou explorar oportunidades benéficas estão integrados no planejamento operacional do sistema de gestão ambiental.

Liderança – Para garantir o sucesso do sistema, uma nova cláusula foi adicionada que atribui responsabilidades específicas para aqueles em papéis de liderança para promover a gestão ambiental dentro da organização.

Proteção o meio ambiente – A expectativa sobre as organizações tem sido expandida para se comprometer com iniciativas proativas para proteger o ambiente de danos e degradação, de acordo com o contexto da organização. O texto revisto não define “proteger o ambiente”, mas observa que ela pode incluir a prevenção da poluição, a utilização sustentável dos recursos, as alterações climáticas mitigação e adaptação, a protecção da biodiversidade e dos ecossistemas, etc.

Desempenho ambiental – Há uma mudança de ênfase no que diz respeito à melhoria contínua, desde a melhoria do sistema de gestão para melhorar o desempenho ambiental. Consistente com a organização compromissos políticos da organização seria, conforme o caso, reduzir emissões, efluentes e resíduos aos níveis estabelecidos pela organização.

Pensamento voltado para o ciclo de vida – Além da exigência atual para gerenciar aspectos ambientais associados a produtos e serviços adquiridos, as organizações terão que estender seu controle e influência para os impactos ambientais associados ao uso do produto e de fim de vida tratamento ou eliminação. Isto não implica a obrigação de fazer uma avaliação do ciclo de vida.

Foi adicionado o item Comunicação, para o desenvolvimento de uma estratégia de comunicação com ênfase na igualdade de comunicações externas e internas. Isso inclui uma exigência de comunicação de informações consistente e confiável, e estabelecer mecanismos para as pessoas que trabalham sob o controle da organização para fazer sugestões sobre a melhoria do sistema de gestão ambiental. A decisão de comunicar externamente é retida pela organização, mas a decisão deve ter em conta os relatórios de informações exigidas pelos órgãos reguladores e às expectativas de outras partes interessadas.

Documentação – Refletindo a evolução dos sistemas informáticos e de nuvem para a execução de sistemas de gestão, a revisão incorpora o termo “informação documentada”, em vez de “documentos” e “registros”. Para alinhar com a ISO 9001, a organização vai manter a flexibilidade para determinar quando são necessários “procedimentos” para assegurar o controle efetivo do processo.

A ISO 14001 e a tecnologia verde

Daniela Albuquerque de Oliveira

A ISO 14001 é uma norma de sistema de gestão que permite às organizações prevenirem a poluição gerada durante suas atividades, tanto na fabricação de produtos quanto na prestação de serviços. Por meio da implementação dos requisitos da norma, a empresa consegue identificar os aspectos ambientais da sua operação, ou seja, quais são os elementos que interagem com o meio ambiente e qual o impacto gerado. Ao fazer essa análise, a empresa deve considerar a legislação ambiental aplicável e assim estabelecer controles operacionais que minimizem ou diminuam esses impactos no meio ambiente.

A implementação da ISO 14001 é o melhor caminho para uma empresa garantir o atendimento à legislação ambiental, evitando multas e estabelecendo processos para prevenir a poluição, tornando-se ambientalmente correta. Essa é uma questão crucial quando falamos da manutenção de data centers.

Por armazenar dados fundamentais para a operação de seus clientes, essas estruturas têm a premissa fundamental de operação constante. Além do alto consumo de energia elétrica, no caso de alguma pane, precisam de uma fonte de alimentação ininterrupta, um gerador que garanta o funcionamento. Os equipamentos alocados nesses centros de dados também precisam estar sob temperaturas precisas e controladas por meio de ar condicionados.

Estima-se que um data center utilize 100 vezes mais energia do que um escritório comum. Com o aumento na quantidade de data centers, esse tipo de negócio tornou-se um vilão das práticas ambientais, sendo responsável por quase 2% de toda a energia utilizada no mundo.

É nesse cenário que se iniciou nos últimos anos uma corrente voltada para a prática da TI Verde, que expressa a preocupação das empresas com o meio ambiente. Está ficando cada vez mais claro que se tornar verde é uma necessidade que as empresas precisam incorporar o quanto antes, se quiserem sobreviver economicamente.

WORKSHOP ISO 9001:2015

EVENTO GRATUITO

28 de novembro

Sorocaba – SP

mailingA ISO publicou o Draft International Standard (DIS) da ISO 9001 – Quality Management Systems, em um processo de que todas as normas da instituição são revisadas a cada cinco anos. E para se preparar para as mudanças a empresas certificadas devem procurar conhecer as alterações com um instrutor homologado pelo International Register of Certificated Auditors (IRCA). As principais alterações no novo projeto, principalmente em relacionar a importância crescente da gestão de risco, incluem: a mesma estrutura de alto nível usado por outras normas de sistemas de gestão que irá ajudar as empresas na execução de mais de um padrão, a identificação de riscos e controle de risco como requisitos da norma; a exigência da alta administração em assumir um papel mais ativo no alinhamento das políticas de qualidade com as necessidades do negócio; e uma série de mudanças na terminologia. Às organizações certificadas com a norma atual, ISO 9001:2008, será dado um período de transição de três anos após a nova versão ser publicada a fim de migrar para a nova edição.

Mais informações: Raquel: (15) 3228-2854 – raquel@consultoriaiso.com.br

Economia de recursos naturais, reciclagem dos equipamentos e elaboração de projetos modernos de sustentabilidade passaram a ser uma tendência. O processo de implementação de uma ISO 14001 em um data center é muito parecido com os de outras organizações. A grande particularidade é que os controles operacionais a fim de minimizar os impactos ambientais são mais complexos, como por exemplo aumento da eficiência energética da organização, indicação de novas formas de resfriamento, desenvolvimento de técnicas operacionais mais eficientes e adoção de métodos de reutilização de equipamentos, diminuindo o descarte desses materiais no meio ambiente.

Implementar esses controles – e outros necessários de acordo com a legislação – é um grande desafio das empresas que decidem adotar uma norma de gestão ambiental. Por esse motivo é importante seguir algumas etapas:

1.      Definir uma equipe responsável por esse projeto

2.      Elaborar a Política Ambiental da Empresa

3.      Definir Objetivos, Programas e Metas Ambientais consistentes com a Política Ambiental da empresa

4.      Identificar os Aspectos e os Impactos Ambientais e avaliar esses impactos em relação ao risco que oferecem ao meio ambiente

5.      Identificar, Avaliar e Monitorar a Legislação Ambiental Aplicável

6.      Elaborar Controles Operacionais a fim de minimizar ou mitigar o impacto ambiental detectado

7.      Garantir que todos os envolvidos sejam competentes para desempenhar as atividades

8.      Definir métodos para resposta à possíveis emergências

9.      Estabelecer Indicadores para monitorar o atendimento aos Objetivos Ambientais da Empresa

10.  Realizar auditorias internas a fim de avaliar a conformidade com os requisitos implementados

11.  Analisar Criticamente os dados do sistema de gestão a fim de identificar pontos de melhorias a serem implementados

12.  Realizar Auditoria Externa por um Organismo de Certificação Acreditado para receber o certificado da ISO 14001.

A companhia precisa passar por todas as etapas acima e estar em conformidade com os critérios da norma ISO 14001. Além dos requisitos normativos, alguns itens importantes a serem observados ao iniciar um projeto de implementação da ISO 14001 são: adequação à todas as licenças obrigatórias relativas ao negócio; levantamento de pendências ambientais em órgãos municipais, estaduais e federais; avaliação do passivo ambiental; elaboração de planos para eliminar as pendências ambientais; e a adoção de práticas para evitar novos passivos ambientais.

Muitas são as vantagens que uma empresa pode obter com a certificação ISO 14001, como o aumento da eficiência energética, a redução de cus com melhoria na performance dos processos da organização aliado a um menor consumo de recursos naturais, e o aumento da qualidade dos produtos, serviços e processos. Ainda deve ser considerada uma melhoria na imagem da empresa perante o mercado e a consequente conquista de novos clientes.

O ISO 14001 ainda traz outros fatores interessantes para a empresa, como a implementação de ferramentas que identificam fontes de desperdício na refrigeração dos ambientes; redução de riscos de acidentes, de sanções legais e multas; redução do consumo de matérias-primas por meio da reciclagem; economia na utilização de consumo de papel e materiais de escritório; utilização de tecnologias que permitem maior vida útil dos equipamentos; redução da utilização de água e energia e utilização de fontes renováveis.

Outras vantagens passam pelo desenvolvimento de projetos de infraestrutura que dividem de forma eficiente os espaços da empresa a fim de possibilitar a melhor utilização dos recursos; investimento em projetos que reduzem as emissões de carbono; fornecedores homologados para gerar uma cadeia de fornecimento ambientalmente correta; e aumento das possibilidade de financiamentos, devido ao bom histórico ambiental.

Mais do que um modismo, a preocupação com o meio ambiente é uma questão de sobrevivência de negócios e do planeta. Com o processo de certificação ambiental, as companhias têm um método assertivo e garantido de cumprir as legislações e se comprometer com as melhores práticas verdes.

Daniela Albuquerque de Oliveira é coordenadora técnica da Templum Consultoria Online. Formada em Comunicação Social, pós-graduada em Gestão de Negócios pela Escola Superior de Administração, Marketing e Comunicação (ESAMC), especializada em Sistemas de Gestão Integrada em ISO 9001:2008; ISO 14001:2004; OHSAS 18001:2008 e ISO 26000. Atua no mercado de Qualidade há oito anos.

ISO 14001: as modificações para 2015

Coletânea Digital Target com as Normas Técnicas, Regulamentos, etc., relacionadas à Sistema de Gestão Ambiental!
Saiba Mais…

Coletânea Série Sistema de Gestão Ambiental

 

 

 

 

A ISO 14001 vai se adequar às diretrizes do comitê da ISO, o Joint Technical Coordenation Comittee. Este processo de criação de um comitê para estabelecer uma estrutura/modelo de alto nível teve por objetivo definir parâmetros mínimos que facilitam a integração das diversas normas de Sistema de Gestão. Essa diretriz facilita o uso das normas para um grande número de empresas já possuidoras de sistemas de gestão integrados, ou seja, sistemas de gestão que tratam de mais de uma disciplina, como qualidade, meio ambiente, segurança e saúde do trabalho, segurança da informação, etc. A intenção é que os requisitos de sistema de gestão sejam harmonizados e integrados nos processos da organização trazendo redução de custos de implementação e manutenção.

Na nova ISO 14001 com base nas diretrizes que cria a nova estrutura para sistema de gestão, foram criados novos itens e modificados outros. Confira abaixo (em inglês) as correspondências entre o ISO/DIS 14001:2014 e a ISO 14001:2004.

No item liderança, alguns pontos reforçam significativamente o rumo que o Sistema de Gestão Ambiental deve ter na organização. Por exemplo, o requisito de que a gestão ambiental faz parte dos processos críticos da emoresa. Este requisito é fundamental para assegurar que a gestão ambiental não seja uma atividade marginal, mas sim esteja presente no coração da organização.

Outro requisito significativo é considerar a desempenho ambiental no planejamento estratégico da Organização. Esta inserção relaciona os processos ambientais com o planejamento global da Organização e seus recursos. Finalmente são propostas deste rascunho alterações no item Liderança, para envolvimento da alta direção com o Sistema de Gestão Ambiental, mesmo mantendo a condição de a alta direção delegar responsabilidade e autoridade em alguns requisitos.

As organizações vêm aplicando a ISO 14001 para o gerenciamento e melhoria de seus impactos ambientais. O rascunho apresenta uma abrangência que coincide com as necessidades atuais das organizações em analisar e agir no seu negócio e gerenciar o impacto das mudanças do meio ambiente que afeta ou pode ser afetado pela organização. Por exemplo, as adaptações por mudanças climáticas, emissões de gases de efeito estufa, questões relacionadas com segurança patrimonial e disponibilidade de recursos naturais, etc.

Há um item Risco associado com ameaças e oportunidades, dizendo que a organização deve determinar o risco associado com as ameaças e oportunidades que precisa ser enviadas para: dar garantia de que o sistema de gestão ambiental pode atingir o resultado pretendido (s); evitar, ou reduzir, os efeitos indesejáveis​​, incluindo o potencial para condições ambientais externas para afetam a organização; e alcançar a melhoria contínua. Há um outro texto sobre essa revisão da norma nesse site no link https://qualidadeonline.wordpress.com/2014/07/17/isodis-14001-a-revisao-da-iso-14001-para-2015/

CLIQUE NAS FIGURAS PARA UMA MELHOR VISUALIZAÇÃO

correspondência1

correspondência2

correspondência3

correspondência4

A sustentabilidade na produção de couros conforme as normas técnicas

Comunicação interna e externa

A sua empresa tem uma assessoria de imprensa que está gerando conteúdo para a sociedade? O marketing de conteúdo (content marketing) tem o objetivo de atrair e reter clientes de forma consistente, por meio da criação e a manutenção de conteúdo relevante e valioso. Isso muda e melhora o comportamento dos consumidores e dos clientes . É um processo contínuo que está melhor integrado na estratégia global de marketing, e centra-se em possuir meios e não alugá-los. Basicamente, o marketing de conteúdo é a arte de se comunicar com seus clientes e prospects sem vender. É o marketing da não interrupção. Em vez de lançar seus produtos ou serviços, você entrega informação jornalística que faz com que o comprador fique mais inteligente. A essência dessa estratégia de conteúdo é a crença de que, se as empresas fornecem informações valiosas e consistentes para os compradores, eles vão devolver ao negócio fidelidade e lealdade. Faça um diagnóstico da sua comunicação interna e externa: hayrton@uol.com.br ou 11 9910-55304.

couro2

De acordo com dados da Food and Agriculture Organization (FAO), o Brasil é o quinto maior produtor de couro de bovinos, atrás dos Estados Unidos, Rússia, Índia e Argentina, e possui o segundo maior rebanho do mundo. Sua participação no rebanho mundial é de 11,2% e na produção total de couros,10,8%, e a produção de couros bovinos, do total de couro produzido, representa 66%.

O Brasil vem exportando uma média de 44.400.000 peles e 796 milhões de pares de calçados. Somando, o faturamento ultrapassou a marca de 4 bilhões de dólares sendo que os principais produtos fabricados foram, em relação a indústria de calçados: cabedal de couro (49%), plásticos montados (41%), cabedal têxtil (7%), injetados (2%) e outros (1%). E pela indústria de couros: Wet blue (58,19%), acabado (31,21%) , crust (9,89%) , salgado (0,72%).

A produção brasileira de couro se concentra na região Sul-Sudeste, que registra o maior número de curtumes e é responsável por cerca de 72% da produção total. Nos últimos anos, muitas indústrias migraram principalmente para a região Centro-Oeste atraídas pelos rebanhos e frigoríficos, incentivos fiscais, mão-de-obra mais barata e exigências menores de controle ambiental, o que resultou em um crescimento de 95% do rebanho entre 1990 e 1999, enquanto o Sudeste e o Sul registraram queda de 38% e 23%, respectivamente.

A produção de couros tem um impacto significativo no meio ambiente. Os principais aspectos ambientais a ser considerados são:

Consumo de Água: o volume utilizado pode variar mas em média, o consumo do setor brasileiro está estimado, segundo o Centro Tecnológico de Couro, SENAI – Rio Grande do Sul, em 25 – 30 m3 de água / t pele salgada.

Energia: os consumos mais significativos ocorrem na secagem dos couros, no aquecimento de água/banhos e equipamentos da estação de tratamento de efluentes, notadamente onde há processos aeróbios, com agitação vigorosa e nos fulões.

Utilização de produtos químicos: solventes, agentes branqueadores, cromo, alguns produtos já proibidos em países desenvolvidos devido sua alta toxicidade (DDT, hexaclorobenzeno, dieldrin), são exemplos de produtos químicos utilizados nas diferentes etapas do processo produtivo.

Efluentes líquidos: 65 a 70 % do volume dos despejos líquidos são provenientes das operações ribeira até a etapa de purga e possuem as seguintes características: são fortemente alcalinos e esbranquiçados (cal em excesso) e contém sebo, peles, tecido muscular, gordura e sangue em suspensão. Em solução, sais, proteínas e aminoácidos; e em menor quantidade, detergentes, aminas e alguns conservantes ou biocidas e inseticidas. Já o restante do volume dos despejos podem apresentar pH na faixa ácida, sólidos em suspensão, proteínas dissolvidas, cloreto de sódio, ácidos minerais (sulfúrico e clorídrico), orgânicos (láctico e fórmico), cromo e/ou taninos (orgânicos polifenólicos) e eventualmente alguns fungicidas em pequenas quantidades.

Emissões Atmosféricas: normalmente as emissões dos curtumes são compostos voláteis que geram odores as vezes perceptíveis fora dos limites da indústria e geram também problemas de saúde ocupacional.

Resídos sólidos: No estado de São Paulo, os maiores problemas ambientais apresentados pelos curtumes no que diz respeito aos resíduos sólidos são os resíduos curtidos e lodos de estações de tratamento, que podem conter teores significativos do cromo e outros poluentes, podendo contaminar o solo, as águas superficiais e subterrâneas. O quadro abaixo demonstra os principais aspectos e impactos ambientais do processo produtivo de curtumes.

Etapa Básica do Processo Poluição Aspecto Ambiental Emissão Impacto Ambiental Potencial Enquadramento Legal Principal (Estado de São Paulo)
Conservação e Armazenamento das Peles – “barraca” 1.Ar 2.Hídrica 3.Solo / Resíduos Sólidos 1. NH3 e COVs (1) 2. Eventuais líquidos eliminados pelas peles 3. Alguns pedaços / apêndices de peles e sal com matéria orgânica 1. Odor – incômodo ao bem estar público 2. Prejuízo à qualidade dos corpos d’água 3. Eventual contaminação do solo e de águas subterrâneas Poluição do ar: – Art. 2° e 3°, Inciso V do Decreto 8486/76 com redação dada pelo Decreto 15425/80. – Art. 33° do Decreto 8486/76 com redação dada pelo Decreto 15425/80. Poluição hídrica: – Art. 18° ou 19-A do Decreto 8486/76 com redação dada pelo Decreto 15425/80. – Art. 34° da Resolução CONAMA 357/05, alterada pela Resolução CONAMA 397/08. – Atendimento aos padrões de qualidade do corpo receptor, de acordo com sua classe, constantes nas legislações estadual e federal vigentes. – Observação: para lançamento de efluentes em corpos de água de classes 2 e 3 há necessidade de atendimento à Resolução SMA nº 3 de 22/02/2000. Poluição do solo / Resíduos sólidos industriais: – Art. 51° a 55° do Decreto 8486/76 com redação dada pelo Decreto 15425/80.
Ribeira 1.Ar 2.Hídrica 3.Solo / Resíduos Sólidos 1. H2S (1), NH3 e COVs 2. Banhos residuais de tratamento das peles e águas de lavagens intermediárias – carga orgânica e produtos químicos (sulfeto, sais diversos e outros). 3. Carnaça, pêlos, aparas / recortes e raspas de peles, sem e com produtos químicos 1. Odor – incômodo ao bem estar público 2. Prejuízo à qualidade dos corpos d’água 3. Eventual contaminação do solo e de águas subterrâneas
Curtimento 1.Hídrica 1. Banho residual de curtimento das peles – carga orgãnica e produtos químicos (cromo, taninos, sais diversos e outros). 1. Prejuízo à qualidade dos corpos d’água.
Acabamento 1.Ar 2.Hídrica 3.Solo / Resíduos Sólidos 1. COVs – dos solventes dos produtos aplicados 2. Banhos residuais de tratamento dos couros – carga orgânica e produtos químicos (cromo, taninos, corantes, óleos e outros). 3. Pó / farelo /serragem de rebaixadeira, recortes de couros curtidos, semi-acabados e acabados, pó de lixa, resíduos de produtos de acabamento (tintas resinas e outros). 1. Odor – incômodo ao bem estar público 2. Prejuízo à qualidade dos corpos d’água 3. Eventual contaminação do solo e de águas subterrâneas
(1) NH3 = gás amônia / COVs = Compostos Orgânicos Voláteis / H2S = gás sulfídrico
Fonte: Guia CETESB Produção Mais Limpa – Curtumes, ano 2005.

Dessa forma, os resíduos liberados ao longo da cadeia produtiva do couro, além de promover a destruição do ecossistema, e a degradação das terras, também causam danos à saúde humana, tais como: rinite e sinusite crônica, atrofia da mucosa nasal, alterações na pele, danos ao estômago, fígado e rins, choque cardiovascular e câncer. Existem vários exemplos de estudos em andamento que buscam soluções mais eficientes, e ambientalmente mais corretas para a indústria do couro. Apesar dos vários resultados promissores, quase sempre eles não são economicamente viáveis, ou então encontram obstáculos em questões como a logística, espaços para instalação dos tanques de armazenamento de água, entre outros.

Foram publicadas duas normas para a produção sustentável de couros: a NBR 16297 de 05/2014 – Couro – Diretrizes para implementação da NBR 16296 e a NBR 16296 de 05/2014 – Couro – Princípios, critérios e indicadores para produção sustentável. Os princípios estabelecidos na base normativa e aplicados a este sistema constituem a referência para a produção sustentável de couros, em cada uma das suas dimensões: econômica, ambiental e social.

Além disso, tem-se uma seção específica para tratar da gestão da sustentabilidade pela empresa. Os princípios de cada dimensão são desdobrados em critérios, que são a expressão dos requisitos que descrevem as práticas sustentáveis para a produção de couros e sistemas associados.

A verificação do cumprimento de cada critério é estabelecida mediante a avaliação do atendimento de um conjunto de indicadores específicos, que podem ser quantitativos ou qualitativos. Dependendo do tipo de processamento realizado na unidade produtiva (de pele crua a couro curtido, de couro curtido a couro acabado, pele crua a couro acabado, etc.), nem todos os indicadores serão aplicáveis ou estarão presentes. Contudo, será sempre necessário considerar todos aqueles pertinentes à situação local.

Assim, é definida uma estrutura hierárquica dos princípios, critérios e indicadores para cada uma das dimensões, que tem a função de estabelecer o monitoramento e a demonstração da produção sustentável de couros. A implementação de um critério é considerada atendida quando se demonstra que os seus respectivos indicadores são apropriadamente atendidos.

Por sua vez, um princípio é considerado implementado quando se confirma que os respectivos critérios são cumpridos. Finalmente, considera-se que a produção sustentável de couros de acordo com esta norma está implementada quando se evidencia que os princípios são cumpridos em todas as dimensões. A organização deve gerir de forma eficaz as questões de caráter econômico, ambiental e social, quer seja por um sistema de gestão próprio ou, preferencialmente, por um sistema certificado conforme as NBR ISO 9001, NBR ISO 14001 e NBR 16001.

A alta administração deve definir a política de sustentabilidade da organização e assegurar que a política seja apropriada à natureza, escala e impactos de suas atividades e que inclua: o comprometimento com o desenvolvimento sustentável, com a melhoria contínua e com a prevenção dos seus impactos negativos; com o atendimento aos requisitos legais aplicáveis e outros requisitos definidos pela organização; com o estabelecimento e revisão de seus objetivos e metas econômicas, ambientais e sociais; e que seja documentada, implementada, mantida, comunicada e disponível a todos os funcionários e partes interessadas.

Alguns indicadores importantes: existência de uma política de sustentabilidade documentada que atenda ao critério estabelecido; evidência da forma como a política é comunicada a todos que trabalhem na organização ou que atuem em seu nome, e as formas de disponibilizá-la para as partes interessadas. A organização deve planejar as suas atividades de forma a estabelecer e manter procedimentos para identificar os aspectos econômicos, ambientais e sociais de suas atividades, produtos ou serviços que tenham impactos significativos, bem como estabelecer e manter objetivos e metas documentados com enfoque na sustentabilidade, em cada nível ou função pertinentes à organização.

Indicadores importantes: evidência de que a organização assegura que os aspectos econômicos, ambientais e sociais significativos são levados em consideração no estabelecimento, implementação e manutenção de seu sistema de gestão; evidência do estabelecimento de objetivos econômicos, ambientais e sociais com metas quantificadas e com atribuição de responsabilidade para atingir os objetivos e metas em cada função e nível pertinentes da organização. A organização deve garantir a implementação e a operação de procedimentos para a condução adequada do seu sistema de gestão, incluindo os recursos e a definição de funções, responsabilidades e autoridades; a competência, treinamento e conscientização dos colaboradores; a comunicação com o público interno e externo; o controle de documentos e registros do sistema; o controle eficiente dos processos; a preparação e resposta a emergências.

Mais indicadores importantes: evidência de que a administração assegura a disponibilidade de recursos essenciais para estabelecer, implementar, manter e melhorar o sistema de gestão; evidência de que as funções, responsabilidades e autoridades estão definidas, documentadas e comunicadas visando facilitar uma gestão eficiente e eficaz; evidência de que são identificadas e providas as necessidades de treinamento associadas aos aspectos da gestão da sustentabilidade, incluindo a conscientização dos colaboradores quanto a: conformidade com a política de sustentabilidade e com os requisitos, aspectos econômicos, ambientais e sociais significativos e respectivos impactos reais ou potenciais, os benefícios provenientes da melhoria do desempenho pessoal, as funções e responsabilidades em atingir a conformidade com os requisitos estabelecidos e as potenciais consequências da inobservância de procedimento(s) especificado(s); evidência dos procedimentos para a comunicação interna entre os vários níveis e funções da organização, bem como com as partes externas interessadas; evidência do controle dos documentos requeridos pelo sistema de gestão, incluindo os procedimentos de aprovação, análise, atualização e reprovação de documentos, bem como do controle dos registros pertinentes; evidência de que as operações associadas aos aspectos econômicos, ambientais e sociais significativos são realizadas por meio de procedimentos documentados e com critérios operacionais estabelecidos; evidência da implementação de procedimentos para identificar potenciais situações de emergência e acidentes que possam ter impacto sobre a saúde e segurança do trabalhador e do meio ambiente, e como responder a estes.

couro

ISO/DIS 14001: a revisão da ISO 14001 para 2015

14001_1

A ISO disponibilizou o Draft International Standard (DIS) da ISO 14001 para comentários públicos. Em sua introdução, a norma especifica que atingir um equilíbrio entre os subsistemas ambientais, sociais e econômicos dentro do sistema global deve ser considerado essencial, a fim de atender às necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações de atender suas necessidades. Este conceito dos “três pilares” da sustentabilidade é o objetivo do desenvolvimento sustentável.

14001

As expectativas da sociedade para o desenvolvimento sustentável, a transparência ea prestação de contas têm evoluído dentro do contexto de legislação cada vez mais rigorosa, crescentes pressões sobre o meio ambiente da poluição, e o uso ineficiente de recursos, gestão de resíduos, mudanças climáticas e degradação de ecossistemas e biodiversidade. Isto levou as organizações a adotar uma abordagem sistemática para a gestão ambiental, implementando os sistemas de gestão ambiental com o objetivo de contribuir para o “pilar ambiental” da sustentabilidade.

Objetivo de um sistema de gestão ambiental

O objetivo desta norma é fornecer às organizações uma estrutura sistemática para proteger o meio ambiente e responder às mudanças das condições ambientais em equilíbrio com as necessidades sócio-econômicas. A ideia é fazer isso especificando os requisitos para um sistema de gestão ambiental que permite a uma organização melhorar o desempenho ambiental por: desenvolver e implementar uma política e objetivos ambientais; realizar a identificação de aspectos de suas atividades, produtos e serviços que podem resultar em impactos significativos ambientais; estabelecer processos sistemáticos que consideram seu contexto, e ter em conta os seus aspectos ambientais, o risco associado com ameaças e oportunidades e as suas obrigações de conformidade; aumentar a consciência de sua relação com o meio ambiente; o estabelecimento de controles operacionais para gerenciar seus aspectos ambientais significativos e obrigações de compliance; a avaliação do desempenho ambiental e a tomada de ações, se necessário.

Uma abordagem sistemática à gestão ambiental pode proporcionar à alta gerência informações para construir o sucesso a longo prazo e criar opções para contribuir para o desenvolvimento sustentável: proteger o meio ambiente, prevenindo ou reduzindo os impactos adversos sobre ele; mitigar o potencial impacto adverso das condições ambientais sobre a organização; ajudar na conformidade com as obrigações de conformidade; melhorar o desempenho ambiental; controlar ou influenciar a forma como os produtos e serviços da organização são projetados, fabricados, distribuídos, consumidos e descartados usando uma perspectiva de ciclo de vida que pode impedir impacto ambiental a ser inadvertidamente desviado dentro do ciclo; conseguir benefícios financeiros e operacionais que podem resultar da implementação de alternativas ambientalmente saudáveis e que fortaleçam a posição de mercado da organização; a comunicação de informação ambiental para as partes interessadas relevantes.

Fatores de sucesso

O sucesso de um sistema de gestão ambiental depende do comprometimento de todos os níveis e funções da organização, liderada pela alta administração. Eles podem aproveitar as oportunidades para reduzir ou eliminar os impactos ambientais, particularmente aquelas com implicações estratégicas e competitivas. A alta administração pode tratar eficazmente essas oportunidades através da integração de gestão ambiental em seus processos de negócio, estratégia e tomada de decisão, alinhando-os com outras prioridades de negócio, e incorporando a governança ambiental em seu sistema global de gestão.

A demonstração da implementação bem sucedida desta norma internacional pode ser usada para assegurar às partes interessadas que um ambiente adequado de um sistema de gestão está ocorrendo. A adoção desta norma, no entanto, não garante por si só os ótimos resultados ambientais.

Duas organizações podem realizar atividades semelhantes, mas podem ter diferentes obrigações de conformidade, compromissos de política ambiental, o uso de tecnologias ambientais e metas de desempenho ambiental, mas ambas podem estar de acordo com os requisitos desta norma. O nível de detalhe e complexidade, a extensão da documentação e os recursos necessários para uma sistema de gestão ambiental irá depender de uma série de fatores, tais como o contexto da organização, o seu tamanho e localização, as suas obrigações de conformidade, o escopo do sistema, bem como a natureza de suas atividades, produtos e serviços, incluindo os seus aspectos e impactos ambientais potenciais.

A abordagem Plan, Do, Check e Act

A base para a abordagem subjacente a um sistema de gestão ambiental baseia-se no conceito de Shewhart de Plan, Do, Check e Act (PDCA) que se tornou popular por Deming. O modelo PDCA demonstra um processo interativo utilizado pelas organizações para alcançar a melhoria contínua. Ele pode ser aplicado a um sistema de gestão e para cada um dos seus elementos individuais. Ele pode ser descrita brevemente como segue.

Plan: estabelecer os objetivos e os processos necessários para fornecer resultados de acordo com o a política de organização.

Do: implementar os processos como o planejado.

Check: monitorar e medir os processos de acordo com a política da organização, incluindo os seus compromissos, objetivos e controles operacionais, e relatar os resultados.

Act: tomar as ações para o melhoramento contínuo.

Esta norma incorpora o conceito PDCA em um novo quadro, como mostrado na Figura 1.

14001_2

Figura 1 – Modelo de gestão ambiental dessa norma internacional

Conteúdo da norma (em inglês)

Foreword

0 Introduction

0.1 Background

0.2 Aim of an environmental management system

0.3 Success factors

0.4 Plan, Do, Check and Act approach

0.5 Contents of this International Standard

1 Scope

2 Normative references

3 Terms and definitions

4 Context of the organization

4.1 Understanding the organization and its

4.2 Understanding the needs and expectations of interested parties

4.3 Determining the scope of the environmental management system

4.4 Environmental management system

5 Leadership

5.1 Leadership and commitment

5.2 Environmental policy

5.3 Organizational roles, responsibilities and authorities

6 Planning

6.1 Actions to address risk associated with threats and opportunities

6.1.1 General

6.1.2 Significant environmental aspects

6.1.3 Compliance obligations

6.1.4 Risk associated with threats and opportunities

6.1.5 Planning to take action

6.2 Environmental objectives and planning to achieve them

6.2.1 Environmental objectives

6.2.2 Planning actions to achieve environmental objectives

7 Support

7.1 Resources

7.2 Competence

7.3 Awareness

7.4 Communication

7.4.1 General

7.4.2 Internal communication

7.4.3 External communication

7.5 Documented information

7.5.1 General

7.5.2 Creating and updating

7.5.3 Control of documented information

8 Operation

8.1 Operational planning and control

8.2 Emergency preparedness and response

9 Performance evaluation

9.1 Monitoring, measurement, analysis and evaluation

9.1.1 General

9.1.2 Evaluation of compliance

9.2 Internal audit

9.3 Management review

10 Improvement

10.1 Nonconformity and corrective action

10.2 Continual improvement

Annex A (informative) Guidance on the use of this International Standard

A.0 General

A.1 Scope

A.2 Normative references

A.3 Terms and definitions

A.4 Context of the organization

A.4.1 Understanding the context of the organization

A.4.2 Understanding the needs and expectations of interested parties

A.4.3 Scope of the environmental management system

A.4.4 Environmental management system

A.5 Leadership

A.5.1 Leadership and commitment

A.5.2 Environmental policy

A.5.3 Organizational roles, responsibilities and authorities

A.6 Planning

A.6.1 Actions to address risk associated with threats and opportunities

A.6.2 Environmental objectives and planning to achieve them

A.7 Support

A.7.1 Resources

A.7.2 Competence

A.7.3 Awareness

A.7.4 Communication

A.7.5 Documented information

A.8 Operation

A.8.1 Operational planning and control

A.8.2 Emergency preparedness and response

A.9 Performance evaluation

A.9.1 Monitoring, measurement, analysis and evaluation

A.9.2 Internal audit

A.9.3 Management review

A.10 Improvement

A.10.1 Nonconformity and corrective action

A.10.2 Continual improvement

Annex B (informative) Correspondence between ISO/DIS 14001:2014 and ISO 14001:2004

Annex C (informative) Alphabetical index of terms in Clause 3

Bibliography

Sustentabilidade e as perspectivas para 2014

Segurança em Instalações e Serviços com Eletricidade de Acordo com a NR 10 – Básico – A partir de 3 x R$ 554,02 (56% de desconto)

Interpretação e Aplicações da Norma Regulamentadora Nº 13 (NR-13) do MTE (Inspeção de Segurança de Caldeiras e Vasos de Pressão) – A partir de 3 x R$ 257,81 (56% de desconto)

Aterramento e a Proteção de Instalações e Equipamentos Sensíveis contra Raios: Fatos e Mitos – A partir de 3 x R$ 257,81 (56% de desconto)

Instalações Elétricas em Atmosferas Explosivas – A partir de 3 x R$ 257,81 (56% de desconto)

Roberta Valença

O conceito básico de sustentabilidade já está um pouco mais difundido devido ao aumento de sua demanda nas empresas, que normalmente é gerado pela necessidade de novos caminhos para alcançar metas e objetivos. O principal papel no atingimento dessas metas é, sem dúvida, exercido pelos colaboradores, e com isso acreditamos que a grande aposta para 2014 é a educação para sustentabilidade.

Imagine se todos os colaboradores conseguissem enxergar, cada um dentro de sua área, um meio de viabilizar todos os itens de sua agenda por meio do funil da sustentabilidade? Isso só seria possível se construído uma visão de sustentabilidade ampliada e compartilhada por todos sobre o que é vital dentro desse tema para o negócio em questão.

Outro aspecto pertinente para este ano é o de se aprofundar nos temas técnicos, a sustentabilidade não tem uma receita de bolo que sirva a todo tipo de negócio. Os temas devem ser avaliados com a particularidade de cada mercado para surtir resultado satisfatório, estudos para áreas específicas como logística, tecnologia da informação, moda, bens de consumo etc. se fazem necessários para desenhar um balizador comum e fonte para futuros comparativos de evolução desses mercados. Existem alguns suplementos setoriais como o do setor financeiro, feito pelo GRI (Global Report Iniciative) – organização holandesa pioneira em sustentabilidade, que desenvolveu o relatório de sustentabilidade mais utilizado no mundo e o setorial de moda, feito pelo Uniethos – associação independente, sem fins lucrativos, dedicada integralmente à educação por meio do desenvolvimento de estudos, pesquisas e capacitação em Responsabilidade Social Empresarial. Esse tipo de iniciativa ajuda e muito no avanço das questões específicas relacionados a sustentabilidade.

E não menos importante que os citados acima, a Comunicação para a Sustentabilidade também é outro item que deve ser melhorado em 2014. Muitas empresas acabam aplicando “greenwashing” – quando uma empresa ou organização gasta mais tempo e dinheiro alegando ser “verde” através da publicidade e marketing do que realmente implementando práticas de negócios que minimizem o impacto ambiental, por má orientação ou por falta de informação.

O fato é que cada vez mais as contradições entre o ser e o parecer serão menos toleradas pelos consumidores, fornecedores, influenciadores de informação e todos os stekaholders envolvidos. A transparência é um pilar fundamental para qualquer empresa séria no mercado.

Mas, de nada valem todos esses esforços se a estratégia de sustentabilidade não estiver intimamente ligada à missão, visão e valores de cada organização. Acredito que essa ligação é a cola que une a real vontade de fazer diferente.

Roberta Valença é CEO da Arator.

Siga o blog no TWITTER

Mais notícias, artigos e informações sobre qualidade, meio ambiente, normalização e metrologia.

Linkedin: http://br.linkedin.com/pub/hayrton-prado/2/740/27a

Facebook: http://www.facebook.com/#!/hayrton.prado

Skype: hayrton.prado1